O amianto é fixe!

Fotografia: Carolyn Kaster/Associated Press@El País

Dados indicam que, todos os anos, cerca de 15 mil americanos morrem devido a complicações de saúde causadas pelo contacto com amianto. Em Portugal, onde muitas escolas ainda conservam telhados feitos com esta fibra cancerígena, o jornal Público avançava, em 2014, que morriam cerca de 39 pessoas por ano.

Entretanto, na América estupidificada, o troglodita que governa defende que o amianto é 100% seguro e que os vários estudos clínicos feitos até hoje, que comprovam factualmente a perigosidade da substância, fazem parte de uma conspiração arquitectada pela mafia. Pena não haver por aí um grupo de mafiosos que o enfie numa jaula de amianto durante uns meses, para que o idiota perceba o quão seguro este material é. 

Sim, estamos nas mãos deste maluco. Um maluco que, apesar de tudo, tem uma significativa legião de fãs neste país, entre grunhos da extrema-direita, conservadores de fachada e liberais da treta. Um maluco sobre o qual o líder espiritual da maioria dos anteriores, São Passos Coelho, afirmou um dia que:

Nunca embarquei muito nesta ideia de que o novo Presidente norte-americano é tão mau, tão mau, tão mau, que representaria uma força do mal tão grande, que tinha de sair derrotada.

É natural que Passos pense assim. Afinal, ele faz parte do mesmo PPE que alberga fascistas como Viktor Orbán.

Comments


  1. Este senhor é muito mais divertido que o Bruno de Carvalho! Mas muito mais! Que por lá fique muitos e bons anos para termos algo com que rir todos os dias!

  2. Fernando Antunes says:

    Mais ou menos de há uma década para cá, deu-se uma ascensão vertiginosa, na América, de teorizadores da conspiração chanfrados, tipo Alex Jones, Steve Bannon, entre muitos outros — os quais existem e são influentes porque, deixemo-nos de tretas, servem a agenda política de sectores económicos importantes na sociedade.

    Se todos os factos são passíveis de ser negados, se todas as conclusões científicas mais não são que conspirações — o aquecimento global, a desflorestação da Amazónia, o próprio facto da Terra ser redonda (a Flat Earth Society, que existe ao abrigo do direito constitucional de liberdade de expressão de ideias idiotas, é hoje mais impactante nos EU do que seria legítimo aceitar) — então nada é real!
    O que abre uma caixa de Pandora de preconceitos, mitos, fanatismos, significando que a racionalidade e o juízo crítico perdem cada vez mais espaço (e poder) para a manipulação grosseira dos factos e das massas, levando aos Trumps e trampas actuais, e no futuro bem pior.

    Existiu uma outra época em que a negação da ciência era também a atitude dominante: chamava-se Idade Média ou algo assim…


    • Mas muitas vezes também é a própria “ciência” que se coloca a jeito para ser ridicularizada quando todos os anos vem com “provas científicas” totalmente opostas ao que defendiam no ano anterior.

      Só sobre o ambiente, primeiro íamos entrar numa era glaciar, era o arrefecimento global. Depois eram os buracos na camada do ozono que nos iam matar a todos. Mais recentemente afinal já é o aquecimento global. Como depois não se decidiram e não percebiam patavina do que se estava a passar, passaram a alargar o espetro e os cientistas já falam em “alterações climáticas” que serve para tudo e mais alguma coisa!

      Com este tipo de ciência que faz estudos, não para entender o planeta, mas para tentar provar as suas crenças ideológicas, colocam-se muito a jeito de serem atacados e ridicularizados. Tão ou mais ridicularizados que o Trump que protege a sua verdade que é o dinheiro.

      • Paulo Marques says:

        Isso é confundir a péssima cobertura noticiosa com a ciência. Sempre foram alterações climáticas globais, genericamente maior quantidade de fenómenos extremos… À 15 ou 20 anos é que começou a haver dados para afirmar com certeza que isso incluía aquecimento, que agora quase inevitavelmente chegará aos 3ºC.

        Quanto ao Ozono, quem o lê fica com medo de que qualquer dia as empresas voltam a usar CFCs porque têm uma legião de idiotas atrás a dizer que nunca causaram problema nenhum. E a seguir, quem sabe, voltar a usar dioxinas, porque a ciência só impede a liberdade.

    • Paulo Marques says:

      “Mais ou menos de há uma década para cá, deu-se uma ascensão vertiginosa, na América, de teorizadores da conspiração chanfrados, tipo Alex Jones, Steve Bannon, entre muitos outros ”

      Mere copycats!

      https://www.thenation.com/article/how-newt-gingrich-crippled-congress/
      https://medium.com/@CameronSadeghi/the-rise-and-fall-of-rush-limbaugh-9dd03103d1fe


  3. O Catedrático Passos falou…

  4. Whaleproject says:

    Tudo bem, o homem não será muito certo em contas de cabeça.
    Mas alguém o foi por lá? Quem? Obama o destruidor da Líbia? George W. Bush o destruidor do Iraque?
    E deste lado do mar? Quem tem água para se lavar? os que defendem a eutanásia como a solução para todos os sofrimentos do mundo em geral e de Portugal em particular? Uma barbaridade nascida na Grécia Antiga? As demoduras do Leste Europeu a começar pelo Viktor Orban? Os que lançaram um balde de miséria sobre nós e sobre a Grécia? O Macron e a sua tábua rasa dos direitos laborais e sociais?
    Deixem lá o homem, que em ele começando a bombardear a Coreia do Norte já todos começamos a pensar que ele é são. Não digo que o homem não seja mau, é certamente. Mas como não há muito melhores por aí, não vale a pena estar sempre a malhar no mesmo a cada nova maluqueira.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.