Pura sacaníce

Um amigo meu tem uma mercearia, comprada com recurso a crédito bancário. Quando a comprou era uma loja simples e ele trabalhou no duro para lhe dar valor e ganhar uma clientela. Ao fim de dois anos quis seguir outra vida e decidiu arrendá-la, tendo encontrado um interessado. Acontece que, de acordo com o contrato assinado com o banco, o arrendamento só seria possível com a autorização deste. E o banco não autorizava o arrendamento, excepto se o spread fosse revisto em alta. A proposta do banco, cuidadosamente preparada, significava que toda a renda recebida pelo meu amigo ia direitinha para o aumento de spread. Ou seja, o banco, que já estava a ganhar com o empréstimo bancário, queria ficar o lucro que o meu amigo poderia vir a fazer graças ao seu trabalho.

Vem isto a propósito da notícia da proibição do aumento do spread em caso de arrendamento de imóveis com crédito à habitação associado  não ter sido «bem recebida pelo sector financeiro». [Read more…]

Matar as Repúblicas? suicidem-se

Tenham vergonha deputados do PSD que andaram por Coimbra, a começar em quem foi dirigente associativo como Emídio Guerreiro.

O regime de excepção para as Repúblicas estudantis, tradicionais em Coimbra, e sob proposta do PS, foi rejeitado pelos partidos da maioria na Assembleia da República (PSD e CDS/PP) na votação na especialidade das alteração à Lei de Arrendamento (n.º 38/XII proposta pelo Governo), que decorreu quarta-feira (dia 30) na Comissão de Ambiente, Poder Local e Ordenamento do Território. in Campeão das Províncias

Os outros acabam de dar um tiro nas patas. Quem se mete com as Repúblicas leva, mais de um século de História o atesta.

Lei de Arrendamento e Repúblicas

Explicado este assunto republicano, sempre acrescento que até o PSD tem deputados que podem fazer um desenho à ministra.