Das duas uma:

Ou o Pingo Doce vendeu abaixo do preço de custo e isso é crime, ou então nos outros dias todos anda a roubar os portugueses e isso também é crime.

Qual é a sua opção?

E não me parece que tenha sido o fim do mundo! O fim da vergonha ainda estou como o outro… Ainda bem que o Pingo Doce é uma empresa holandesa.

A baguette de Hollande

Após a fragorosa vitória na guerra de 1870-71, Bismarck sabia bem o que dizia, quando considerava a hipótese de uma restauração da Monarquia francesa um imediato casus belli. Tinha as suas razões para apostar no sempre instável regime republicano e as décadas que decorreram até à I Guerra Mundial, foram pontilhadas de casos que alternavam tentativas de feitos espectaculares no ultramar, com os aspectos mais sórdidos do período dito liberal. Se a grande Guerra propiciou a União Sagrada que fez frente aos Impérios Centrais, logo os anos vinte e trinta fizeram regressar aquele clima de não declarada guerra civil, esse fervilhante viveiro que ditaria uma vez mais,  uma rápida e clamorosa derrota frente à Wehrmacht. Nas duas derradeiras décadas do século XIX e no período da Belle Époque, deram brado os casos do general Boulanger, o embraçoso episódio Dreyfus, as constantes ruínas empresariais e escândalos financeiros, a total capitulação que os ingleses impuseram em Fachoda – esse sim e que ao invés do “nosso”, consistiu num Ultimatum com perdas bem reais – ou a deriva populista que encontrou na Igreja o alvo ideal, enfim, alguns episódios bem conhecidos e que para os cem anos seguintes permaneceram presentes na discussão da coisa política em França. Continuar a ler “A baguette de Hollande”

E compraram camisinhas?

Ao ouvir a reportagem na televisão, com as repetidas perguntas sobre o que tinham os entrevistados comprado, havia uma questão que não me saía da cabeça. A quem é que raios interessa que a senhora Mirculina tenha comprado fraldas, óleo e alcachofras? Grande jornalismo, sem dúvida.

José Mattoso: a lição da História

José Mattoso, como muitos homens sérios, tem levado a vida a passar despercebido. Numa sociedade em que tudo se discute e em que todos discutem, é natural que haja demasiado ruído. Nesta entrevista, em contraste com esse mesmo ruído, é quase possível ouvir o timbre discreto da voz de um homem que sempre revelou uma enorme serenidade, o que não é incompatível com a clareza e a frontalidade.

Procurando não ser reaccionário, pratico um conservadorismo desconfiado, face a um mundo que ignora ou parece ignorar o valor da História como mestra da vida. Desde que, há uns anos, me apaixonei pela Idade Média, José Mattoso tornou-se uma referência fundamental. Hoje, e não só graças a esta entrevista, Mattoso é muito mais do que um medievalista; é um homem lúcido que reafirma o óbvio, como se pode confirmar nesta citação: “Os interesses corporativos viciam a democracia. O “governo do povo” não defende os direitos dos pobres e excluídos. Favorece quem já tem poder.”

Maias à porta no 1º de Maio

Na minha vila, ainda se colocam as maias à porta. São mais as casas com elas que sem elas! É bonito de ver. Também eu as fui apanhar… Ainda conheci um ribeiro aqui perto e ouvi a àgua correr nele…
As ‘maias’ são giestas de flor amarela que florescem em princípios de Maio e como que anunciam a chegada deste mês, define o Dicionário da Língua Portuguesa.
Não as sabia tão macias. («Macias» sem c lê-se maias, reparo agora na coincidência).

Continuar a ler “Maias à porta no 1º de Maio”

Como é que se luta contra estas políticas?

São quatro da tarde. Se tudo estiver a correr como o previsto, estou na Avenida dos Aliados. Deixo o post prontinho a sair para acompanhar os que ficaram em casa.

Do outro lado do Rio, aqui ao lado, em Avintes, nasceu a 9 de Abril de 1942, Adriano Correia de Oliveira que deu voz às palavras de Manuel Alegre na “Trova do vento que passa“:

“Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não”

E estas palavras explicam o que nos vai na alma hoje. Não tenho, não temos grandes soluções para o país apesar de me ter atrevido a deixar algumas dicas.

Resta-nos esta FORÇA de dizer NÃO!

May Day

(Photo by Lee Lockwood//Time Life Pictures/Getty Images)

The effectiveness of the state-corporate propaganda system is illustrated by the fate of May Day, a workers’ holiday throughout the world that originated in response to the judicial murder of several anarchists after the Haymarket affair of May 1886, in a campaign of international solidarity with U.S. workers struggling for an eight-hour day. In the United States, all has been forgotten. May Day has become “Law Day,” a jingoist celebration of our “200-year-old partnership between law and liberty” as Ronald Reagan declared while designating May 1 as Law Day 1984, adding that without law there can be only “chaos and disorder.”

Noam Chomsky. Necessary Illusions: Thought Control in Democratic Societies.Boston: South End Press, 1989, p. 29.

Dumping ideológico

Os supermercados da cadeia Pingo Doce estão caóticos neste 1.º de Maio graças a uma campanha lançada pela Jerónimo Martins em que compras acima de 100 euros têm um desconto de 50%. in Sol

Depois dizem que os sindicatos é que convocam greves políticas.

Nojo

O respeito que os nossos líderes nos merecem está ao nível do meu subsídio de férias. Ou melhor, porque isso poderá ser um exagero. Está ao nível do meu subsídio de natal. Deste ano. Ou melhor, deste e do próximo e do que virá a seguir e do outro que vem depois e, talvez um dia, ao ritmo da chuva pedida a Deus pela ministra, chegue uma migalha por ano até o pobre ter o pão todo.

Estes líderes são um nojo e merecem o nosso mais profundo vómito! Por vós, saio à rua!  Hoje, na Avenida dos Aliados, vou gritar – vão TODOS para a PQP!

Hoje dá na net: Adeus Lenin!

Inspirado em um período importante da história cultural da Europa – a queda do Muro de Berlim e a reunificação das duas Alemanhas – Wolfgang Becker usa como pano de fundo personagens reais como Erich Honecker, que governou a RDA (ou Alemanha Oriental) de 1971 a 1989; Mikhail Gorbatchov, o derradero líder (1985-1991) da URSS; Helmut Kohl, primeiro chanceler da Alemanha reunificada, e Sigmund Jähn que em 1978 tornou-se o “primeiro alemão no espaço”: foi um dos tripulantes da espaçonave soviética Sojus 31.

Legendado em português, ficha IMDB