Para o meu tio.

Na passada terça-feira, faleceu João Figueiredo, membro português do Tribunal de Contas Europeu. Foi Juíz Conselheiro do Tribunal de Contas, Secretário de Estado da Administração Pública, Diretor dos Serviços Prisionais, Presidente do Instituto de Reinserção Social, Chefe de Gabinete do Ministro da Justiça e Chefe de Gabinete do Secretário de Estado adjunto do Ministério da Justiça.

No meio de tanto prestígio, trabalho e mérito, João Figueiredo teve o azar de levar este rapaz que vos escreve como sobrinho. Irmão do meu pai, o meu Tio era um exemplo para mim. Pela capacidade de trabalho, pela forma como se preocupava com aqueles que o rodeavam, com a gestão de tempo que fazia… Acreditem: eu perguntava como é possível ele ter 24 horas apenas nos seus dias.

Cada dia que passa torna este vazio mais difícil de aguentar. Esta ideia de que não poderei voltar a desafiar os limites de pensamento com ele para ouvir um “ó Francisco Salvador”.

No meio de tanto dever que tinhas, cada momento contigo parecia que tinhas preparado durante anos. Vivias os momentos e sabias viver.

Ainda me lembro quando fui a Leverkusen alimentar o vício da bola. Estava em Colónia com uma amiga. Estavas no Luxemburgo com a minha prima e o namorado dela. Vieste do Luxemburgo a Colónia para nos buscar, fomos a Aachen e depois a Maastricht. Voltaste a deixar-nos em Colónia. O que nos rimos nessa viagem. Até o “Ana Maria” do Trio Odemira metemos para ouvir o verso fantástico “os beijos de mel que estavam cheios de fel”.

Mas ficaram muitos museus para vermos. Ficaram muitos monumentos para admirar. Ficaram muitas cidades para visitar. Ficou muita arte por ser interpretada. Ficaram muitas piadas por fazer.

E conselhos também, mas aí era diferente. Tinhas a capacidade de me colocar a questionar-me, sem que tivesses uma influência direta. Davas-me o teu ponto de vista, sem intenções que eu ficasse do teu lado. Ajudavas-me a apurar o meu espírito crítico. E discordávamos tanto. Gostava de discordar de ti. Gostava de te questionar. De ver a tua capacidade de criar pontes, de ver o outro lado e encontrar pontos comuns.

E foi um orgulho para mim ver tanta gente a dizer isto mesmo no dia da tua despedida. O impacto que tinhas nas outras pessoas é inqualificável.

Dedicaste-te sempre aos outros. Fosse no sofá da sala ou na mesa da cozinha, num ministério, num tribunal, na Igreja, em Portugal ou na Europa: foi sempre pelo bem comum. Estiveste do lado certo. Abraçavas as lutas certas. Não há voto de pesar ou bandeira nacional que tenha ido contigo que se aproxime minimamente aos ensinamentos que me deixaste. Vou-me tentar portar bem. Agora, por motivos de agenda, não dará. Mas voltaremos a estar juntos para comer uma sandes de salmão.

Obrigado, tio. Faz boa viagem.

 

Comments

  1. António de Almeida says:

    Um abraço, Francisco.

  2. Filipe Bastos says:

    Condolências ao jovem Francisco, mas quando se passa por tantos cargos – bons cargos – e governos, é inevitável pensar em certa conivência. Não digo que fosse o caso do seu tio, certamente um homem capaz, não um membro da escória pulhítica.

    E no entanto, esteve e prosperou entre ela. Já não vai a tempo de o questionar, ou talvez nunca o fizesse por gostar demasiado dele, mas é importante questionarmos: que faz gente séria entre chulos, pulhas e trafulhas? Como pode um homem honrado servir um sistema corrupto que só enche mamões e bandalhos?

    A vida passa depressa e estamos sempre ocupados a fazer por ela, raramente parando para pensar. Antes ser bem sucedido e ganhar bem, ninguém quer ser pobre. Podemos também iludir-nos a pensar que estamos a servir as pessoas e o bem comum.

    Daí, Francisco, ter de ser quem gosta de nós a ajudar-nos a parar e a pensar: que andamos a fazer? Que pulhas servimos?

  3. Paulo Marques says:

    Deixo as minhas considerações sobre o cargo de lado e deixo-lhe apenas as minhas condolências.