A reprodução no celibato

celibato        Quando falo de reprodução social, refiro-me à quantidade de recursos, bens e pessoas, que cada grupo social deve reservar para garantir a sua continuidade, bem como o conhecimento com o qual se organiza a relação entre pessoas e coisas e a sua gestão. A reprodução dos homens é um processo ligado aos bens, um sistema complexo, no qual a forma em que os bens são possuídos é parte da conjuntura histórica que define a estrutura em que os homens são feitos. Este facto acaba por explicar, na minha opinião, a coexistência de duas formas reprodutivas dos seres humanos: o casamento e o celibato. Do primeiro provém a filiação vinculada aos bens; do segundo, provêm os filhos sem pai social, tratando-se de uma filiação não vinculativa aos bens e mantida num sistema de parentesco extenso, no qual o apadrinhamento é o laço que define o lugar social de cada um.

[Read more…]

A religião como teoria da reprodução social

casal namoradosUm ensaio com semelhante título deveria constituir um debate alargado e aprofundado de várias centenas de páginas. Os conceitos de religião e de reprodução social são, por si só, controversos, estando a proposta de trabalho que o título encerra em desacordo com as melhores hipóteses de estudo do campo religioso. Desde que Tylor (1871) e Frazer (1887), na perspectiva evolucionista e positivista (racionalista) do século XIX, decidiram que a religião era o preâmbulo da ciência, o tema tem sido debatido no campo do ideológico. As próprias contribuições de Marx e Engels (1844, 1846, 1867, 1878, 1892) abordaram geralmente a religião enquanto um conjunto de representações que desaceleram a passagem de uma a outra forma de trabalho na história dos povos. Durkheim e a tradição que fundou, prolongada em Malinowski, Radcliffe-Brown, Mauss e Lévi Strauss, separam do campo do quotidiano os assuntos que constituem matéria de acções e pensamentos que são criados mas não entendidos.

[Read more…]

As minha memórias – 4 – Produção rural

Casa de inquilino no Chile e na América Latina

O título da música que aparece neste capítulo, não é parte do texto que pretendo lembrar. Refere-se a uma batalha denominada Guerra do Pacífico ou de Arica, que narrei noutro capítulo destas memórias. Porém, demos uma «espreitadela» a esse dia 7 de Junho de 1880, em que os chilenos assaltaram uma rocha de 150 metros (as restantes dimensões desconheço-as) de altura sobre o nível do mar. Morro de granito sem outra entrada que pelo costado sul da praia de Arica, o lado peruano. Os chilenos, determinados a entrar no Peru, não tinham outra alternativa senão escalá-la pela íngreme encosta chilena, com recurso a baionetas e cordas. Após várias horas de luta, os chilenos conseguiram tomar posse do morro, esse outeiro arredondado e insulado. A Batalha de Arica, também conhecida como o Assalto e Toma do Morro de Arica, enfrentou à República Peruana contra a República de Chile no sul do Peru. A luta foi cruenta, sendo o campo de batalha a cidade de Arica em Junho de 1880.

A historiografia peruana considera a batalha a mais dura de todos os enfrentamentos ocorridos desde o 27 de Maio hasta o 7 de Junho de 1880.

[Read more…]

%d bloggers like this: