Paul Romer, o homem que falou demais

image

[Paul] Romer [Economista-chefe do Banco Mundial] told the Wall Street Journal that Chile’s recent slide in the index was almost entirely due to methodological changes that could have been politically motivated, and not by deterioration in the South American nation’s business environment.

Chile ranked as high as 34 under the administration of President Sebastian Pinera in 2010 to 2014, but as low as 57 during Bachelet’s two terms in office, which ran from 2006 to 2010, and from 2014 to now.

Chilean economist Augusto Lopez-Claros, who was in charge of compiling Chile’s ranking for the World Bank report, said accusations of political manipulation were “wholly without merit.” Chile’s recent rankings decline was due to other countries, including Mexico and Colombia, stepping up their efforts, as well as fully-justified and transparent methodological changes, Lopez-Claros said in an emailed note.

That wasn’t how Romer saw it. [Bloomberg,13/01/2018]

[Read more…]

Um homem é um homem e um bicho é um bicho.

Os factos que a seguir se relatam são verdadeiros e estão documentados.

No dia 18 de Setembro de 2017 respondi por email a uma oferta de emprego surgida no conhecido site Net-Empregos. O anúncio era anónimo, informando apenas que se tratava de um “conceituado grupo de Empresas de Engenharia e Construção localizado em Vila do Conde” que pretendia recrutar um Designer Gráfico.

No dia seguinte, de manhã, recebi um telefonema da responsável pelo departamento de recursos humanos da empresa, Ana Cunha, informado-me que eu tinha sido seleccionado para entrevista de recrutamento e dando-me conta que a entidade em causa pertencia ao Grupo Azevedos, tratando-se, mais concretamente, da Construtora Lucios, uma empresa com actividade pujante em todo o país na área da reabilitação urbana e em outras áreas da indústria da construção. Assim sendo, convidou-me a realizar uma entrevista no dia 21 de Setembro, nas instalações da empresa, convite ao qual obviamente acedi com entusiasmo.

Realizada a entrevista, fui convidado pela empresa, ainda no âmbito do processo de recrutamento, a fazer um “teste” que consistia na criação de uma “marca gráfica” que assinalasse os 75 anos de existência da Lucios. Este desafio foi lançado às 18h26 do dia 22 de Setembro de 2017, uma sexta-feira, e o trabalho deveria ser entregue até ao final da manhã da segunda-feira seguinte. Às 8h36 dessa segunda-feira remeti o trabalho concluído. Foi este:

No dia 26 de Setembro, pelas 18h56, a Lucios formalizava uma proposta de contratação, afirmando, no email que me remeteu com as condições contratuais, que “recebemos com bastante agrado a indicação que aceita este nosso desafio e que poderemos em breve contar consigo. Da parte do Grupo Azevedo’s e da equipa do Dep. de Marketing, tudo será feito para que tenha a melhor integração possível e que encontre na nossa organização uma carreira de sucesso.” 

No dia 2 de Outubro de 2017 iniciei o exercício de funções na Lucios. Como é normal nestas circunstâncias, a responsável dos recursos humanos da empresa informou-me em detalhe das regalias e deveres a que estava sujeito, fez comigo uma visita guiada pelos vários departamentos da empresa, apresentando-me aos outros colaboradores, incluíndo a administração.

Iniciei o trabalho no Departamento de Marketing, sob a responsabilidade de Ondina Machado, a directora de Marketing da empresa, que me tratou com toda a cordialidade e me foi pondo ao corrente dos vários projectos em curso, aos quais eu me iria dedicar.

Um desses projectos é o Mercado da Beira-Rio, um empreendimento cujo proprietário é a Câmara Municipal de Gaia e cujo projecto de reabilitação foi da responsabilidade da Lucios. A Lucios é igualmente detentora, juntamente com outra conhecida empresa, dos direitos de exploração desse equipamento. Acrescente-se que o Mercado da Beira-Rio é um dos mais importantes projectos que a Lucios tem neste momento e uma das mais significativas obras levadas a cabo pelo actual executivo da Câmara de Gaia.

Como é sabido, fui exonerado do cargo de adjunto do gabinete de apoio à presidência da Câmara de Gaia em Julho de 2016, na sequência directa de um artigo que aqui publiquei, e mantenho com o presidente da Câmara, Eduardo Vítor Rodrigues, um litígio judicial que aguarda julgamento. Esse facto não deixou de ser tido em conta quando aceitei a proposta de trabalho da Lucios, mas presumi que, tratando-se de uma empresa idónea, de prestígio nacional, ele em nada influenciaria as suas opções de recrutamento, feitas com base na qualidade pessoal e profissional dos candidatos e não noutro qualquer factor a isso alheio.

Depois de iniciar, a 2 de Outubro de 2017, as minhas funções na empresa, o trabalho decorreu com absoluta normalidade durante cerca de uma semana, momento após o qual a directora de Marketing, Ondina Machado, que é a responsável da empresa pela gestão do Mercado da Beira-Rio, propriedade da Câmara de Gaia, sem nenhum motivo que o justificasse deixou, praticamente, de me dirigir a palavra. Estanhando a mudança repentina e totalmente injustificada de comportamento, percebi que algo de mais grave e profundo se poderia estar a passar, pelo que decidi comunicar o facto, por escrito, a algumas pessoas cuja identidade, por agora, não vem ao caso. Disse-lhes que alguém estava a tentar prejudicar-me profissionalmente e a fazer chantagem sobre a Lucios para que me despedisse.

No dia 16 de Outubro de 2017, catorze dias depois de ter iniciado as minhas funções, enviei um pedido de informação à responsável de recursos humanos da Lucios, Ana Cunha, perguntando-lhe para que data estava prevista a assinatura do contrato de trabalho, que ainda não tinha sido assinado. Na resposta, Ana Cunha informou-me que o documento me seria entregue “nos próximos dias”.

No dia 18 de Outubro de 2017, pelas 11h48 recebi um email do departamento de recursos humanos da Lucios, dando-me instruções no sentido de me dirigir ao DRHU para “assinar o seu Contrato de Trabalho”, coisa que fiz de imediato.

A 26 de Outubro de 2017, oito dias depois de assinar o contrato de trabalho, fui despedido. A justificação que me foi dada pela directora de marketing, Ondina Machado, pessoa a quem coube comunicar-me o despedimento, foi que “não houve química”.

Não tenho, obviamente, qualquer prova material de que o meu despedimento se ficou a dever a pressões com origem na Câmara de Gaia, motivadas por sentimentos de vingança pessoal e relacionadas com o litígio legal que me opõe ao presidente da Câmara. Por não ter provas materiais desse facto, não posso afirmar que a Lucios cedeu à chantagem e às pulsões de vingança de Eduardo Vítor Rodrigues e que, por via dos interesses em causa no Mercado da Beira-Rio, me despediu oito dias depois de ter assinado comigo um contrato de trabalho.

Mas posso contar, e conto, esta história, que é verdadeira. Porque um Homem é um Homem e um bicho é um bicho.