Crónicas Desportivas (5) – As ilações que Santos deve tomar

Dois jogos distintos contra duas selecções distintas, com poderios ofensivos e defensivos bem distintos e modelos de jogo quase antagónicos. Historicamente, Portugal dá-se melhor contra equipas da sua qualidade, cujo modelo de jogo seja um futebol mais aberto e mais técnico, tendo muitas dificuldades contra equipas de menor potencial como é o caso da Bulgária, selecção que faz da retranca, à falta de poderio técnico ofensivo, a sua grande arma contra as equipas de maior nomeada. Fernando Santos decerto irá tirar lições destas duas partidas realizadas na recta final da preparação para o Europeu, não esquecendo a derrota contra os Búlgaros: em França, contra Austríacos e magiares, teremos um pouco mais de Búlgaria e um pouco menos de Islândia, selecção cujo elenco é mais próximo do futebol belga.

[Read more…]

Critérios

Vi tudo. A bem dizer, vi várias vezes. Sempre que liguei para o telejornal. A história é emocionante e fundamental para a felicidade pública. É, também, a prova de que os que dizem que as televisões estão entregues aos bichos não têm razão; são uns exagerados.

Ora vejam: Fernando Santos dirige-se à sede da Federação Portuguesa de Futebol – e a câmara está lá! Filma as mãos e o rosto desta importante personagem. O engenheiro conduz o carro e as imagens testemunham esse facto. Somos informados de que a viagem demorou cerca de cinco minutos. Cinco minutos! É fundamental, como diria o Vasco Santana. Chegado o ilustre viajante, o que faz? Bebe uma bica! E a câmara bebe-a com ele. Cada golinho, em grande plano, ligeiramente contre-plongée. Somos esclarecidos, entusiasticamente, que o novo seleccionador aproveitou esse momento para ver algumas notícias na televisão.

Mas não era tudo. Não. Seguidamente, o importante novo protagonista da bola nacional foi – nada menos, oh, concidadãos – provar um fato novo e ajustar as medidas do dito. O fato oficial! Aproveitou o telejornal para mostrar que também alguns secundários desta história tiveram fato novo – e tudo isto as câmaras e a voz comovida do relator acompanharam! – mostrando que a FPF é uma mãos largas. Fiquei feliz por tão bem informado. E por constatar, mais uma vez, que a nossa comunicação social – neste caso a televisiva – continua a ter a plena noção do que é realmente importante.