Estado salva milionário do BPN da falência

Não é preciso acrescentar palavras, basta ler no DN:

Com uma dívida de 193 milhões de euros, Emídio Catum recebeu luz verde da Parvalorem para aderir a um plano de recuperação.

A nojeira resume-se a isto:

  • Emídio Catum,  através da sua empresa Pluripar, está entre os principais devedores do antigo BPN e, como tal, da Parvalorem.
  • A Parvalorem gere o buraco BPN. Por sua vez, Francisco Nogueira Leite, do grupo de Passos Coelho, gere a Parvalorem.
  • A Parvalorem deu luz verde ao Processo Especial de Revitalização, pedido pela Pluripar, isto é por Emídio Catum, para tentar contornar a falência. Ou seja, salvou a Pluripar da falência.
  • Em causa está uma dívida de 193 milhões de euros.

BPN, PSD e amigos: toda uma teia de interesses a minar o Estado. Estou a ser injusto – parece-me ouvir? Então porque é que neste caso o fisco preferiu a falência à recuperação? Há filhos e enteados, é isso?

Mais um caso para recordar de cada vez que o primeiro-barítono vier para a televisão com a cantiga do bandido. Ah e tal, os sacrifícios e o rigor.

Já agora, o negócio falido de Catum envolveu troca de terrenos, construção e futebol. É top.

Bem feito!

A defesa no processo Face Oculta tentou truques dilatórios, levou “multa”  de 408 euros e  vestiu a pele de hipócrita, pelo “receio de ameaça de condenação em custas”. Devia era levar vermelho, pelo penálti simulado.

Já agora…

É oficial. Por muito que custe a Passos Coelho & cia., começou a operação “Marcelo à presidência”.

Já se citam sondagens a mostrar a importância do homem e a evidenciar como uma chusma de basbaques anseia pelo Sr. Prof.. Por mim, modestamente – e só para minha edificação pessoal – requereria ao putativo candidato me informasse sobre uma – uma, não é pedir muito! – convicção que tivesse. Uma posição sobre qualquer coisa. Algo diferente do charco de tautologias onde costuma nadar, das habilidades retóricas que tanto impressionam os papalvos, dos truques com que afaga a preguiça mental dos seus ouvintes.

O manifesto da descoberta da roda

mud_1945

Mais um manifesto, é muito abaixo-assinado para o meu gosto, mas este certeiro, afinando da direita à esquerda o coro do óbvio: esta dívida pública não será paga.

Chama-se mínimo denominador comum da evidência denunciando o jogo da mentira e sua propaganda. Toda a gente o sabe, da nacional direita absolutista mais ou menos extrema aos próprios credores.Honrar os nossos compromissos, dito por Passos Coelho, o vigarista da formação em segurança nos aeroportos encerrados, não passa de propaganda, a máquina de propaganda que nos inferniza: apelar à honra para instalar a receita do não há alternativa, ou seja: destruir o estado social, privatizar a vida, reduzir Portugal a uma estância turística asiática da Europa, carregada de bons negócios  para os do do costume e a mais abjecta miséria para os habituais. Continuar a ler “O manifesto da descoberta da roda”

Finalmente, conheci o Igor!

1796611_3968491467422_1645662817_nÉ verdade, este menino por quem eu sentia muito carinho mesmo sem o conhecer, veio ao meu encontro no Domingo passado.

Quer dizer, ele não veio bem ao meu encontro, veio «caminhar» com os poucos, mas bons que se juntaram numa caminhada solidária que tinha por objectivo angariar alguma ajuda financeira para a família poder pagar as suas terapias diárias.

Tal como já tinha visto nas fotos, apesar de tudo o que, com os seus pequeníssimos dois anos e meio o Igor já sofreu, apesar de ter recentemente perdido o pai para a emigração, é de um sorriso fácil, é uma criança doce, é um amor de menino. Continuar a ler “Finalmente, conheci o Igor!”

A surpresa vem do Porto

vanessaNo campeonato nacional de voleibol feminino o Colégio do Rosário (Porto) está a ser a surpresa, que, em boa verdade era esperada.

Depois do fim da primeira fase, ficaram apurados para a fase final os dois finalistas da época passada – o Ribeirense (Açores) e o Leixões (Matosinhos) – o Belenenses (Lisboa) e o Colégio do Rosário (Porto).

Nesta fase as quatro equipas jogam todas contra todas, mas em jornadas duplas. Este fim-de-semana o Rosário venceu, em casa, os dois jogos contra o Ribeirense e o Leixões ganhou também ao Belenenses os dois jogos.

Faltam ainda seis jogos a cada equipa e por isso o espaço de manobra é pouco. O Rosário tem 28 pontos, mais 5 que o Rosário e mais onze que o Leixões. Assim, mesmo que o Leixões recupere 6 pontos (dois jogos em casa contra o Rosário) ficará a cinco e …

Contado que o Belenenses irá perder os seis jogos, a chave para a qualificação estará nos Açores onde o Leixões tem que ir ganhar  para ter alguma possibilidade de chegar à final.

Parece-me, no entanto, que a final está desenhada e por isso a minha aposta vai para um Ribeirense / Rosário.

Bombas fétidas

bombas fetidas
Todos as conhecem. São uma das mais detestáveis brincadeiras de Carnaval. Mas, nesta quadra, são a melhor metáfora para o início da campanha eleitoral quando queremos caracterizar os discursos de alguns protagonistas.

Lá aparecem as tentativas de revisão da legislação que regula o acesso aos media. Lá vêm os opinadores do costume, segundo a maioria dos quais tudo devia ser regido pelos famosos “critérios editoriais”, que, sendo as coisas o que são, dariam o resultado que todos adivinhamos. Para já, os do costume vão-se locupletando. Estou a admirar, sobretudo, a distribuição de papéis pelos vários actores.

Cavaco aparece hoje a fazer o mais pornográfico apelo ao “bom senso” dos portugueses para que estes votem nos partidos subscritores do pacto troikeiro. Os candidatos a candidatos a Belém desdobram-se em declarações de amor ao bloco central – já nem se preocupam em referir o CDS, que fará o que lhe mandarem para sobreviver. Seria, pois, de esperar, que os candidatos Dupont et Dupond – Assis e Rangel, bien sûr – se atirassem como gato a bofe a este eleitorado. Mas não. Continuar a ler “Bombas fétidas”