Câmara comunista desaloja Cáritas

Hoje todos os telejornais vão abrir assim:

Uma câmara de maioria comunista mandou desalojar a Cáritas Diocesana de um edifício propriedade do município, depois de se recusar a negociar a sua permanência em virtude de “ter em estudo um projecto social para aquele local“.

Esta atitude causou a indignação da população e da hierarquia católica, revoltada esta com o que classifica como “um ataque à religião e à livre iniciativa da sociedade civil em prol dos mais desfavorecidos”.

Um porta-voz do governo lamentou a impossibilidade de intervir neste caso, mas garantiu: “em breve tomaremos as medidas legislativas adequadas para impedir que um autarca possa violar desta forma vários preceitos constitucionais“.

Entretanto e no decorrer da desocupação, um morador local, utente dos serviços prestados pela Cáritas, regou-se com gasolina, mas a rápida intervenção policial evitou o pior.