7 de março de 2020

Foi há um ano que fui ao futebol pela última vez. Já presenciei goleadas, já presenciei finais perdidas, já presenciei derrotas contra os maiores rivais… Mas nenhuma derrota é maior do que a tristeza de não te poder apoiar.

É muito mais do que futebol. É o clube, as cores, a cidade, o cheirinho a jogo, as bifanas, as conversas, o nervosinho, o bairrismo, as personagens… Este ano fez-me perceber que não sou propriamente adepto de futebol, mas sim adepto daquilo que o futebol nos dá. Mais precisamente o Futebol Clube do Porto. Quem sente um clube assim sabe que não dá para explicar ao certo o que é. Desejo que todos sintam algo deste género. Se nos faz feliz e não dá para explicar a razão, só pode ter um nome: Amor

Comments

  1. luis barreiro says:

    Sou Portista mas sinceramente ver os coitados dos sportinguistas serem campeões também me faz feliz. Merecem e são muitos anos sem beberem, o nosso FCP já fez um extraordinário extra-fronteiras futebol, mesmo que perca com a juve mostrou e elevou o nome do FCP, arrecadando muito dinheiro.
    Por isso este ano ser dinheiro para o FCP e o título para os coitados, concordo.

  2. Filipe Bastos says:

    Santo deus, Francisco, controle-se.

    Se declara amor a uma máfia de broncos tatutados que mamam milhões e se estão a borrifar para si, chefiada por um dos maiores mafiosos a oeste da Sicília, só porque lá come umas bifanas e cheira uns sovacos no meio da parolice geral, que dirá a sua namorada quando lhe declarar o mesmo?

  3. Paulo Marques says:

    Futebol, pá? É bom para perder 2 ou 4 horas por semana, sentir parte de algo em que nem temos que fazer nada, e voltar à vidinha. Já nem o bairrismo patriota, por assim dizer, tem valor, dado o dinheiro. E prefiro desportos menos viciados, com menos danos físicos, tipo, luta livre. /s
    Amor clubístico, só mesmo ao Marx.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.