ERGUE-TE, põe-te a monte ó facho!

Graças a um leitor do Aventar fiquei hoje a saber duas coisas que desconhecia: que existe um partido chamado Ergue-te e que o dito partido plagiou um texto do aventar da minha autoria.

O tal partido Ergue-te é uma espécie de Chega mas ainda mais matarruano, o que não é fácil. Pelos vistos, não se limitam a plagiar o Ventura como também o Aventar. É o que dá quando o cérebro não atinge um tamanho superior ao de uma ervilha. Será que não existe por lá uma alminha que saiba escrever umas linhas de texto sem ter de plagiar terceiros? São assim tão limitados?

Só faltava andarem a plagiar o partido do Órban e serem como o tal do József Szájer que destilava ódio contra os homossexuais e depois foi apanhado numa orgia gay. Com jeitinho este plagiador do Ergue-te combate os homossexuais e depois anda para aí a abafar a palhinha do vizinho do 5º Esquerdo…

Primeira, segunda e marcha atrás

Imagem: Dr. Drodd Graphics

Comece pela tónica, passe à quarta, continue na quinta de sétima e volte à tónica. Ou como se diz na gíria musical, primeira, segunda e marcha atrás. Falamos de acordes e das fórmulas para escrever canções. Numa melodia em Dó Maior seriam Dó Maior, Fá Maior e Sol Maior de sétima os acordes em causa.

Existem outras receitas bem conhecidas e, ainda mais, usadas. De facto, muito do cançonetismo por elas passa, independentemente da sua popularidade e origem. Não é uma melodia complexa que garante o sucesso, tal como uma melodia simples não está necessariamente condenada ao fracasso – que o diga quem analise Zeca Afonso. Há muito para além das palavras e das notas nas canções, tendo a interpretação um papel determinante na conquista do podium. [Read more…]

O capitão Grancho

não foi o último a sair do educanic

Intelectualmente desonesto

Começou por andar por aqui e por ali, mas estou certo, há uns bons anitos que o senhor Professor não dá aulas. Passou pelo CAE do Porto, ainda no tempo dos mini-concursos em papel, andou por aquela coisa que não sei bem o que é, mas que tinha uma linha telefónica e queria criar uma ordem, saltou para a DREN e depois para o Governo. Teimava em falar de professores como professor, o que não era rigorosamente verdade, mas, sobre isso, quem lhe  paga as despesas que se manifeste. A mim, enquanto professor, só me apetece lembrar o pensamento:

Bem prega frei Tomás, faz o que ele diz e não o que ele faz.

 

Casados com comunhão de teses

Professora e vereador apresentam teses semelhantes.

É o chamado plágio conjugal.

A consciência dos sociopatas

Santana Castilho *

1. Annette Schavan, directora espiritual de Crato para o ensino profissional e até há pouco ministra da Educação da Alemanha, demitiu-se após ter sido acusada de plágio pela universidade onde se havia doutorado há 33 anos. Na origem do escândalo esteve a denúncia de um blogue. Schavan reclama inocência e vai pleitear a causa em tribunal. Mas a sua consciência disse-lhe que, neste momento, esse era o caminho. Curiosamente, a tese que escreveu (ou plagiou) estudava o carácter e a consciência. Antes de Schavan, Karl Guttenberg, ministro da Defesa, procedeu do mesmo modo, por motivo idêntico. E, antes dele, fora a vice-presidente do Parlamento Europeu, Silvana Koch-Mehrin: mesmo erro, idêntico padrão de comportamento e de consciência.

2. A Lusa questionou Nuno Crato sobre o relatório do FMI, que alude ao eventual despedimento de 50 a 60 mil funcionários do sistema de ensino, docentes e não docentes. Importa reter e comentar algumas afirmações do ministro, extraídas da resposta:

– “Nós não somos irresponsáveis. Isso não está em causa, de forma alguma.”

– “O Governo irá apresentar um conjunto de medidas … para a redução da despesa, algo que todos os contribuintes querem”.

– “Nós, até este momento, não fizemos nenhum despedimento na Educação … “ [Read more…]

Tony Carreira, o Plagiador

A história já é de 2008 e nunca pensei vir a escrever sobre ela. Mas os comentários de algumas senhorecas mal-educadas, num post que escrevi sobre o concerto de Tony Carreira no Pavilhão Atlântico, obrigam-me a regressar a tão momentoso assunto.
Pois bem. Se o máximo que têm a dizer sobre Sérgio Godinho é que ele é um «garrafão sem pescoço» e que «parece o cu de um cão a cagar, sem expressão e sem alma», minhas senhoras, isto diz tudo vós e sobre a forma como entendem a música.
Quanto a Tony Carreira, lamento, porque até gosto da personagem de homem humilde e trabalhador que ele criou, mas foi acusado de plágio ainda há dois anos. É, pois, um plagiador. Não são necessários grandes argumentos.
Basta ouvir a música que aqui vos deixo, do mexicano Crstian Castro, publicada em 1997 sob o título de «Después de ti más nada». E comparar com a que Tony Carreira publicou em 1999, «Depois de ti mais nada» (que original). Poderão também dar uma olhadela à letra de cada uma das músicas.
Tirem as vossas conclusões e, como já dizia no post anterior, instruam os vossos ouvidos.


Não é igualzinho? Até as malucas aos gritos! Agora vejam a versão Tony: [Read more…]

"A originalidade é coisa que não existe"

Na actual sociedade da informação, a discussão sobre os direitos autorais é cada vez mais valorizada por alguns e, simultâneamente, mais desvalorizada por outros. Por outro lado,  mundo actual é um melting pot onde tudo acabará fundido e indistinto, para uns;  multicultural, para outros, que defendem existir progressivamente mais espaço para diferenças culturais e comportamentais dentro de uma mesma sociedade.

No campo artístico estão na moda conceitos e expressões como contaminação, interpenetração, fusão, transversalidade, etc. Em função disso, ideias como criação individual e plágio, sedimentadas durante muitos anos, encontram-se no centro de novas discussões, reavivadas agora com o livro “Axolotl Roadkill” de Helene Hegemann. Para ler no i.

Ui! Ai! Uuuiii!

Ainda não percebi o interesse pela exposição dos orgasmos da Clara Pinto Correia . Atendendo ao facto de já ter andado a plagiar artigos de revistas estrangeiras – o que lhe valeu a suspensão da sua colaboração na revista “Visão” -, para mim a veracidade dos seus orgasmos é de nível zero.
Isto para quem tem interesse na veracidade do orgasmo feminino, obviamente…

Plágio, um fenómeno de Outubro

photo_dp1

Da esquerda: edição de Outubro 2008 da revista francesa de fotografia Photo. Capa Gysele Bundchen (agence IMG), fotografada por Patrick Demarchelier. Da direita: edição de Outubro 2009 da revista portuguesa de fotografia DP – Arte Fotográfica. Capa com produção exclusiva de Bernardo Coelho (FHM, Playboy, etc…) para a Vega Studios. Modelo: Ana Lúcia.

Plágio por plágio, roubei esta coincidência ao Denúncia Coimbrã. Bem, antes de roubar telefonei, e embora não atendido deixei um sms a avisar. Deve ter sido o que fez Bernardo Coelho a Patrick Demarchelier. Esperou um ano pela resposta, e como quem cala consente, produziu. Eu é que sou um impaciente e republico já.