O corpo de Bin Laden

Bin Laden era, nos dias que correm, uma espécie de ex-presidente de uma grande multinacional na reforma, com a dificuldade acrescida de ter os movimentos limitados, as comunicações controladas e parte do mundo a tentar localizá-lo. Em abono da verdade, Bin Laden era, actualmente, quase inofensivo.

Para além de questões religiosas que envolvem a forma de tratar um cadáver islamita, que não discuto, existem aspectos que importa considerar. Um deles, talvez o mais importante, tem a ver com a força simbólica do corpo de Bin Laden. Desse ponto de vista parece-me evidente que o corpo morto de Bin Laden seria hoje bem mais importante do que o corpo vivo na sua última condição de refugiado. Quero dizer, se se soubesse exactamente em que local se encontram os restos mortais de Bin Laden, esse local passaria a concitar ódios e amores extremos e extremistas, seria sempre um lugar de elevada sensibiliade e com gente disposta a aproveitar-se do facto para os piores motivos.

Por outro lado, Bin Laden prisioneiro e julgado num tribunal internacional, readquiriria  também uma força simbólica que actualmente não possuía e as consequências de tal processo seriam absolutamente imprevisíveis no que se relacione com o aumento do terrorismo e das várias radicalizações fundamentalistas.

Suponho que a própria exibição das imagens de Bin Laden morto não acabará com todo o tipo especulações e teorias de conspiração. Tal como aconteceu com muitos ícones da cultura popular, Bin Laden, ainda que falecido, vai continuar a andar por aí.

A morte de Bin Laden e a idiotice do mundo

As bolsas de todo o mundo subiram – a de Lisboa parece ter batido recordes – e o preço  do petróleo  baixou graças à morte de Bin Laden. O clima é de festa. Pergunta-se: mudou alguma coisa? Superámos a crise? O planeta está melhor e mais seguro? O terrorismo acabou?

Não é por morrer um idiota que acaba a idiotice. Felizmente também não é por isso que se vai embora a primavera.

Bin Laden morreu mesmo?

Depois de procurarem Bin Laden em grutas e em tendas, em montanhas e desertos, os americanos foram dar com ele não tão escondido quanto isso, num complexo residencial de luxo. As autoridades paquistanesas, se pressionadas, vão ter alguma dificuldade em explicar tanto desconhecimento.

Já as americanas, naturalmente pressionadas, terão também coisas a explicar, nomeadamente a pressa com que se libertaram do cadáver. Compreende-se que o corpo de Bin Laden pudesse criar tantos engulhos morto como criou vivo, aumentando a sua aura de mártir, motivando peregrinações de apoio e de repúdio, confrontos e eventual aumento de intolerância racial e religiosa, sendo o mar o melhor guardador para tão grande e incómodo segredo. No entanto, àparte questões que têm a ver com o tratamento do corpo por parte da religião islâmica, tão breve tempo de exposição poderá sempre fazer com que subsistam dúvidas sobre a verdadeira morte de Bin Laden e dar origem às teorias de conspiração mais disparatadas. [Read more…]

Bin Laden morto no Paquistão

Barak Obama anunciou a morte de Bin Laden algures no Paquistão, perto de Islamabad, quase dez anos após os ataques às Torres Gémeas. Algumas guerras depois, um número incontável de mortos e de recursos gastos, extremados muitos fundamentalismos religiosos, Obama exibe finalmente a cabeça de Osama. O anúncio foi festejado em Washington e Nova Iorque por milhares de pessoas, mostrando que Bin Laden era uma espinha atravessada na garganta dos americanos.

Durante anos discutiu-se se Bin Laden estaria escondido nas montanhas do afeganistão ou, pelo contrário, em ambiente urbano, em pleno Paquistão, perto de Islamabad. Pelos vistos estavam certos os segundos. Será este o golpe de misericórdia na Al-Quaeda? Só o tempo o dirá.