Maternidade Alfredo da Costa: Hora de decidir

Existem bons argumentos para se ser contra o encerramento da Maternidade Alfredo da Costa. Como existem tão bons ou melhores argumentos na defesa do seu encerramento.

Nem vale a pena referir aquele dado numérico: em Lisboa, hoje, existe uma capacidade instalada (Hospital de Loures, Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, Hospital S. Francisco Xavier, Hospital D. Estefênia) superior a 13 mil partos, a qual é excessiva relativamente à realidade de nascimentos ocorridos na região. Já para não falar na capacidade potencial de partos das nove maternidades da grande Lisboa: 28 mil partos!

Só perante estes valores, fica provada a necessidade de racionalizar recursos. Depois, temos os dados técnicos: o Grupo Técnico da Reforma Hospitalar considera, unanimemente, que a MAC não faz sentido não tendo capacidade nem financeira nem humana para se manter e que o que lá é feito pode ser perfeitamente realizado noutros locais. [Read more…]

Um velório tipo sapataria, à medida do pézinho

Fernanda Câncio tem uma nova causa: funerais à sua medida. Luís Rainha consegue escrever sobre o nojo dos outros. Eu não.

A credibilidade deste governo atingiu o zero, mas da escala de kelvin

Subsídios serão repostos ao ritmo de 25% por ano a partir de 2015

Isto corresponde à n-ésima variante sobre o mesmo tema das calendas gregas. Tenho vergonha deste país que carrega parte da população com o fardo de pagar uma muito maior parcela da escandalosa nacionalização do BPN e do miserável buraco da Madeira. Ainda para mais com o enorme desplante de permitir à nobreza da função pública, a administração de topo, ter regimes de isenção destes cortes (já vai em 14!). Os erros foram cometidos por uns poucos, poucos estes que foram eleitos por muitos, e vai ser pago por uns poucos também.

Quando havia o escudo estes buracos também aconteceram muitas vezes. Mas, então, a desvalorização da moeda era o machado que a todos cortava o poder de compra por igual. Lembro-me, por exemplo, de haver depósitos a prazo que pagavam 18% ao ano, tal era a inflação. Agora, que esse algodão de limpar nódoas da má governação se foi, sobra-nos a sabedoria de Mazarin.

E não sou funcionário público.

O campeonato ainda não acabou

Académica de luto frente ao Sporting. Porque para haver justiça todas as equipas com 3 meses de salários em atraso deveriam ser penalizadas.

Para acabar de vez com o 1º de Maio

O ano passado foi o que seu viu. Este ano mais um grupo de hipermercados quer abrir as portas.

O Primeiro de Maio nasceu com a luta pelas 8 horas de trabalho (sim, trabalhar de sol a sol não é uma invenção recente, era assim até ao séc. XIX). É o dia em que se celebram os direitos dos trabalhadores em todo o mundo, logo faz todo o sentido que se acabe com ele e que à frente desse combate estejam as grandes distribuidoras, as primeiras a usufruírem das flexibilizações de horários que cada revisão das leis laborais vai incrementando. Para eles vale tudo. A quem queira ser solidário valerá não meter lá os pés. Não é nada consigo? quando lhe cair em cima, e não falo do fim de mais um feriado, falo do regresso à selva laboral, vai ver que é.

Dia do Trabalhador

Amanhã é feriado, Dia do Trabalhador. 

Há mais de cem anos que se comemora este dia, mas ainda há muito a fazer na defesa dos direitos do trabalhador, que parece estarem a perder-se, ao invés de serem reforçados e respeitados. Andamos para trás… 

É difícil não pensar, sobretudo, naqueles que perderam o seu trabalho. Recordo os números do desemprego no último ano: em Maio de 2011, previa-se que subiria para os 13% em 2012; em Novembro de 2011, atingia-se os 12,6% e previa-se os 13,6% para 2012; em Janeiro 2012, já estava nos 14, 8% e, no mês seguinte, nos 15%, número redondo.

Felizes os que (ainda) têm trabalho.

Felizes os que podem trabalhar.

Felizes os que gostam do que fazem, apesar de tudo.

Foto de Lewis Hine

A democracia em Portugal está perfeitamente consolidada

É o que dizem, o problema são as falhas sísmicas. Myriam Zaluar conta um caso verídico do ponto de vista de uma mulher qualquer. Onde o dinheiros dos seus impostos é gasto para desconsolidar a democracia. Ou acabar com ela.

Reposição de subsídios será total em 2015

Vítor Gaspar declarou que os subsídios de férias e de Natal serão repostos ao ritmo de 25% por ano, a partir de 2015. O Zandinga que há em mim vê o futuro de outra maneira: os subsídios serão totalmente repostos em 2015 e haverá aumentos salariais, independentemente do “espaço orçamental”, esse estranho espaço cuja área aumenta estranhamente em ano de eleições. No ano seguinte, o governo PS-PSD-CDS retomará o plano de emagrecimento do Estado, à custa do empobrecimento dos cidadãos.

Dia Internacional do Jazz

Celebra-se hoje, pela primeira vez, o Dia Internacional do Jazz, uma proposta bem sucedida do músico e compositor, Herbie Hancock, considerado um dos mestres do Jazz.

A Unesco defende que o Jazz é uma expressão musical que “pode derrubar barreiras e simboliza a paz e a unidade”. (A música em geral).

Na Música, não há passado nem presente. No Jazz, podemos assistir ao encontro harmonioso entre J.S. Bach (1685-1750), J. Loussier e Bobby Mcferrin:

Vítor Pereira acredita em Jesus

Vítor Pereira: “Hei-de dar a este clube muitos mais títulos”

AntiDeuteronómio I

  (Javier-de Juan-Creix)

A cidade está deserta por dentro e por fora de nós começa a não haver vivalma neste lusco-fusco brumoso neste irracional azul de um céu de chumbo nesta descrença de manhãs de sonho em bicéfalas e bárbaras bandeiras de um mundo informe e medonho [Read more…]

Carta do Canadá – As palavras proibidas

Quando assentei  praça no jornalismo, no século passado, a comunicação social era mantida,com trela curta e açaime, pela censura. Esta era uma coisa misteriosa, sinistra e caricata, personificada por uns coronéis tarimbeiros sobrados do 28 de Maio de 1926. Eram engraçados,os coronéis da censura. Um grupo de universitários que eu conheci, pontificado por um que veio a ser médico em Moçambique, resolveu editar uma revista, isto em Coimbra, para o que montou um elaborado plano de pega de cernelha à censura. Como o militar que naquela cidade chefiava a censura ia todos os dias tomar a bica à mesma hora, a rapaziada foi-se-lhe chegando, mansa e sonsa, numa conversa mole que encantava o tropa. Quando acharam que o bicho estava pronto para a pega, apareceram-lhe com as provas da revista para a censura. O coronel passou os olhos pela prosa, achou aquilo inocente como o chá de tília e assinou de cruz. A coisa ia andando neste remanso. A pouco e pouco, como quem não quer a coisa, eles começaram a meter umas poesias, daquelas em que verdade rima com liberdade, pão com revolução, e assim. E o tropa sempre a assinar de cruz.  Até que caiu o Carmo e a Trindade: o coronel foi questionado e apertado pela Pide por causa da revista dos rapazes. Quando eles se abeiraram, prazenteiros, da mesa do tropa, este atirou-lhes à cara: [Read more…]

Abençoados BPN e Alberto João

Por vossa arte e com o apanágio dos que em 2010 estipularam as colectas e respectivas deduções, este ano não só não vou receber IRS de volta como ainda vou pagar o dobro do que costumava receber. Obrigado, ó filósofo parisiense, por tão belo presente para os que cá ficaram. Felizmente que este esforço adicional vai para duas nobre causas como o BPN que nacionalizaste e para a ilha dos que agora governam.

Azar meu, claro, não ter comprado carro eléctrico nem equipamentos de energias renováveis, nem ter melhorado a classificação térmica da minha casa que sempre  via parte da factura paga em deduções à colecta   (ver aqui e aqui). Os luxos são para quem pode e se todos pudessem deixava de ser luxo.

Hoje dá na net: Piratas!

O outro lado da pirataria somali, ou de como convêm ver os acontecimentos de vários ângulos para se formar uma opinião sobre quem são realmente os piratas.

Realizado por Juan Falque. Legendado em português.

NO PÚBLICO DE HOJE

No PÚBLICO de hoje. Boa leitura.

Os nomes dos meses: Abril na CPLP
Por Francisco Miguel Valada

Peixe Pequeno

Uma rede que apanha peixe pequenino, consegue apanhar tubarões?
Façam-me rir, vá.

Parabéns Porto

O FCP ganhou outra vez. Recordo um post escrito há três anos, nos primeiros tempos do Aventar.

Quanto a este ano, faço minhas as palavras do Mister Jesus:” Quem vence é porque tem mérito. O FC Porto é o vencedor do campeonato.” E na TSF a melhor da noite – diz um adepto na Invicta que o Deco foi o melhor jogador do Porto este ano.

Rouba mas faz

Esta frase faz parte dos hábitos de uma população que desvaloriza a ética e que, portanto, nunca tem problemas em eleger ou reeleger políticos que não escondam, ou que escondam mal, o recurso a meios ilícitos ou menos lícitos para, como é costume dizer, “fazer obra”.

O cidadão nem sequer se preocupa em negar que o seu político tenha ultrapassado orçamentos ou recorrido a maiores ou menores corrupções: desde que seja da sua cor, qualquer atropelo à honestidade é compreensível “porque fez muito pela nossa terra”. Para além disso, há sempre outros que fizeram o mesmo ou pior, desculpa habitual no mundo infantil dos países em que a corrupção faz parte do carácter nacional.

Alberto João Jardim, esse Sócrates sem Paris, é o mais português dos políticos portugueses, porque, na realidade, ninguém pode negar que tenha realizado obra.

Os donos de Portugal

Tinha lido sobre o assunto e despertou-me suficiente interesse para que esperasse pela estreia do filme “Os donos de Portugal“. Achei-o interessante mas como documentário pareceu-me fraco. Opta sistematicamente por um ponto de vista em vez de apresentar os diversos pontos de vista e deixar o espectador formar a sua opinião. Assim é mais propaganda do que documentário. E isto apesar da componente factual. Mas isso faz parte da propaganda, misturar factos com teses. Por exemplo, um apenas, para o fim aponta a crise internacional como a razão do desmoronamento do sistema financeiro. Mas convenhamos, existem outras teses sobre este assunto. Um documentário, que é uma peça jornalística, deve evitar tomar posição, sob pena de despromoção para peça propagandista. É pena, a teia de poder da sociedade portuguesa é um tema que merece ser devidamente ilustrado. E, perante esse conhecimento, que cada qual fizesse os seus juízos.

E porque se há-de arrepender quando a conta vai para os cubanos?

Alberto João Jardim não se arrepende de ter aumentado a dívida e diz que “não tinha, em consciência, o direito de deixar de aproveitar dinheiros de graça”. Tão de graça que até deixaram um buraco que parece o da camada do ozono.

O Trabalho

A dois dias de se comemorar o Dia do Trabalhador, apetece-me partilhar um poema de Gibran, intitulado O Trabalho (um dos poemas de O Profeta, escrito em 1923).

Kahlil Gibran não precisa de apresentações, mas gosto da que fez a revista Blue Travel em Janeiro de 2005, que não descreve Beirute sem mencionar o poeta libanês: “Um povo de apenas quatro milhões de almas unido pela frase «o trabalho de um bom cidadão é manter a boca aberta», de autor estrangeiro (Gunter Grass), mas incorporada na ideologia reinante como as palavras proféticas de Kahlil Gibran, o maior poeta libanês.”

O poema é muito belo, mas aviso que pode ferir susceptibilidades. [Read more…]

LA SALETE

Contos velhos, rumos velhos

Os tempos e os regimes mudam mas as motivações das pessoas mantêm-se. Le Diable Rouge é uma peça teatral de 2008, com autoria de Antoine Rault. O extracto seguinte, dela retirado, é um diálogo entre Colbert e Mazarin, passado noutro tempo e noutro lugar, no reinado de Luís XIV, em França. Mas bem poderia ter tido lugar hoje em Portugal. Ou em 2008 neste mesmo Portugal.

Colbert: – Para arranjar dinheiro, há um momento em que enganar o contribuinte já não é possível. Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é possível continuar a gastar quando já se está endividado até o pescoço… [Read more…]

TETRÁPODES

Rusgas em Barcelos

Festa das Cruzes, Barcelos, 2012.

Falta Cristo à Esquerda Solista

Pensar na Associação 25 de Abril e logo depois em Mário Soares, em Manuel Alegre e em Vasco Lourenço é pensar em indivíduos que genericamente têm mau perder democrático e, na generalidade, são broncos, nada mais que parasitas da política e do Regime. A vaidade que os penetra, especialmente ao sonso Ego-Rei de Soares, grande ávido de cargos e ainda maior fornecedor de bitaites social-comiserativos, cega-os. Haverá coisa mais antidemocrática que, por incompetência e malícia, arruinar-se um País?! Onde ou quando essas pedantes vozes de Esquerda se levantaram?!

Soares colaborou activamente com os pressupostos e antecedentes da bancarrota em decurso, talvez porque era extensa a clientela de beija-mão socialista a cevar-se no desastroso processo. Alegre beneficiou de um apoio cínico, lento e arrastado, do seu próprio partido às presidenciais, soarística e deliberadamente fadadas à derrota, e por isso calou-se, mesmo quando a iniquidade desgovernava e acabava de arruinar Portugal, coisa que ele bem conhecia. Vasco Lourenço é demasiado adicto e fiel ao Bridge, isso define bem as suas prioridades e a acuidade balofa dos seus pruridos tão recentes quanto insinceros. A nossa carga fiscal e a despesa do Estado foram absurdamente aumentadas muito antes de Gaspar e, que se saiba, só os apparatchiks socialistas é que enriqueceram largo, coisa de que é proibido falar, novo tabu do Regime, ocupado em ousar alguma coisa só na Madeira. Todo o Povo empobreceu.

[Read more…]

Cancioneiro Casa Nostra


A sempre irritada jornalista do ex-poder já ansioso por regrassar ao buffet, cita um fulanóide qualquer, não sabemos quem – o marido da Dª Rosete? -, talvez com intuitos condenatórios. Mas vamos então à trombeta da arauto:

1. “É altura de os Portugueses despertarem da letargia em que têm vivido e perceberem claramente que só uma grande mobilização da sociedade civil permitirá garantir um rumo de futuro.”

Qual é a dúvida? Acabaram-se os TGV’s, aeroportos à cata de terrenos “amigos”, centros comerciais à beira-Tejo, bunkers de contentores, BPN’s, pedincha atrás de pedincha no estrangeiro e ainda conseguimos fazer com que um certo caramelo fosse flanar à beira Sena. O 16ème é uma espécie de resort caro, mas num país tão desigual, ele e os seus estão do outro lado que pode, quer, manda e consome. O lado da casa nostra Câncio. Quanto a isso estamos descansados, não letárgicos. [Read more…]

Da nobreza no futebol

O futebol é mais do que um jogo, infelizmente. É um lodaçal feito de uma mistura de irracionalidade, negócios racionalmente escuros e agressividade também verbal, ou seja, de valores antidesportivos. É, portanto, raro encontrar, entre jogadores, dirigentes e treinadores, palavras ou atitudes nobres.

José Mourinho e Cristiano Ronaldo são profissionais extraordinários e estão entre os melhores do mundo, mas estão muito longe da nobreza de Guardiola ou de Messi, uma vez que raramente conseguem esconder o arruaceiro ou o vaidoso que estão dentro deles.

Guardiola foi, para além disso, um dos melhores médios que já vi jogar, discreto, inteligente, elegante (podem revê-lo, depois do corte). Como treinador, manteve as mesmas características e, mesmo na hora da saída, consegue ser grande, dispensando-se de inventar desculpas ou de criar fricções escusadas.

Messi, o profissional apaixonado, o atleta improvável, não esteve presente na conferência de imprensa da despedida e explicou: “Preferi não estar porque sabia que os jornalistas iriam à procura dos rostos de pena dos jogadores.” Também fora de campo, Messi é melhor do que Cristiano Ronaldo, convencido de que é perseguido por ser rico e bonito.

No nosso campeonato, Ontem, Sérgio Conceição, depois de ganhar em Braga, declarou que o empate teria sido o resultado mais justo. Leonardo Jardim, ao contrário da maioria, não fez referência a erros do árbitro.

O futebol é mais do que um jogo e torna difícil manter a serenidade e a elevação. Os que o conseguem devem ser elogiados, porque são esses que devem ser imitados. [Read more…]

“Queremos o futuro”

Pedro Noel da Luz©

Fala Pacheco

Quando ouço falar do “festim do crédito”, quem é que é responsável pelo “festim”? Quem deu a festa para recolher lucros, ou participou nela para ter vida mais fácil? A resposta justa é: pelo menos os dois. A injustiça da resposta é que só um aparece como “culpado” do “festim”, e só um lhe paga os custos. E se falarmos mesmo dos muitos milhares de milhões que constituem a dívida nacional, que hoje é apontada como um fardo moral para os pobres que “viveram acima das suas posses”, com esse plural majestático do “nós”, em “nós vivemos acima das nossas posses”, eles não foram certamente para o bolso das pessoas comuns que hoje lhes pagam o custo. Não foram os pobres, nem os funcionários públicos, nem a classe média baixa que fez as PPP. O discurso do poder é todo feito para culpabilizar os de baixo, enquanto quase pede desculpa para moderar um pouco os de cima. A resposta dos de baixo é uma rasoira populista e igualitária, que também não promete nada de bom para o futuro.

Há uns imbecis que dizem que falar assim é falar como o Bloco de Esquerda. [Read more…]

%d bloggers like this: