Mais Maias (?)

eçaO Expresso, sempre pronto para bizarrias editoriais, lançou mãos à empreitada de, não só editar o original de Os Maias, mas continuá-lo e dar-lhe um fim na convicção, porventura, de que Eça de Queirós, conquanto fosse um escritor diligente, não tinha fôlego para dar conta, sozinho, da tarefa ingente de concluir a obra. Para isso mobilizou escritores – como Peixoto e Agualusa – e outras pessoas – como Clara Ferreira Alves.

Não me entendam mal. Nada tenho contra o facto de estimular o emprego nos vários sectores da edição – desde o escritor ao livreiro – e reconheço que a vida está difícil para todos. Assim, o Eça, coitado, depois de ter visto editado um romance que ele próprio rejeitou (A Tragédia da Rua das Flores), vê agora continuado um romance que, na sua arrogante convicção, pensou ter acabado. Ele e os milhões de leitores – os voluntários e os em boa hora obrigados pelo programa do Ensino Secundário – que, na sua ingenuidade, julgavam ter lido a obra completa. Já nem falo dos muitos e ilustres ensaístas que dedicaram uma vida a trabalhar sobre este equívoco (embora Carlos Reis não hesite em incluir nisto a sua “Introdução à Leitura d’Os Maias”).

Por mim, confesso: tal como não li a “Tragédia…” – se o seu autor a abominava, eu respeitei a sua opinião – não faço a menor intenção de ler este folhetim escrito nas defuntas costas do seu autor. Há lá escritores estimáveis e dos quais gosto? Há. Mas, por mim, vão ficar a falar sozinhos. Embora possa ser estimulante para alguns ler a fulgurante conclusão que a Clarinha vai dar à obra-prima de Eça. Que, por este andar, ainda se transforma em obra-tia. A iniciativa do Expresso designa-se, no seu comemorativo conjunto, “Eça Agora”. Essa agora!!

Atenção, hoje é noite de carrapato

vg

Parece que a raça só se extingue em Maio.

Civilizações Perdidas: Maias, Aztecas e Incas

O programa de História do 8.º ano passa praticamente ao lado da viagem de Cristóvão Colombo à América, disponível na net e já publicado nesta rubrica.
Mas dá alguma atenção, embora pouca, às civilizações pré-colombianas: Maias, Aztecas e Incas.

Maias à porta no 1º de Maio

Na minha vila, ainda se colocam as maias à porta. São mais as casas com elas que sem elas! É bonito de ver. Também eu as fui apanhar… Ainda conheci um ribeiro aqui perto e ouvi a àgua correr nele…
As ‘maias’ são giestas de flor amarela que florescem em princípios de Maio e como que anunciam a chegada deste mês, define o Dicionário da Língua Portuguesa.
Não as sabia tão macias. («Macias» sem c lê-se maias, reparo agora na coincidência).

[Read more…]