O triunfo da liberdade – VI


A 25 de Novembro de 1975 as posições mediram força, sem contudo cair na guerra civil que muitos temeram…

Comments

  1. JgMenos says:

    E assim se evitou a guerra civil.
    As armas vinham já a caminho de armar civis a norte.
    A comunada baixou os cornos mas mantém até hoje hostes prontas a reiniciar o carnaval revolucionário.

    Revolução dos cravos que matou muitos milhares em África e meia dúzia por cá.
    A ideologia adotada mais não fez que dar cobertura à grande traição às populações ultramarinas, ao abandono de soldados que lutaram sob a nossa bandeira, à promoção de uma camarilha que, à esquerda e à direita, até hoje mantém a mentira e o disfarce como trave maior do discurso político.

    Aos lacaios dos soviéticos e seus derivados ideológicos há que reconhecer o papel decisivo que tiveram em transformar uma revolta justificada numa nódoa indelével na História de Portugal, digna de ridículo se não fora trágica.

    • ZE LOPES says:

      “As armas vinham já a caminho de armar civis a norte”

      Ah! Ahhhhhh! Ah!Ah!Ah!

      Refere-se ao ELP? Foi um lindo bando de marginais que serviam, tanto a Direita como a Esquerda! Chefiado por um…”Mar Y Chal” que ganhou imensas guerras que, infelizmente, não ficaram gravadas! Talvez por falta de fita!

      A propósito: quem é que lhe pagou as contas nos hotéis?

  2. Torquato says:

    Este Menos continua tão burro hoje como ontem…
    Sabes lá o que estava em jogo…

  3. JgMenos says:

    O Rolha até trocava as palavras.
    A comunada, cumprida a missão em Angola, foi mandada calar para lhe assegurar a subsistência,
    O 25N safou-lhes a pele.

    Sempre se dão ares de no passa nada.
    Ainda não ganharam fôlego para comemorarem ‘o golpe reaccionário’.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.