O dinheiro e a notícia

É uma asserção da doutrina académica que a mais valiosa e indissociável companheira do Capital é a Notícia.
Isto quer basicamente dizer que o valor do dinheiro, o seu poder, depende da Informação que sobre ele se produz e difunde.

É à luz desta evidência que deve ser feita a defesa dos que são vítimas do terrorismo financeiro, sendo certo que jamais poderão ter defesa útil sem o controlo de, pelo menos, um dos factores.

A química da notícia

Diz-se, mas só Deus, misericordioso, altíssimo e justo, o sabe com certeza infinita, que foi um médico quem criou o primeiro jornal.
Na busca incessante por métodos terapêuticos mais eficazes, que ajudassem os seus doentes a superar mais rapidamente as maleitas de que padeciam, o médico achou que se todos os dias desse aos seus pacientes boas notícias, escritas com letra de imprensa num folheto A4 que logo pela manhã distribuía num tabuleiro, ao lado do sumo de manga siberiana e dos bolinhos de Girimú, os ajudaria a melhorar o ânimo.

[Read more…]

Intelectualmente desonesto

Começou por andar por aqui e por ali, mas estou certo, há uns bons anitos que o senhor Professor não dá aulas. Passou pelo CAE do Porto, ainda no tempo dos mini-concursos em papel, andou por aquela coisa que não sei bem o que é, mas que tinha uma linha telefónica e queria criar uma ordem, saltou para a DREN e depois para o Governo. Teimava em falar de professores como professor, o que não era rigorosamente verdade, mas, sobre isso, quem lhe  paga as despesas que se manifeste. A mim, enquanto professor, só me apetece lembrar o pensamento:

Bem prega frei Tomás, faz o que ele diz e não o que ele faz.

 

No Haiti o jornalista é notícia…

Eu a pensar que o jornalista se tinha atirado para debaixo de um prédio para salvar alguem, ou na confusão de gente infeliz, ter levado uma surra ou, enfim, um episódio dignificante que justifica-se a notícia de o jornalista ter ido parar ao hospital. Mas não, partiu um pé e deu uma cabeçada num muro a fugir depois de ver o hotel a abanar.

Estes jornalistas são uns pândegos de morrer a rir, consideram-se uma classe à parte, são conhecidos, aparecem na televisão, gente do mundo numa palavra. Correm para o Haiti aos montes e mostram-nos aos montes as mesmas imagens, mortos, edificios destruídos, gente cheia de pó branco, com um ar de fantasma, os únicos que estão frescos como uma alface são os jornalistas, banhinho tomado no hotel, microfone em punho a dizer-nos que houve um terramoto e há uma grande destruição.

Quando da cobertura da Guerra do Golfo os nossos intrépidos jornalistas apareciam de capacete na cabeça, a centenas de Kms da frente de batalha, a darem-nos notícia do que tinham lido nos jornais ingleses do dia anterior. Mas o capacete dava um ar do caraças, o homem estava mesmo lá, onde “está a notícia”!

E se estes senhores em vez de andarem ali a prejudicar quem trabalha, quem mete as “mãos na massa” , se ajudassem e admitissem que dia após dia nada têm para dizer ?

Larguem o microfone, as câmaras de filmar e ajudem,  enviem uma vez por dia uma “notícia” : esta destruição, estas mortes, têm a ver com a miséria a que foram votados os Haitianos pelos mesmos que agora “às pinguinhas” enviam umas quantas garrafas de água e uns pacotes de bolachas!

E, porra, quando se partirem partam alguma coisa que se veja!