cenas da luta de classes

Maria Helena Loureiro

luta de classes

Iam sentadas à minha frente. As quatro muito direitas a agarrar as carteiras e os sacos. As quatro acima dos 60.

Uma delas usava perfume que se misturava com uma sugestão de lixívia. Falavam baixinho.

“Nunca vi uma casa com tanta janela!”, “E agora deu-lhe para querer uma limpeza geral ao sótão…”, “Se ela educasse a malcriada da filha em vez de me andar a moer o juízo…”, “Aquilo deve andar pelas ruas da amargura… fui dar com uma travesseira no sofá…”, “Ele entra mudo e sai calado!”, “Eu qualquer dia dou um pontapé no sacana do cão!”…

Patroas da R. Carlos Seixas e Bairro Norton de Matos, Uni-vos!
E, no entretanto, tranquem as portas.

Comments


  1. 100% sopeiral, como se diz na minha terra 🙂
    LOL


  2. ó Helena, tu sabes do que falas?
    Então a burguesia coimbricense habita no Bairro?

  3. Fernando Torres says:

    Nas sombras do que foi Coimbra.
    Hoje em dia mete dó ver esta cidade.
    O 7, é um verdadeiro laboratório de onde emana, depois das cinco, um cheiro a hipoclorito de sódio, em contrate com as fragrâncias que exalamos do Delce Vita ou no Atrium Solum.
    São umas labutadoras.
    Parabéns pelo texto.

  4. António Duarte says:

    Um retrato certeiro a uma cidade que viu desaparecer a pouca indústria que tinha e onde os hipermercados e centros comerciais mataram quase todo o comércio tradicional.

    Resta a “cidade de serviços”, e o post mostra os que mais têm florescido nas últimas décadas, os serviços domésticos e o respectivo exército de empregadas que diariamente afluem dos concelhos limítrofes para exercer a função…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.