Água abaixo

Pedro Quartin Graça sabe do que fala. A intenção de privatizar a água, consistirá num clamoroso erro do governo e disso tenho pena de não me ter lembrado de dizer ao ministro Álvaro Santos Pereira. Se nos media, sector betoneiro-bancário, distribuição e energia, o empresariado atrelado ao Estado português é o que se sabe, imaginemos então este bem estratégico, a água que é o ouro do futuro, nas mãos de gente sem escrúpulos?

Consiste  numa incontornável verdade, a péssima gestão que o Estado tem demonstrado em múltiplos sectores da vida económica. O compadrio partidário, os abusos salariais e despesismo de representação ou o tradicional quero mando e posso do doutor-engenheiro-arquitecto “Valente Cunha”, desacreditaram o sector empresarial a cargo do poder instituído. Apenas bastaria tornar límpido o processo de nomeações para os cargos de gestão do sector empresarial do Estado – ainda há dias o Ministro das Finanças, às nomeações por concurso se referiu eloquentemente – e os problemas a que o país irritadamente tem assistido desde 1975 seriam mitigados de uma forma radical. Ò sector das águas é vital. Politicamente, a ser colocado na mão de privados – já imaginamos de quem, talvez até de empresas dos nossos vizinhos -, servirá como chantagem permanente, inesgotável fonte de prepotências e garantido desleixo no tratamento da mesma. Já bem basta sabermos muito acerca do escandaloso negócio das águas engarrafadas quase gratuitamente sugadas ao nosso subsolo e que depois de “recicladas” em locais bem identificados, são distribuídas e vendidas a preços de esbulho e sabores de discutível qualidade.

Em todo o mundo, a água já é uma arma estratégica de importância fundamental e o caso português torna-se ainda mais grave, devido ao facto de apenas fazermos fronteira com um Estado que não se tem revelado leal na gestão dos caudais dos rios comuns a Portugal e Espanha.

Transparência na escolha dos elementos de gestão e a preservação de um sector tão essencial como o petróleo é para outros países, eis o que a maioria sem dúvida deseja, base eleitoral do governo incluída.

Basta de loucuras. Já existem Balsemões a mais por cá.

Comments


  1. ÓTARICE
    .
    Não há necessidade do Estado possuir negócios do tipo cafés (etc), porque é fácil a um privado quebrar uma cartelização… agora, em produtos de primeira necessidade que implicam um investimento inicial de muitos milhões… (mesmo sendo inquestionável, todavia, na minha opinião, o facto de que é a iniciativa privada o motor do desenvolvimento económico) é uma ótarice deixar tais actividades estratégicas para a soberania à mercê dos privados!
    Exemplos:
    – roubalheira a ‘torto e a direito’: Portugal tem a terceira gasolina mais cara da Europa antes de impostos;
    – chantagens: a espanhola ‘Endesa’ decidiu chantagear o Estado português;
    – e mais chantagens: para que a Europa não caísse num caos económico, a dívida da Grécia a privados foi tranferida para os contribuintes (instituições públicas);
    – e… mais chantagens: economistas que aconselhavam a privatização da Caixa Geral de Depósitos… depois, para que a economia do país não caísse num caos, passaram a aconselhar (nota: e depois de terem sido desviados milhões e milhões!) a entrada do Estado em negócios “madoffianos”: nacionalização do BPN, Estado vai controlar posição accionista de 20% no BCP, etc.
    .
    .
    .
    Anexo:
    TOCA A ABRIR A PESTANA:
    – o cidadão não pode ficar à mercê de pessoal que vende empresas estratégicas para a soberania – e que dão lucro -, e que nacionaliza negócios “madoffianos” (aonde foram ‘desviados’ milhões e milhões).
    – Democracia verdadeira, já! -> leia-se, DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte).
    [veja-se o blog «fim-da-cidadania-infantil»]


  2. Privatizar a água seria um erro clamoroso se tal fosse feito por desconhecimento ou inépcia mas não é.
    O que o governo está a fazer ao privatizar a água é dar seguimento a um plano orquestrado há muito pela canalha que o controla.
    Privatizar a água nestas condições é um verdadeiro crime Lesa Pátria.
    Há que chamar as coisas pelo nome!

  3. maria celeste ramos says:

    O que é que Quartim Graça escreveu sobre a “privatização” da água ?? gostava muito de ter esse escrito – quem mo envia ?’ agradeceria muito – mcor

  4. Lagartices says:

    Iniciativa Legislativa de Cidadãos
    PROTECÇÃO DOS DIREITOS INDIVIDUAIS E COMUNS À ÁGUA
    http://www.aguadetodos.com/content/view/77/41/

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.