Oh Jerónimo, francamente!

11141764_809356702491052_4987628384302809147_oUm dirigente político não tem descanso nas solicitações a que comente tudo e mais alguma coisa, seja em que lugar for, sejam quais forem as condições. E porque isso faz parte das obrigações que a sua condição impõe, ele corresponde e responde. A palavra é a sua arma. E como a comunicação, para que os jornalistas a divulguem, tem de ter em si alguma retórica mais exuberante – que, por vezes, resulta em grande, outras vezes, nem por isso -, a coisa nem sempre corre bem. Ora, tudo isto vem a propósito das respostas dadas pelo meu ilustre amigo e camarada Jerónimo de Sousa quando, durante uma uma daquelas entrevistas de passagem, caracterizando o PS, afirmou que aquele partido “não é carne nem peixe, é como que um caranguejo moído”; mais tarde, confrontado com esta declaração, deu ao nobre crustáceo uma caracterização mais, digamos assim, cinética: “o PS é como um caranguejo porque não anda para a frente nem para trás, anda para o lado”. Meu caro Jerónimo, se queres caracterizar o PS pela sua indefinição, a sua desorientação política e a sua incapacidade de ser, sequer, assertivo em alguma proposta, tens mil recursos estilísticos, analogias, metáforas. E animais sem fim. Mas o caranguejo? O insigne membro dos crustáceos, infraordem dos brachyura? Que inclui maravilhas zoológicas – e gastronómicas…- como a navalheira, a santola, a sapateira?!

Lá que digas que eles andam de lado, ainda vá. Na verdade, é o que eles fazem pois, com os seus olhos pedunculados, inseguro e prevendo o ataque de inimigos – imaginários ou reais – por todos os lados, vai-se deslocando lateralmente e, dir-se-ia, um bocado atarantado. Eu, que gosto de passear à beira-mar e tenho por mania observar, tenho forte convicção que o bicho anda de lado e, se não estou em erro, quase sempre da esquerda para a direita. Mas também – e isto é coisa muito mais séria! – os vejo na minha cozinha e, preparados a preceito – o que, em muitos casos implica reduzi-los à condição de “moídos”- podem atingir níveis de excelência que só os poetas estão em condições de exprimir. Não é por acaso que o nosso camarada Marx, que não se ficava perante as dificuldades de explicar as mais complexas questões, se conteve neste caso, quiçá por não encontrar palavras que fizessem justiça a tal iguaria. Quer dizer e para concluir: meu amigo, querendo criticar o PS, fizeste-lhe, com tal comparação, um elogio. Duvidas? Então vem daí comigo comer uma boa santola gratinada (e previamente…moída) e verás que tenho razão. Poderemos, então, escolher outros animais para futuras analogias.

Comments

  1. Rui SIlva says:

    A minha sugestão “animalesca” para o atual PS: Mula.

    cumps

    Rui Silva


  2. O Safio… Pois, a sua pesca necessita de alguns cuidados, pois permanece muito tempo vivo e a sua mordedura pode causar feridas de grande gravidade.
    É vendido fresco ou congelado e é cozinhado de diversas formas (caldeiradas, com arroz) embora o elevado número de espinhas não o torne especialmente atractivo….

  3. José almeida says:

    A Salamandra. Porque é anfíbio mas prefere viver no lodo. Pela sua capacidade de regeneração quando lhes é amputado um membro, e porque se alimentam especialmente de vermes. Não existe melhor ‘habitat’ que este país à beira mar plantado.

  4. ausente says:

    Para mim as chaputas sao uma delicia. Fritas nem vos conto.
    Se forem compradas num mercado de Setubal, Almada, Beja ou Atalaia sao boas. Se a chaputa for adquirida em Lisboa aquilo nem e’ peixe nem e’ carne.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.