Mãe

 (adão cruz)

Mãe a palavra universal a palavra mais consensual da humanidade

Nem Deus… Deus é de uns e não de outros Deus é conceito de muitos e negação de outros tantos

A mãe não a mãe é de todos sem excepção

A mãe é de todos e é só nossa a mãe é do crente e do ateu a mãe é do pobre e do rico do sábio e do ignorante

A mãe é dos poetas dos filósofos e artistas dos bons e dos maus a mãe é do amigo e do inimigo

Não há mãe de uns e não de outros não há ninguém sem mãe não há mãe de ninguém

A mãe é de toda a gente a mãe é de cada um a mãe é do mundo inteiro e do nosso mais pequeno recanto

A mãe é do longe e do perto da água e do fogo do sangue e das lágrimas da alegria e da tristeza da doçura e da amargura da força e da fraqueza

A mãe é certeza e aventura é medo e firmeza dúvida e crença a haste que se ergue no céu ou se aninha rente ao chão para que a morte a não vença

A mãe é a outra parte de nós

Sem mãe somos metade sem mãe nada é exacto igual a um igual a infinito onde se tocam princípio e fim onde os tempos se encontram sem tempo presente passado e futuro

A mãe é tudo a mãe é de mais a mãe é o máximo

A mãe é a lágrima que não seca no sorriso que não se apaga a nuvem que chove no sol que aquece a mensagem da luz e da harmonia e dos acordes matinais com que abre o nosso dia

A mãe levanta-se no orvalho das lágrimas da noite e mesmo cansada não perde a voz nem a cor da madrugada

A mãe é a voz que se não teme a voz que se confia a voz que tudo diz nas consoantes do grito nas vogais do silêncio nos abismos da agonia

Mãe

Primeira palavra a nascer a última palavra a morrer a mãe é sempre a mesma a mãe nunca é outra na sua infinita diferença

A mãe é criação a mãe é sempre o fim da obra-prima inacabada a mãe nunca é ensaio nem esboço nem projecto

A mãe é um milagre no milagre do mundo o único milagre concebido neste mundo real e concreto

Chora para que outros riam ri para que a dor a não mate mistura-se com a luz das estrelas para vencer a escuridão devora as nuvens por um raio de sol

A mãe é beleza e poesia aurora fulgurante aurora adormecida a mãe é bela porque é simples a mãe é simples porque nasce da silenciosa lógica da vida

A mãe é o que é a mãe é a fragilidade da semente a força do tronco a beleza da flor a doçura do fruto o dom de renascer

A mãe é tudo numa coisa só

Amor

(eurodeputada italiana Licia Ronzulli)

Comments

  1. Maria says:

    Mãe, é toda a mulher que dá sem receber nada em troca, quer seja aos seus próprios filhos, quer seja àqueles que lhe foram entregues, pela vida, para educar e amar.

  2. MAGRIÇO says:

    Lindo! Mas não posso deixar de pensar que, infelizmente, há mães que não se podem incluir nesta idílica descrição. É verdade que são uma minoria, mas para uma sociedade saudável uma já seria demais…

  3. maria celeste ramos says:

    Um dia li uma frase linda – se quizerem saber o que é o amor de Deus olha o amor de Mãe – eu tive uma mãe de quem ainda hoje que já a não tenho, aprendo agora e há anos o que nem consegui ver quando a tinha – e continuo a aprender quando penso nela – e penso tanto – penso sempre – estou “cheia dela” no que sou – há um verso de fado que diz – Eu vi minha mãe rezando aos pés da Virgem Maria Era o Santa rezando o que outra Santa dizia

  4. maria celeste ramos says:

    Era uma Santa escutando o que outra Santa Dizia – perdão enganei-me na letra


  5. Belíssimo texto, caro Adão!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.