Bolsas de estudo do Ensino Superior: uma questão sem fim

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Em 2005 quando entrei no ensino superior, a DG\AAC então presidida por Fernando Gonçalves lutava com afinco pelo aumento do numero de bolseiros na UC. Eu, na altura um jovem caloiro bolseiro, tomei a luta como minha e avancei com a Direcção Geral para Lisboa, chegando inclusive nessa manif a levar uma lapada de uma amiga afecta ao Bloco quando a manifestação se dividiu em duas com agendas distintas.

Anos mais tarde quando o Governo Sócrates decidiu fazer modificações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo em 2010 com o famigerado Decreto-Lei 70\2010, na condição de não-bolseiro, alinhei mais uma vez na luta e pressionei muito a DG de Miguel Portugal a avançar para formas de protesto não convencionais. A nova ponderação dos elementos do agregado familiar para e feitos de cálculo do valor a atribuir excluiu o acesso a milhares e levou pela primeira vez no Ensino Superior a uma debandada em massa de estudantes por indeferimento das suas bolsas e consequentemente por falta de recursos financeiros. Esse DL previa na altura a passagem de todos os membros do agregado familiar para uma capitação inferior a 1, algo completamente ridículo que obviamente se reflectia nas fórmulas de cálculo. O agregado que auferia a título de exemplo 13000 euros por ano a dividir por 4 elementos, via na nova fórmula uma divisão do valor por 2.7 pessoas. O candidato valia 1 pessoa, pai e mãe 0.5 e o irmão 0.7. O rendimento per capita subia, portanto. [Read more…]

Nem a chantagem dos mercados sabeis fazer, palermas!

Sapo

Perante a ameaça de a democracia não seguir o rumo pretendido pela nação pafista e se transformar naquilo a que as claques se referem como sendo o “frentismo” ou a “ditadura de esquerda”, o spin que desceu à terra para iluminar o caminho dos justos não podia ser mais claro, ameaçador e digno de rebelião: os mercados não vão perdoar. Ressuscite-se a Rede Bombista que isto já só lá vai com sangue e sedes do PCP a arder.

Ontem, para reforçar as instruções enviadas às caixas de ressonância, a coisa até correu bem: o PSI-20 a cair 2% (como se fosse preciso muito para que isso acontecesse) e os juros a subir há alguns dias (apesar de ontem até terem descido ligeiramente mas isso não interessa nada) só podiam significar uma coisa e o título do Expresso não deixava margem para dúvidas: “Acções descem e juros sobem com medo de um governo de esquerda”. Oh, o medo! O terror! Deus nos acuda que o PREC está de volta. Fujam todos carago! [Read more…]

Alunos vão continuar mais uma semana sem aulas

E já não há paciência que aguente isto.

No parlamento, o responsável pelo erro nos concursos, Pedro Passos Coelho teve oportunidade de dizer a Ferro Rodrigues que o erro tinha, de facto existido, mas num contexto de reforma. Isto é, erraram, mas ao tentar fazer melhor. E, como sempre, Pedrinho Coelho é capaz de ter parte da razão – a legislação de concursos mudou e foram as mudanças que resultaram nesta confusão. Logo, se estivessem quietinhos, a coisa tinha corrido melhor.

O Governo procurou passar parte dos concursos a contrato para a esfera das escolas e criou uma réplica do concurso nacional em cada escola. Ora, no ponto em que estamos, cada professor concorre a tudo o que lhe aparece, de Melgaço a Tavira, porque, basicamente, o que nós queremos é trabalhar.

Ora, se em cada escola, há um concurso diferente e completamente “estanque” em relação aos outros temos novamente um problema – a Professora A foi hoje colocada em 6 escolas. Vai aceitar, até 3ª feira numa das escolas. Logo, as outras 5 só depois de terça poderão convocar outro e assim sucessivamente. Só que há um detalhe. Se, na semana seguinte o MEC chamar o candidato 2, que até pode ser o mesmo nessas 5 escolas, na semana seguinte serão 4 as escolas sem professor…

Mais uma moedinha, mais uma voltinha...

Educação em estado de Citius

A justiça entrou no PC e não saiu?

Não há crise, suspende-se.

No caso dos Profs, saiu quem não devia?

Não há crise, anule-se!

Mais uma PPP desastrosa para o país

Estamos a assistir ao vivo e a cores a mais uma PPP desastrosa para o país. A diferença está que, desta vez, não se trata de uma “Parceria Público-Privada”, mas antes de uma “Perrice de Paulo Portas”. O governante terá achado por bem ameaçar sair com o mesmo estrondo de quem sai, para reforçar o seu poder no Governo. Não o demoveu o interesse do país nem a actual conjunctura. Nada disso o fez parar no seu anúncio de saída irrevogável. O país aguenta: uma dolorosa queda na Bolsa, a subida dos juros e a histeria dos mercados. O país aguenta. O povo aguenta. Nem que seja com um segundo resgaste. Ou um terceiro. Ou mesmo um quarto. Não importa. Paulo Portas bateu-se por mais poder e parece que está a conseguir os seus intentos, ainda que sobre o pouco em que o país sobrevive.

E se jogassem antes no Euromilhões?

Segurança Social perdeu 1500 milhões de euros na bolsa.

O presente, essa grande mentira social. VII – Sociologia económica

1324074_a_christmas_carol___mn_225_300.jpg

1. Antecedentes.

Espera-se que um Antropólogo da Economia fale, apenas, da etnografia de povos além da sua cultura e não da interacção social da economia que orienta a sua própria cultura. Mas, se queremos entender esse processo, é preciso entendermos o que é a Sociologia Económica. Uma temática que tem a ver com três conceitos: o de opção e o de maximização ou teoria da acção sociale, principalmente, [Read more…]

“Vale a pena comprar acções do BCP”, dizem eles

bcp_2011

Fonte: www.BolsaPT.com

O ‘Field Marketing’ é uma disciplina, de inspiração anglo-saxónica, composta de várias áreas e técnicas para estudo, informação e promoção de produtos e serviços, com a finalidade de optimizar vendas e a satisfação de consumidores.

Uma das modalidades utilizadas designa-se ‘cliente-mistério’. Consiste em alguém, fazendo-se passar por cliente, realizar uma auditoria ao comportamento de um profissional de determinado estabelecimento, independentemente do ramo de actividade – restauração, vestuário, produtos tecnológicos, bancos, seguros e outros.

O ‘Diário Económico’ realizou uma operação de cliente-mistério para saber “o que os bancos recomendam aos clientes”. À pergunta se valeria ou não a pena investir na bolsa, um funcionário do BCP foi assertivo: “Vale a pena comprar acções do BCP.”

[Read more…]

A bolsa e a vida*

Frank Paton - The Card Game 1885

Os bancos portugueses estão aflitos com a chegada da troika aos seus balanços. Afinal, o dinheiro que lhes falta para financiar a economia está nas mãos de alguns, poucos, grandes clientes que o pediram para comprar acções que agora não valem nem metade do que custaram.

Isabel Tavares in Sou tão rico, não era? Dívida supera mil milhões

Também já vi este filme, conhecido entre uns por Investir no Mercado Bolsista Através do Crédito e por outros chamado Jogas na Bolsa e Quem Se Lixa Sou Eu.

A simples ideia de um banqueiro emprestar para comprar um papel, agora nem o papel existe, arrepia-me desde que li umas coisas sobre 1929. Quem vai agora emprestadar aos bancos também sou eu, no meu vencimento anual e nos gastos de todos os dias.

Que culpa temos de as acções terem descido, se quando subiram nada ganhámos com isso?

* o título é gamado mas googlando percebe-se que aplicado o provérbio se conseguem milhões de anos de perdão, pelo menos tantos quanto a dívida privada nacional.

Um gamanço colossal

O assalto ao 13º mês parecia um assalto ao bolso de todos nós. Afinal não é: os rendimentos de capital, incluindo os provenientes da especulação bolsista não serão tributados.

Compreende-se: se uma crise nasce da especulação financeira penalizar os prevaricadores teria uma espécie de moral, o que de modo algum faz sentido no mundo em que vivemos.

Roubem-se pois os rendimentos do trabalho, até porque dada a completa ausência de responsabilidade do trabalho nesta crise do capital financeiro sempre ficamos todos unidos. É a solidariedade social no seu melhor.

Mais logo o ministro do assalto às nossas Finanças vai explicar tudo, tostão por tostão. Promete, se há coisa que a este ministro não tem faltado é sentido de ironia e humor, qualidade que temos sempre de apreciar, antes de nos dar um tiro toda a gente gosta que o assaltante conte uma boa piada. LOL.

A morte de Bin Laden e a idiotice do mundo

As bolsas de todo o mundo subiram – a de Lisboa parece ter batido recordes – e o preço  do petróleo  baixou graças à morte de Bin Laden. O clima é de festa. Pergunta-se: mudou alguma coisa? Superámos a crise? O planeta está melhor e mais seguro? O terrorismo acabou?

Não é por morrer um idiota que acaba a idiotice. Felizmente também não é por isso que se vai embora a primavera.

Todas as crianças de seis anos devem pagar IRS

A ideia parece-me excelente. Se a crise afecta todas as pessoas, todas as pessoas devem contribuir para acabar com ela, incluido na redução do sagrado défice. Assim, nada melhor que colocar as crianças a pagar IRS. Sobretudo se, mesmo com seis anos, tiverem recebido uma bolsa para estudar na Universidade dos Açores.

O Correio da Manhã dá conta, hoje, de que o nosso fisco não anda distraído e que exige o pagamento a quem de direito.  Se a criança, então com quatro ano, usufruiu dos nossos impostos só tem de pagar o respectivo IRS.

A criança não teve qualquer bolsa, nem sequer para estudar na Universidade dos Açores? Então que prove. Hoje vou dormir muito mais descansado a saber que, de facto, ninguém escapa ao nosso serviço de finanças.

A Telefónica quer vivamente a PT!

A “road show”, como diria o outro, está na estrada! A fina flor está em Nova Yorque a tentar convencer os accionistas e tudo o que cheire a dinheiro que cá a gente, está para dar e vender, não é nada como nos andam a difamar, que temos problemas, que não vamos conseguir pagar o que devemos, invejosos, é o que é…

A Telefónica quer a VIVO toda( 46 milhões de clientes), já tem metade, a outra metade têm-na a PT, é uma questão de dinheiro, mais tarde ou mais cedo. O que está em jogo é uma empresa, no Brasil, que já é a maior contribuidora de lucros no universo da empresa Portuguesa, cresce num mês, em termos de clientes, o que a PT cresce num ano,  num país que cresce a um ritmo seis vezes superior ao nosso.

A Telefónica, que já é uma das principais accionistas da PT, oferece um preço muito superior à cotação em bolsa, tentando desta forma convencer o Estado português, que tem uma “golden share” que pode travar tudo, a vender e assim ver os seus problemas das contas públicas resolvidos. Mas vender seria vender os dedos e os anéis. Perante isto , a Telefónica lançou uma OPA hostil, sobre 100% do capital da própria PT! Agora quer a PT e a VIVO!

A Telefónica é cerca de quatro vezes maior que a PT e moram ambas num condomínio onde imperam as regras,  que têm que ser cumpridas. Não podem viver nas bolsas de Nova Yorque e Londres com regras próprias, como é essa história das “golden shares”,  em que um accionista ultraminoritário pode decidir se sim ou não a uma OPA!

Mesmo que seja um Estado!

O negócio e os inúteis

A empresa canadiana "Creative Classics" sabe que o segredo do negócio pode estar em aproveitar o momento. Por isso, criou um conjunto de 12 bolas de golfe que trazem a imagem de 12 das 19 possíveis alegadas amantes do golfista Tiger Woods.

golfe-0402

O conjunto básico custa 44,95 dólares. Nos primeiros três dias, a empresa já facturou 40 mil dólares com venda do conjunto de bolas de golfe.

Isto sim, é negócio. Isto é saber estar no mercado certo no momento certo. Isto é produtividade, ao contrário dos endinheirados inúteis que jogam na bolsa ao sabor do sopro dos ventos.

Faltam 432 dias para o Fim do Mundo…

# A relação deste governo com a Comunicação Social merece um estudo académico aprofundado. Começou por ser uma relação profissional ao ponto de a oposição considerar que Sócrates era bom, apenas e só, na forma como “comunicava” e lidava com ela. Hoje, após tantos e tantos choques, verifica-se o oposto: Sócrates lida mal com a imprensa e quer implementar uma verdadeira censura selectiva. De Manuela Moura Guedes, passando pelo Público e terminando em Mário Crespo, fica a questão: O que mudou?

# Nos últimos anos e de forma recorrente, a denominada “noite do Porto” enche páginas e páginas de jornais, abre noticiários televisivos e inunda fóruns de rádios. Do crime sem castigo, passando por actos de verdadeiro terrorismo e terminando na condenação de Bruno Pidá, tudo serve para mostrar que algo vai mal na noite do Porto e que muitos se julgam acima da Lei e a viver em total impunidade. Até quando?

# A Bolsa ou a Vida podia ser o título de um filme português. Vi na cara de um amigo o pânico típico do jogador de bolsa em dias tristes e cinzentos como o de hoje. Será que ninguém, a começar pelos homónimos de terras do Tio Sam, aprendeu com a recente crise bolsista?

Bolsa para Totós

Se fosse editado hoje, A Bolsa de Max Weber seria certamente publicado nesta famosa colecção dos totós.
Publicado em 1894 como um conjunto de 2 textos destinado ao grande público que talvez considere a bolsa como “uma associação de conspiradores vivendo da burla e da gatunice, à custa do honesto povo trabalhador” e com o objectivo de explicar o funcionamento dos mercados bolsistas, esta obra, que li na versão portuguesa da Relógio D’Agua Editores traduzida por Rafael Gomes Filipe é obrigatória para quem quiser perceber como chegamos à complexidade do actual mundo financeiro.

É curioso como a especialização que tinha como objectivo partir um problema em pequenas partes de forma a que através dessa simplificação esse problema se tornasse resolúvel, acabou no fim por tornar um qualquer problema numa amálgama de pequenos pormenores que dificultam ter aquilo que na moda actual se chama de visão holística.

Assim, para mim pelo menos, ter uma visão histórica ajuda a perceber a realidade de hoje na medida em que apresenta de uma forma condensada e coesa aquilo que no mundo actual podem ser várias áreas de conhecimento que eventualmente já nem têm grandes pontes entre si.

A propósito dos tempos que correm, de bancos “too big to fail” mas que passado um ano já estão a dar aos lucros habituais, e pegando só numa das (muitas) partes que este pedagógico A Bolsa de Max Weber refere não posso deixar de transcrever estas 2 frases:

“(…) não existem na bolsa transacções que, em razão da sua forma, seja em si mesmas «sérias» ou «pouco sérias», mas apenas homens de negócios sérios ou pouco sérios que se servem destas formas. A bolsa é uma questão de pessoas.”

“A transição de uma transacção com fins comerciais para uma pura operação especulativa de agiotagem é muito fluida, é progressiva e imperceptível(…)”

Por favor, deixem-me transcrever este texto

 

Por: José Niza – In ”O Ribatejo”1. Depois do que aqui escrevi na semana passada sobre “o dinheiro”, não esperava tão depressa voltar ao assunto: preferia que, em tempo de Natal, a caneta me conduzisse para outras paragens, e me levasse por caminhos que fossem de procura, ou de descoberta, de uma réstia de esperança, de uma festa numa praça de amor, de paz e de canções.
Mas não. O homem põe. E a banca dispõe.
2. Um relatório há poucos dias divulgado pela CMVM – a Bolsa – deu-me um murro no estômago. Não é que eu tenha andado distraído da ganância e dos festins da nossa alta finança. Mas tudo tem que ter limites: os números revelados nesse relatório sobre os salários dos administradores dos bancos e das empresas mais importantes do País, para além de aterradores, são um insulto ao povo português e, em especial, aos mais de 500 mil trabalhadores que estão no desemprego.
3. O salário mínimo em Portugal é de 450 euros por mês. 90 contos por mês. 3 contos por dia. Muito pouco para pagar a renda da casa, a comida, as roupas, os sapatos, a água, a luz, os transportes, talvez o telemóvel… [Read more…]

Coisas do Diabo – Motta Engil e Jorge Coelho

É a empresa que mais concursos públicos ganha, que mais deve aos bancos e que acolhe mais ex-governantes socialistas. Acções dispararam com a vitória do PS. Agora, o Banco de Portugal quer passar as dívidas do grupo a pente fino.

Sabia que desde que Jorge Coelho passou a administrador da Mota Engil, cada português deu, pelo menos até agora, 170 euros àquela empresa? Este é o saldo das “negociatas” entre a empresa e os sucessivos governos socialistas. Com as vitórias do PS, a construtora subiu “em flecha” na bolsa graças às encomendas dos “camaradas” no poder e ao aumento catastrófico da dívida pública.

Quando Jorge Coelho era governo atribuiu mais de mil milhões de euros de concessões rodoviárias a consórcios liderados pela Mota Engil. Na mesma altura, o secretário de Estado Luis Patrão, saiu directamente do governo para a construtora. Jorge Coelho seguiu o mesmo caminho, após as famosas SCUTS, terem sido atribuídas, na sua maioria à empresa.

Em apenas um ano a empresa conseguiu duplicar o valor em bolsa! Com a recente vitória socialista, em pouco mais de um mês cresceu 29% – o maior de sempre para este tipo de empresas, esperando-se que em 2010, atinja os cinco euros por acção, o que corresponde a um aumento de 500 por cento em apenas dez anos!

E dizem eles que se não os agarram fogem do país. Mas há algum país que dê dinheiro a ganhar desta forma e com estas cumplicidades ao nível dos governos e do mundo empresarial?

Enriquecer à portuguesa

Conheça um banqueiro. Convença-o a emprestar-lhe uns milhões e dê como garantia as acções que vai comprar de empresas do PSI-20. Com o rendimento das acções vai pagando o empréstimo. Convem fazer um plano de negócio onde demonstra tim-tim por tim-tim que vai produzir riqueza e criar postos de trabalho. É que assim, convence tambem os serviços do banco e vai buscar uns milhões de subsídios ao Estado.

 

Depois almoce com uns jornalistas e convide decisores na área da comunicação social, que vão fazer barragem ao seu negócio, protegendo-o de quem nada faz e só quer o mal dos empreendedores. Entretanto, começa a ganhar dinheiro e ainda não avançou com o negócio, o que lhe permite arranjar mais uns milhões que aplica na bolsa.

 

Você, agora, já é comendador, já ninguem está à espera que suje as mãos na indústria ou na agricultura, onde se produz a riqueza. Como se tornou um accionista de referência de uma ou de várias empresas "amigas" do governo, tem lugar assegurado nas administrações, a ganhar principescamente.

 

Os bancos nem se atrevem a pedir-lhe que devolva os empréstimos, não vá alguem bisbilhoteiro de dentro da banca, dizer como se fizeram os negócios "finos". Se deixar de ganhar dinheiro ou que haja um "crash" bolsista, você entrega as acções e o prejuízo é da banca, e você continua a ganhar uns milhares por mês em vencimentos.

 

Vai dando algum aos partidos, principalmente ao que apoia o governo, e não vão faltar obras públicas e "contentores de Alcântara", que fazem aumentar o seu rendimento e que lhe abrem as portas a mais um lugarzinho bem pago nos orgãos sociais.

 

Dá muito trabalho ser rico em Portugal!

%d bloggers like this: