Taxas e as taxinhas à direita

No hemiciclo, PSD, CDS e IL opuseram-se (o Chega optou pela abstenção, o que na prática vai dar ao mesmo) às propostas que determinaram o fim das comissões praticadas por alguns bancos nas transacções através da aplicação MB Way, para operações de baixo valor. E qual é a lição a reter deste episódio? Simples: que a direita portuguesa só é contra taxas e taxinhas quando as mesmas são colectadas pelo Estado, para garantir as suas funções essenciais. Se for para engrossar os lucros da banca, estarão, como sempre estão, do lado dos banqueiros. Uma luta comum de conservadores, ultraconservadores, liberais e extrema-direita. O cheiro até pode ser diferente, mas os donos daquilo tudo, com uma excepção ou outra, costumam ser os mesmos.

Comments

  1. Henrique Silva says:

    Sim, a mesma direita que se agarra às pérolas com as manápulas raquíticas enquanto grita “independência”!
    Independência para formatar tudo e todos segundo uma ideologia dogmática. Independência para usar e abusar de serviços públicos, tal como o parasita que é, mas contribuir para o seu sustento? Nem pensar.
    A direita chora pela independência do pobre português… mas apenas contra o malvado governo que insistem em cobrar impostos para pagar coisas inúteis e supérfluas, como saúde, ensino, segurança pública e justiça.
    A luta da direita é uma luta pela liberdade individual… de cada português em se sujeitar à sua programação. O governo, por mínimo que seja, é sempre intrusivo… excepto se o português sofrer de uma doença terminal e decidir optar pela eutanásia ou mesmo usar cannabis para lidar com o sofrimento. Ou se for uma portuguesa grávida de uma violação. Aí já é preciso proteger os portugueses, pois governo que se preze vela para que todos os seus cidadão consigam entrar no reino dos céus, mesmo que cada vez mais rejeitem estas parolices religiosas.
    Regular actividade privada que roça o comportamento criminal? Não, nem pensar. Lá está o governo a intrometer-se. Mas contratar médicos e professores? Não, isso é claramente coisa de ditador.
    A direita só vai aceitar qualquer tipo de regulação na banca se esta um dia permitir comprar erva ou pagar abortos pelo MBWay. Até lá, a banca pode bem decidir validar transferências bancárias atirando recém nascidos do 40º andar que a direita não se chateia. Desde que seja depois do 3º trimestre, Jesus já não fica triste.


    • Mas que tão cheio de razão!
      Pois não é que a direita não considera os portugueses um bando de coitadinhos que não sabem no que se metem quando compram casa ou se metem a endividar-se.
      Pois não é que a direita acredita que quem se priva de gastar o que ganha haveria de receber juros dos bancos, que haviam de ganhar dinheiro para lhos pagar?

      São uns monstros essa gente de direita que só a custo veem os tadinhos de que a esquerdalhada vê legião.

      • Henrique Silva says:

        Ui ui, essa banca tão generosa com os juros! É certo e sabido que Portugal anda repleta de malta que faz vida só com a fartura de juros que recebe, capitalizando naqueles milhões de euros que o típico português de classe média-baixa espera receber dos pais ou de algum tio-avô com vinhas no Douro. Não? Isso só acontece aos direitolas? A maioria dos portugueses tem contas tão magras que perdem mais em comissões e taxinhas da treta que ganham em juros? Ah, isso explica muita coisa sim.
        Pois, é muito fácil pontificar quando o próximo tio que falecer com Covid nos vai deixar 80 hectares de olival em Serpa de herança. Quando se nasce a 10 metros da meta na maratona da vida é muito fácil criticar os que são obrigados a correr cada centímetro dos outros 42. Ah, a falsa meritocracia imposta, olha, pela mesma direita que se fala aqui!
        Sei que é um grande choque aí nessa casa de cristal onde habita, mas a maioria das pessoas neste país tem que penar por tudo o que arranjam. Sei que é difícil de acreditar para quem nunca pagou uma conta de electricidade na vida, mas para alguns o carro leva uns anos a pagar. Outros há que levam décadas a pagar uma casa! E quando o fazem acabam por pagar 2 ou 3 vezes o valor inicial da mesma. Sim, sim, é um choque ideológico para o típico direitolas, mas o resto? O resto tem de trabalhar para viver. Sei que para o direitolas que gosta muito de opinar do que não entende, uma comissão do MBWay não faz grande mossa, até porque isso é ferramenta de pobre. Mas o resto? Alguém têm de engordar o cachorrinho para que as carraças conservadores continuem satisfeitas.

      • Paulo Marques says:

        O dinheiro das contas certas (sim, certas, aprovadinhas e tudo) vem de algum lado; se não é dos empregadores que fogem de pagar pelo que custam, se não é dos impostos de salários de treta, senão é da troca de pastéis de nata por petróleo, é de poupanças e dívida familiar. Contas, sabe o que são?
        Por muito que gostasse que a minha herança rendesse mais, não é difícil não ser uma besta que quer aumentar o KPI de desempregados sem abrigo.

  2. POIS! says:

    “Pois não é que a direita acredita que quem se priva de gastar o que ganha haveria de receber juros dos bancos, que haviam de ganhar dinheiro para lhos pagar?”

    Pois resta uma interrogação: e porque é que os bancos não os pagam?

    Patilhas Menos e o seu ajudante Ventoinha Mais vão investigar. O caso é grave e correm risco de vida, mas vão decifrar o enigma e apontar o culpado, que só pode ser esquerdalho.

  3. Luis Lavoura says:

    Bem, se a aplicação MBWay presta um serviço, parece-me adequado que esse serviço seja pago, não?
    Eu não uso essa aplicação, por isso não sei bem do que se trata. Mas, tal como os (alguns) bancos cobram comissões por (algumas) transferências, parece-me normal que a aplicação também cobre.
    As transferências Multibanco são gratuitas. Isso não é já suficiente para os utilizadores de MBWay? Se estão chateados por pagarem comissão com o MBWay, façam a coisa de borla numa caixa Multibanco…


    • Neste caso não é o serviço da aplicação MBWay o que está a ser cobrado. Trata-se apenas uma portagem, uma taxinha que os bancos impuseram para podermos dispor do nosso próprio dinheiro.

      PS: Os multibancos continuam a ser de bola apenas porque os bancos já derem conta que seria um desastre de relações publicas taxarem esse serviço.


  4. Não se esqueçam escravos boçais de abandonarem o uso do papel-moeda só porque estão em estado de pânico em relação a constipações e gripes e pneumonias, e adiram em MANADA a esses meios virtuais e sem contacto que depois vão ver como as taxas e comissões vos vão sugar o resto do tutano… Mas que vocês MERECEM, isto é um FACTO!

    • POIS! says:

      Pois estamos estarrecidos!

      Obrigado, vozinhaamuitobaixinhosdb! Desde que a Sarça Ardente apareceu a Moisés que a Humanidade não recebia tamanha revelação!

      O Dia do Apocalipse está próximo! Resta-nos orar ao sagrado papel-moeda para que amanhã não seja a véspera desse dia.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.