Postcard from between Niagara Falls and Washington D.C.


‘You are all set to go’ or ‘welcome to the land of the free and the home of the brave’

Este slideshow necessita de JavaScript.

Levanto-me às dez da manhã em Niagara Falls, com a vista absolutamente delirante das American Falls, ali mesmo à minha frente. Tomo banho, constato que tenho cada vez mais borbulhinhas de que não sei bem a origem (alergia ao calor, provavelmente… nunca me tinha acontecido) e saio para tomar o pequeno almoço. Tenho de fazer o check out até ás 11h, por isso despacho-me e regresso ao hotel. Pago e fico um bocado no átrio, à espera que sejam horas do meu autocarro para Burligton, onde hoje apanharei o comboio para Toronto. Não havia comboios diretos à hora que pretendia regressar e esta foi a solução encontrada.
 
O taxista que me levou a mim e ao trambolho que me acompanha, agora já com muita roupa suja dentro, fez um caminho diferente do de ontem. Não me falou no Cristiano Ronaldo e conduziu em silêncio. Até que eu lhe disse que o caminho por onde seguíamos, junto ao Niagara Parkway primeiro e depois serpenteando o rio, era muito bonito. Disse que sim e que todos os dias fazia dezenas de viagens por ali mas que lhe era impossível não ficar embasbacado a olhar para as cataratas. É mesmo. São poderosas. Já o disse ontem. E maravilhosas. E torrenciais, como convém a cataratas.
 
Apanho o autocarro, em frente à estação de caminhos de ferro. A viagem dura cerca de uma hora. Em Burlington a estação está em obras e não é muito agradável. O comboio das 14h07 foi cancelado, anuncia uma voz mecânica aos passageiros da plataforma 3. Teremos de apanhar o próximo, às 14h37, para a Toronto Union Station. Para ali ficamos. Fumo uns dois ou três cigarros. Ninguém me recrimina. O tempo está agradável, sem estar muito calor. Corre mesmo uma vaga brisa na estação. O comboio chega. É diferente do que tomei ontem, o rápido para Nova Iorque. Mais tarde neste dia hei-de arrepender-me de não ter apanhado hoje esse comboio, ou amanhã. Mas agora ainda não. A viagem de comboio dura mais uma hora. É simpática. Sossegada. Dá para ir apreciando a paisagem. Adoro viajar de comboio, já se sabe. Lamentavelmente tomei uma decisão errada: voltar para trás, para Toronto e apanhar o avião para Washington D. C. no aeroporto Billy Bishop, no meio do lago.
 

Chego a Union Station e vou para o aeroporto imediatamente. Como não sou cidadã americana nem canadiana não pude fazer o check in online e por isso tenho de estar ali mais cedo. O aeroporto fica numa ilha do Lago Ontário e pode ser alcançado por ferry ou através de um túnel por baixo da água. Escolho este último caminho. Faz-se bem, tem tapetes rolantes, é fresco, largo, arejado. Faço o check in sem problemas, passo no controlo de segurança igualmente sem problemas. O aeroporto tem pouco movimento. Tudo corre bem, sinto-me bem, apesar da alergia que arranjei… Chego ao átrio do embarque depois de me ter deliciado com a vista deslumbrante sobre Toronto, desde o aeroporto. Há café, água, sumos, bolinhos, chá… tudo gratuito para os passageiros. Que coisa simpática, penso eu. O Canadá é mesmo um país civilizado. Em todos os funcionários a mesma simpatia, o mesmo respeito. Vou daqui verdadeiramente encantada com estas pessoas.
 
O encanto não me passa mesmo quando anunciam que o voo foi atrasado. Há raios e coriscos sobre Washington D. C. e por isso não se pode aterrar. Começo a ficar apreensiva. Vou comer qualquer coisa. Mais atrasos. O átrio minúsculo começa agora a parecer-se com uma feira, com as pessoas deitadas ou sentadas no chão, para além de todas as que estão sentadas nos sofás. Anunciam um atraso ainda maior no meu voo e em mais alguns (Boston, Nova Iorque…). Quero fumar, penso, mas tenho de sair, atravessar o túnel outra vez e regressar e passar de novo pelo controlo de segurança. Olho para o trambolho mais pequeno mas ainda assim pesado… depois para o homem com ar simpático sentado no sofá ao lado. Pergunto-lhe para onde vai, depois de o ter cumprimentado. Nova Iorque, responde. Mas está atrasado também o voo. Pergunto-lhe se me olha pela mala, porque quero ir fumar. Sorri e diz que com certeza. Lá vou eu a toda a pressa. Vou a meio do caminho e penso que na mala que o simpático nova iorquino está a tomar conta está todo o meu dinheiro americano, a minha máquina fotográfica, o meu tablet e dois ou três dos meus relógios. Respiro fundo e penso… bom… mas ainda tenho comigo o passaporte e os cartões. Temos de ser positivos. Mas fico com o sentimento que fiz asneira. Confiar assim a mala a um perfeito desconhecido só porque tem um ar simpático?
 
Em vez de um, fumo dois cigarros. Já que ali estou. As coisas, a ser roubadas, sê-lo-ão na mesma quer eu fume um ou dois. Portanto, sou neste momento a descontração em pessoa. Um. Dois. Regresso a refazer tudo: túnel, segurança, átrio de embarque. O homem ainda lá está. A minha mala ainda lá está. Claro que não verifico absolutamente nada. Mal me sento ele diz-me: ‘agora é a sua vez de olhar pela minha mala’. ‘Com certeza’, digo eu. Não sei onde ele vai, mas ali fico com a mala dele e a minha. Apalpo a última discretamente e parece estar tudo no seu lugar. Tudo o que consigo identificar. Claro, o homem não me ia roubar. Que ideia estúpida. às vezes parece que tenho a voz da minha mãe na cabeça, é o que é. Não se deve confiar em estranhos. Mas, na verdade, não tenho feito outra coisa na vida senão desobedecer aos ensinamentos da minha mãe. Especialmente a este. Algum dia aprendo que também nisto dos estranhos ela tem razão, aprendo da pior maneira… mas hoje ainda não foi esse dia. O homem regressa e agradece-me. Trocamos palavras e sorrisos de circunstância.
 
Finalmente o voo dele sai. Passado uma meia hora sai o meu. Está com duas horas de atraso, mais minuto, menos minuto. Chegamos a Washington D. C. às 10 da noite. O voo foi calmo, com uns relâmpagos ao longe e um rapaz judeu igualzinho ao Woody Allen, mas muito mais alto por companhia. Estou muito cansada. Penso que vou levar tempos infinitos na alfândega e canso-me mais. Chega a minha vez de passar. Mostro o passaporte e a declaração. ‘O que vem cá fazer?’, ‘Conhece aqui alguém?’, ‘para onde vai a seguir?’, ‘Qual é a sua profissão?’… ‘ponha aqui os dedos da mão direita, agora os da esquerda, tire os óculos, ok,… ‘you are all set to go’ e carimba-me o passaporte. Nem 5 minutos. Estou ligeiramente desapontada. Esperava um interrogatório tenebroso e, basicamente, o que me dizem é ‘welcome to the United States’. ‘Piece of cake’.
 
Vou para fora do aeroporto. Mais cigarros. Reentro e procuro um transporte qualquer. Vou numa shuttle partilhada. Custa um terço de um táxi e, depois destas coisas todas, é bastante melhor que apanhar um autocarro e depois o metro. Entro na carrinha e o motorista parece que está adormecido, recostado no banco. Mal me vê põe-se direito e cumprimenta-me. Estamos ali um bom bocado. Parece que está à espera para ver se há mais clientes. Chega um colega e põem-se a falar em francês. Sigo a conversa com atenção e quando o colega lhe diz que tem de me levar porque sou a única cliente, exclamo ‘voilá!’. Voltam-se os dois ao mesmo tempo para trás e o condutor pergunta: ‘mas é francesa?’. Que não. Mas sei um bocadinho de francês. A partir daí a viagem (cerca de meia hora) até ao hotel faz-se em francês. É dos Camarões, está nos EUA com a mulher há já seis anos, gosta do trabalho que tem e vai este ano pela primeira vez regressar à terra natal, de férias. Diz-me que já tem a cidadania americana: ‘je suis un citoyen des États Unis’ e di-lo com orgulho, com prazer, com felicidade. ‘The land of the free and the home of the brave’. Basicamente é o que ele sente. É também o que diz o hino americano. Faz sentido. Atrevo-me a perguntar-lhe em quem vai votar e ele diz que é ‘pour la femme’. ‘Hilary?’ pergunto eu, ‘oui’. ‘Je suis très contente que vous ne votez pas pour Trump’, digo-lhe genuinamente.
 
É quase meia noite quando me deixa à porta do hotel. Um pardieiro, se comparado com aquele de onde venho em Niagara Falls. A vida tem altos e baixos e as viagens também. São só duas noites. É limpo e tem ar condicionado. Não hei-de morrer por isso e, assim como assim, já estou cheia de borbulhas no corpo. So, for the moment, I am all set to go to bed. Amanhã faço o passeio turístico e esta sensação de que este hotel é um ‘shit hole’ (ok, o hotel é um shit hole’) há de passar-me. E depois de amanhã chegarei, hopefully, à Penn Station, Nova Iorque e a um hotel mais agradável, espero.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s