House of Cards – Da realidade #1

Unknown

Eu sou daqueles que fogem a sete pés das séries televisivas. O grande culpado é o House. Um dia tropecei no House num dos canais generalistas da nossa televisão (já não recordo se foi na Sic ou na Tvi). Fiquei viciado. Contudo, graças às interrupções para publicidade os episódios terminavam a altas horas da madrugada e no dia seguinte andava de pé com os olhos fechados. Um dia rompi com o hábito e deixei de ver o House prometendo não mais voltar ao vício.

Quando surgiu a série “House of Cards” foram vários os amigos que a ela se referiam e olhavam para mim como se eu fosse uma ave rara por não a ver. Mesmo explicando os motivos, eles não ficavam convencidos e referiam o facto de ser possível descarregar a dita pela net e blá, blá, blá. Resisti até ao dia que vi as caixas da 1º e 2º temporadas na FNAC.

Consegue ser mais viciante que o House. Principalmente tendo em conta que Frank Underwood (uma interpretação soberba de Kevin Spacey) me faz recordar uma série de “personagens” que conheci (e conheço) na política portuguesa – estes em versão mais amadora e menos brilhante. Frank não olha a meios para atingir os seus fins. Existe um momento na série que, na minha modesta opinião, foge ao espírito da dita e quase a estraga: a forma como termina a aventura da candidatura do congressista Peter Russo é lógica mas….pois, sempre um mas….a forma é errada. Os “Frank” desta vida não a realizam, mandam outros tratar do assunto. Tirando este “pormenor” a história de Frank Underwood é o espelho dos múltiplos “Frank” da política e estão em todo o lado, até em Portugal. E vamos tropeçando com eles ao longo da nossa vida.

Para quem gosta de política e nem sempre percebe o que se passa nesta, aconselho vivamente a série “House of Cards”. Não se vão arrepender nem dar por mal entregue o vosso tempo.

Comments

  1. Angélique Amorim says:

    Nao quero mais receber estes mails


  2. Deixei as séries televisivas na tv generalista nos 90’s. Aliás, deixei a própria tv generalista. Mas existe a Fox, com intervalos publicitários razoavelmente curtos. E apareceu o House. E também o Lost. Esta última chegou a ser motivo para adiar 2 semanas umas férias, permitindo assim assistir aos 2 últimos episódios da temporada. Mais tarde reflecti e também deixei as séries. Até hoje. House of cards munca vi. E nunca comprei qualquer box na FNAC, porque o vício pode regressar…


  3. Devia fazer parte das condições mínimas para se poder votar ter visto a serie três vezes.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.