Otelo, liberdade e democracia

Há quem considere que Otelo foi um herói que, anos mais tarde, cometeu alguns erros. Mas Otelo não cometeu erros. Erro cometi eu, quando uma vez fechei a porta de casa com a chave metida na fechadura do lado de dentro. Já Otelo integrou uma organização terrorista que assassinou 17 pessoas, e isso não foi um erro. Porque os erros, como fechar a porta com a chave na fechadura do lado de dentro, são involuntários. Ou fruto de ingenuidade, de distracção. O que as FP-25 fizeram foi calculado, planeado, intencional. Hediondo. E a negação dos ideais de Abril.

Há quem considere que Otelo foi um simples criminoso. Mas Otelo foi nada menos que o cérebro da Revolução dos Cravos, a tal que nos libertou do fascismo opressor. Conspirou contra o regime, mobilizou militares e civis, correu enormes riscos, arquitectou o plano e dirigiu-o com genialidade, na noite de 24 para 25 de Abril, a partir do Quartel da Pontinha. Sem ele, a revolução que derrubou a ditadura poderia não ter sido possível. Com outro líder, é possível que a revolução tivesse sido sangrenta, que não foi. Otelo é, sem sombra de dúvida, um dos grandes obreiros de Abril. Da liberdade e da democracia. E o país, a liberdade e a democracia, devem-lhe muito.

Aqueles que odeiam a revolução, e, por conseguinte, odeiam Otelo, agarrar-se-ão ao período pós-revolucionário e, em particular, às FP-25. Com toda a legitimidade. Os crimes perpetrados pelas FP-25 não têm perdão. Os assassinatos, bem como as prisões arbitrárias e os abusos autoritários do Copcon não têm lugar numa democracia.

Aqueles que acreditam que a revolução foi traída, pelo 25 de Novembro e por tudo o que se sucedeu após o contragolpe, terão em Otelo um eterno herói, e justificarão os seus crimes como meios necessários para atingir um fim que ficou por cumprir.

Eu amo a revolução e estou eternamente grato ao Otelo que desempenhou um papel chave na libertação de Portugal da ditadura fascista. Mas também amo a liberdade e a democracia, e não perdoo aquilo que considero a traição de Otelo e das FP-25 aos ideais de Abril. Mas como não faço parte daquela esquerda que quer derrubar monumentos, obliterar a Igreja Católica ou a memória da monarquia, não farei julgamentos simplistas sobre Otelo. Otelo foi um herói de Abril e um criminoso pós-revolucionário, condicionado por um momento muito particular e conturbado da nossa história. Como o foram todos os reis, assassinos impiedosos desde D. Afonso Henriques, altas figuras da Igreja Católica, que torturaram, mataram e deram guarida moral aos mais variados assassinos, para não falar em séculos de atrocidades cometidas em nome dos Descobrimentos, que deram novos mundos ao mundo, escravizaram milhões, mataram milhares e cristianizaram à força outros tantos.

Otelo, independentemente de tudo isto, é uma figura central da história portuguesa. A mesma história que, a seu tempo, tratará de o julgar, como faz com todos os seus grandes vultos. Até lá, todos teremos igualmente o direito de o julgar. E é também devido à sua acção, devido a revolução que liderou, que o podemos fazer. Não existem revoluções perfeitas, e a nossa, naturalmente, não foi excepção. A minha divida de gratidão para com Otelo é eterna. Mas nunca o perdoarei porque nada, absolutamente nada, justifica o que as FP-25 fizeram. Porque não foi para isso que se fez o 25 de Abril.

Comments

  1. Francisco Miguel Valada says:

    A síntese.

  2. Filipe Bastos says:

    Porque não foi para isso que se fez o 25 de Abril.

    Também não foi certamente para encher o bandulho a pulhíticos e mamões, João Mendes. Mas é o que temos.

    O grande, o imperdoável erro das FP-25 foi vitimar inocentes: os donos do país continuaram incólumes e impunes, assim como os Mários Chulares que lho devolveram de mão beijada.

    Para eles é que fazia falta, hoje que mais nunca, umas FP. Sem violência, claro: só palavras, flores e boas intenções.

    Como o Mamão Salgado, que faltou ao julgamento e foi visto a passear na Sardenha. E não há quem lhe dê umas flores.

  3. JgMenos says:

    Antes do 25A já houvera o MAR16 do mesmo ano, e desse ninguém fala, e não estiveram à espera do Otelo.
    O 25A foi tudo menos inesperado, heróico ou fruto de alguma penosa clandestinidade revolucionária.
    Sem o protagonismo do Spínola e da cobertura que lhe deu o Expresso, e que culminou com o livro do Spínola, ‘Portugal e o Futuro’ nunca tinha ocorrido, e muito menos com o protagonismo de um qualquer Otelo.

    Mas o romance do 25A requer outras cores, em que a tragédia em África sempre é apagada,
    Otelo é a vedeta histriónica no romance.

  4. JgMenos says:

    ‘… séculos de atrocidades cometidas em nome dos Descobrimentos, que deram novos mundos ao mundo, escravizaram milhões, mataram milhares e cristianizaram à força outros tantos.’
    Já quantos aos romanos, há que dizer….Aiiii! que nem posso!

    IDIOTAS DE TODO TAMANHO!!!!

  5. Rodrigo Leão says:

    Fomos salvos das suas garras totalitárias pelo Herói Nacional Jaime Neves apoiado por Ramalho Eanes.
    Um terrorista da pior espécie, responsável directo por 16 assassinatos, um bebé incluido ( as FP25 mataram mais em termos relativos que os Baader-Meinhof), que acabou a dizer que acreditava que Portugal precisa “de um homem com inteligência e a honestidade do ponto de vista do Salazar”
    Enfim tudo a que temos direito…a mentalidade que nos coloca a todos os níveis na cauda da Europa sempre a precisar de esmolas…
    Rodrigo

    • POIS! says:

      Pois, e o tal “Jaime”…

      Foi responsável por quantos???

      • Abstencionista says:

        Senhor abade,

        Vª Exª argumenta com o número de mortos para ter razão?

        Confirma-se: V.ªEx.a é uma besta nazi!!!

        • Tal & Qual says:

          Imbecilidade em movimento, pergunta ao chefe Ventura quantos PIDES foram julgados e condenados por crimes de sangue ou se, sendo como é um justiceiro da melhor espécie, também queria que os que fossem culpados por crimes de sangue, ficassem com os cornos na cadeia até ao fim da vida.
          Seria justo, não seria?

          • POIS! says:

            Perfeitamente de acordo, mas há uma imbecilidade ainda maior no “comentário” do psicopata “Abstencionista”.

            Se se considerar que um morto é igual a um milhão, então o contrário também deve ser o mesmo, não é?

            As vítimas das FP-25, as da guerra da Síria, as da Batalha de Estalinegrado, as do Dia D, as do Holocausto, é tudo o mesmo, não é?

            Uns morteiros vindos da faixa de Gaza ou a Bomba H em Hiroxima, é tudo o mesmo, não é?

            Os alemães invadiram a França e a URSS. Isso justificou a resistência de franceses e russos? Porquê? Os mortos alemães são diferentes dos outros? Não é tudo o mesmo?

            Parece-me que estas “nuances” não estarão ao alcance de tamanho imbecil. Quem chama logo “besta nazi” ao autor de uma imaginária justificação da morte de alguém não deve mesmo ter noção das proporções.

            Bem, a partir daqui passo a estar descansado. Não deve haver insulto superior a este.

        • POIS! says:

          Pois não, não argumento.

          Não me pronunciei sobre as FP-25, que considero um bando, que seria de opereta se a história não fosse muito mais grave.

          Agora, não suporto vesguices venturoso-ideológicas.

          Pelo que devolvo a confirmação a V. Exa: é uma besta. Simplesmente besta.

          • POIS! says:

            Embora…

            Não haja surpresas.

            Fica sempre bem a um psicopata, como é o Abstencionista de Serviço, (presumo que hoje não é o de “franchise”) solidarizar-se com outro psicopata.

            Estes atos de ternura são sempre comoventes.

          • Abstencionista says:

            Pois aí vai um poema para o Xô-nazi!

            Título: “Xô necrófago”;

            “Disfarçado de abutre
            Bicando aqui e ali,
            O Pois não engana ninguém
            É uma besta nazi.”

            “Os mortos não têm nome,
            Só lhe interessa a quantidade,
            Sejam homens ou mulheres,
            Qualquer que seja a idade!”

            “Encantam-lhe os mortos “maus”,
            Mas os mortos “bons” também,
            Desde que o morto não seja ele,
            Para esta besta está bem!”

            “Cobardola sem escrúpulos,
            Sem pinga de dignidade,
            Este Pois é um bom exemplo,
            Do que é a desumanidade.”

            “E acabo como comecei
            Apontando a hiena aqui
            Este azeiteiro do Pois
            É uma besta nazi.”

          • POIS! says:

            Pois pois!

            O Ressabiado Moraleiro Abstencionista no seu melhor!

            Boçalidade em festa!

            Citando:

            “Os mortos não têm nome,
            Só lhe interessa a quantidade,
            Sejam homens ou mulheres,
            Qualquer que seja a idade!”

            De onde é que V. Exa. tirou tal conclusão? Viu em algum lado alguma menção á quantidade de mortos? Ou qualquer comparação?

            Onde é que aprendeu tais métodos propagandeiros?

            Foi no convívio lá da Comissão de Trabalhadores de que se intitulou “coordenador”? Ou foi nas tais visitinhas ao “Hotel Vitória”?

            Sim, porque se não é um reles propagandeiro, é um analfabeto. Seria muito melhor, mesmo assim!

            NOTA: Para um gajo que é “wokes” para cá, “cancels” para lá, olhe, oiça o povinho, lá na minha terrinha:

            “Enche a boca de “wokes”
            Nem podia ser diferente.
            Na tasca do Abstencionista
            “Woke é marca de aguardente”.

            Que sábio é o povinho, lá na minha terrinha.

          • Carlos Almeida says:

            POIS

            Desculpe a franqueza, mas a culpa é sua, que dá troco a um sujeito que se auto denomina de Abstencionista

            Deixe-o a falar sozinho, que acaba por se ir embora

          • POIS! says:

            Ora essa! Eu até lhe dou razão, ó Almeida!

            Mas, por vezes, um gajo cai na tentação…

          • Abstencionista says:

            Olha Xô Pois,

            “Franchisado” por “franchisado” preferia o mata frades ao idiota do Tal & Qual e, desculpa-me a franqueza, ao tapado do Carlos Almeida!

            Mas concordo que a vida custa a todos e avenças a lamber cús são mais fáceis de ganhar.

            Bjs

          • POIS! says:

            Pois são “mais fáceis”?

            Vosselência lá sabe! Eu nunca recebi nenhuma!

            E os cús? Sabem-lhe bem ou temos de chamar o “chef” Lubomir?

            Só do bestunto de um néscio melgalómano é que poderia sair uma afirmação destas. Alguém estaria disposto a pagar alguma coisa por endexas a Vosselência?

            Tenha juízo!

            (Estive quase a não responder, mas vosselência estava mesmo a pedi-las!)

          • POIS! says:

            Por acaso é…

            “endechas”. Escusa Vosselência de se dar ao trabalho de fazer correxão…

      • Rodrigo says:

        Nenhum!!! Jaime Neves não foi terrorista.
        Estes :
        José António Figueira , Ângelo Benevides, José Barradas , José Mouta Liz, Humberto Machado ,Pedro Goulart, João Macedo Correia
        e outros que não me recordo e todos os simpatizantes que os há ainda hoje (pasme-se, é só ler estes posts e os comentários a tais posts) , são os responsáveis.

        Rodrigo

        • POIS! says:

          Pois, “nenhum”?

          Eu não arriscaria dizer uma coisa dessas, Herr Rodrigo.


          • …e outros que não me recordo e todos os simpatizantes que os há ainda hoje (pasme-se, é só ler estes posts e os comentários a tais posts) , são os responsáveis.

          • POIS! says:

            Pois. Por esse raciocínio…

            V. Exa. também será responsável por alguma coisinha…e olhe que não é coisa boa.

            Wyriamu, sabe o que é? Não me diga que foi um safari…

          • Paulo Marques says:

            Foi civilizar a barbárie, Pois.

  6. Rui Coelho says:

    Mas Otelo foi nada menos que o cérebro da Revolução dos Cravos, a tal que nos libertou do fascismo opressor.
    Sim foi responsável pela Revolução mas não pela Liberdade. A Liberdade devemo-la ao 25 de Novembro de 1975.
    Só alguém simpatizante com ditaduras de esquerda se recusa a ver esta evidencia. Só os que não aprenderam nada com o que se soube após a queda dos regimes que tanto idolatram está cego para esta realidade.
    Podiam tomar como exemplo Edmundo Pedro um comunista arrependido e ainda bem que disse ao jornal i em 23-10-2017:
    “Fui vítima de Salazar, mas as ditaduras comunistas eram muito piores”.

    Rui Coelho

    • JgMenos says:

      Tinha lá o gajo cérebbro para tal!
      Quando muito foi o oficial de dia no quartel-general de uma missão que foi de muitos, e muitos mais capazes que ele.

      Mas como deu corda e armas aos esquerdalhos logo querem fazer dele um herói, quando mais não fez que deixar-se instrumentalizar por essa canalha que o fez acreditar ser o Fidel ou outro coirão do mesmo calibre.

      • POIS! says:

        Pois, pois! V. Exa. sabe tudo o que aconteceu!

        Até porque V. Exa. estava lá! Estava disfarçado de escrivaninha, já vi fotos!

        O Otelo até tinha de escrever no costelado de V. Exa, ficou a saber tudo! Já para não falar nos berros aos ouvidos: “Ó Maia, arrasa lá essa merda pá!”, ou “O Spínola quer entrar a cavalo? Digam lá ó gajo que não pode, pá! Depois quem é que limpa a bosta, pá?”.

  7. JgMenos says:

    ‘Liberdade e Democracia’

    Só mesmo de um esquerdalhote para escolher como símbolo um coirão que andou a meter bombas depois de haver Constituição e Governo após eleições livres.

  8. estevesayres says:

    Quando alguém foi preso pelos fascistas e depois pelos sociais-fascistas do Otelo / COPCOM , nunca pode estar Feliz…Mas reconheço que Otelo foi um dos estrategas do Golpe Militar no 25 de abril74. Mas não fez nenhuma revolução… Por fim só para recordar:
    (…)”A 28 de Maio de 1975, as tropas do COPCON, na época a 5ª coluna e o braço armado dos social fascistas do PCP, lideradas pelo pistoleiro Otelo Saraiva de Carvalho e comandadas pelo falecido – e tão elogiado pela burguesia que sempre serviu – facínora e fascista Jaime Neves, , invadiram e destruíram, com base num plano meticulosamente levado a cabo, várias sedes do MRPP por todo o país, prendendo mais de 400 dos seus militantes, incluindo o seu Secretário-Geral, o camarada Arnaldo Matos”!


  9. Já cmeço a perceber o desraciocinio do gajo:

    …Oito da manhã, 15 de março de 1961. “Mata, mata. UPA, UPA.” Há precisamente 55 anos, a União das Populações de Angola (UPA) desencadeava os primeiros ataques às fazendas e vilas coloniais no norte de Angola.

    Neste massacre foram mortos e mutilados centenas de colonos brancos e também negros, nas fazendas do café, zonas dos Dembos, Negage, Úcua e Nambuangongo. Muitos foram mortos à catanada.

    Ninguém escapou ao massacre. Homens, mulheres e crianças, negros e brancos. A fúria da UPA (posteriormente chamada FNLA – Frente Nacional de Libertação de Angola) não poupou ninguém.(Jornal i)

    Agora soma -se : Wyriamu

    e temos a razão pela qual o terrorista Otelo assassinou ou mandou assassinar pessoas (até ser travado ) e queria fundar em Portugal , usando as palavras de Edmundo Pedro:
    Uma ditadura pior que a de Salazar.

    Conclusão: devemos a democracia e a liberdade ao Otelo, LOL…é mesmo brilhante para quem pensa com os pés…

    RC

    • POIS! says:

      Pois desculpe, mas…

      A conclusão é de V. Exa. E é completamente abusiva.

      Minha é que não é!

      • POIS! says:

        Pois, e já agora…

        Oiça ou leia o que disse Ramalho Eanes sobre o momento. O “link” está num comentário de Carlos Almeida situado abaixo.

        Não foi V. Exa. que trouxe Eanes á liça ligando-o, abusivamente aliás, a Jaime Neves?

        Oiça!


  10. A este respeito ouçam o excelente comentário do Pacheco Pereira.

  11. Carlos Almeida says:

    Para os “corajosos” que se se sentem preenchidos ao baterem em mortes

    Declarações de ramalho Eanes sobre Otelo:

    https://sicnoticias.pt/pais/2021-07-26-Ramalho-Eanes-Noticia-da-morte-de-Otelo-Saraiva-de-Carvalho-magoou-me-e-surpreendeu-me-50b8f512


  12. Comparar as mortes pelas brigadas com as das redes bombistas?
    Não, não é tudo a mesma coisa. As primeiras não eram o objectivo da acção, mas da segunda já eram mesmo. Os que se escandalizam com as primeiras são os que aplaudem as segundas.
    Porque será???

  13. Abstencionista says:

    Pois lá andas tu a aldrabar,

    Com que então o Jaime Neves esteve no massacre de Wyriamu?

    Estuda!

    P.S. Vou dar-te um conselho, apesar de seres neo-nazi!
    Cuidado com o Carlos, esse doutor em analfabetismo genuino, que está a arrastar-te e asa.
    Só te digo…repara no apelido… Carlos Napeida…cuidado!

    • POIS! says:

      Pois que lindo…

      Comentário de psicopata! Porque é que se afirma tal? Basta ler!

      Regista-se também a defesa e a singela homenagem a outro que tal, saudosamente desaparecido. Fica sempre bem o perdão de uns pecadilhos sem importância nenhuma.

      Até porque, a tal hora, estava ele a andar de chaimite na direção da casa de umas senhoras muito distintas. Não sabia de nada.

      PS. Felizmente que foi encontrado o isqueiro que Hitler usou para acender os fornos crematórios. De outro modo seria uma ignomínia acusá-lo fosse do que fosse. Ninguém o viu lá nos campos!

  14. estevesayres says:

    Só para aqueles, que nasceram depois do 25 de Abril 74…

    (…)”Só quem esteve “distraído” não compreendeu, com o desenrolar dos acontecimentos, que nunca foi intenção dos “militares de Abril” derrubar o poder, mas sim “reformá-lo. Basta ver o papel que atribuíram, logo naquela noite ao fascista Spínola. Basta perceber que não estava nas mentes dos militares do golpe, quer a libertação dos presos políticos quer a decapitação da odiada polícia política do sistema fascista, a PIDE”!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.