Mundial de Futebol – fogo posto ?

Organizar o Mundial de Futebol é sempre um sonho para qualquer país. Milhões de pessoas em todo o mundo estarão concentrados no campeonato e durante um mês o país vai ter a maior montra de visibilidade a que um país pode aspirar. E antes e depois irá falar-se na África do Sul.

Já se começou a falar e pela  pior razão, o assassínio de Eugene Terre ‘Blanche pode desencadear uma onda de violência durante o Mundial, os brancos podem estar tentados a vingar esta morte . Julius Malema, líder das Juventudes do Congresso Nacional Africano, incita os negros com “morte ao boer” os fazendeiros brancos, e não é travado pelo  Presidente do país Jacob Zuma que o incita afirmando que vai “ser um futuro grande líder”.

Entretanto, Helen Zille, líder do Partido de Oposição Branca, Aliança Democrática, já apelou à calma, o que mostra bem que a situação pode estar fora de controlo das autoridades. Em meio urbano, com muitos milhares de visitantes, é fácil fazer explodir um autocarro ou colocar uma bomba num estádio cheio com uma multidão de 60 000 pessoas.

Nelson Mandela já não tem idade e força para manter ” a nação arco- íris” no caminho da justiça social e da integração racial.

Mandela (Memória descritiva)

Mandela e Graça Machel durante a homenagem ontem prestada na Cidade do Cabo.

Ontem, 11 de Fevereiro, realizou-se na Cidade do Cabo uma homenagem a Nelson Mandela, na passagem do 20º aniversário da sua libertação após 27 anos de prisão. Sorridente, acompanhado pela esposa, Graça Machel, Mandela esteve no Parlamento, onde ouviu o discurso proferido pelo actual presidente da África do Sul, Jacob Zuma.

O «tata» (avô), como carinhosamente o tratam os sul-africanos, sentou-se na última fila da galeria de convidados e seguiu com atenção as palavras de Zuma, que ia lendo em folhas que tinham sido distribuídas. Com 91 anos, o primeiro presidente negro do país, terá feito um grande esforço para assistir à homenagem, pois a sua saúde debilitada pela idade não lhe tem permitido sair da residência. Desde que, há quase dez anos, se retirou da vida política, raramente aparece em público.

Destacadas figuras do ANC (Congresso Nacional Africano), o partido de Mandela, com alguns dos seus companheiros de luta contra o apartheid, festejaram a libertação sem a presença do homenageado. Milhares de pessoas, correspondendo à convocação do ANC, percorreram os mesmos 500 metros que, em 11 de Fevereiro de 1990, Mandela caminhou nos seus primeiros momentos de liberdade , em frente à prisão, saudando os seus seguidores.

Jacob Zuma, no seu discurso, prometeu antecipar a idade da reforma, para reduzir a pobreza, a desigualdade e o desemprego juvenil no país. «Este ano de 2010, será um ano de acção». Zuma atravessa um momento difícil, pois o facto de ter concebido um vigésimo filho, fruto de uma relação extra-conjugal, a meio de uma campanha oficial contra a SIDA e contra a multiplicidade de parceiros sexuais, causou polémica e mesmo algum escândalo no país. [Read more…]