Bin Laden morto no Paquistão

Barak Obama anunciou a morte de Bin Laden algures no Paquistão, perto de Islamabad, quase dez anos após os ataques às Torres Gémeas. Algumas guerras depois, um número incontável de mortos e de recursos gastos, extremados muitos fundamentalismos religiosos, Obama exibe finalmente a cabeça de Osama. O anúncio foi festejado em Washington e Nova Iorque por milhares de pessoas, mostrando que Bin Laden era uma espinha atravessada na garganta dos americanos.

Durante anos discutiu-se se Bin Laden estaria escondido nas montanhas do afeganistão ou, pelo contrário, em ambiente urbano, em pleno Paquistão, perto de Islamabad. Pelos vistos estavam certos os segundos. Será este o golpe de misericórdia na Al-Quaeda? Só o tempo o dirá.

Comments

    • carlos says:

      Não será matando pessoas, Bin Laden ou outro qualquer, que se anulará o terrorismo, mas mudando-se atitudes e condições de vida das pessoas. A guerra só dará lucro aos grupo económicos ligados ao armamento e à banca. Será lícito a ingerência constante nos outros países? E a Paz?

  1. Urbano says:

    É a maior treta que eu já vi. Bin laden tinha hepatite C, como tal era necessário ser hopitalizado de 3 em 3 dias, como é que é possivel andar a esconder-se nas montanhas ou em meio urbano com uma enfermidade deste genero? Ele tinha a doença já em 2001, e várias provas indicam que bin laden faleceu em meados de dezembro de 2001, vários chefes e presidentes do paquistão e afeganistão afirmam isso mesmo. Podem confirmar essas noticias. E mais, aquelas fotos do bin laden morto são para rir, é que qualquer pessoa vê que é uma montagem. E entre outras coisas que desmentem a mentira dos americanos. Eu acho que os americanos foram para os paises de leste fazer o novo filme dos Ghostbusters,pois se o bin laden já estava morto, eles foram lá atrás de um fantasma. “Guerra contra o terror” dizem eles, mal eles sabem que o terror é a guerra em si.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.