28 de Maio de 1975

Se o de 1926 começou em Braga, este teve como álibi uma história passada em Coimbra.

Em meados de Maio frequentava a sede do MRPP em Coimbra, Av. Fernão de Magalhães (onde hoje Consulado de S. Tomé e Príncipe), um indivíduo, ex-comando na Guiné, que começou a tornar-se suspeito. Vai daí um belo dia alguém decidiu considerá-lo mesmo um agente provocador fascista, da CIA ou algo que o valha, e foi simpaticamente convidado a ficar por ali, sujeito a umas perguntas sobre as motivações dos seus comportamentos.

Vigiado à vista (estava detido com tanta eficácia que tinha conseguido apanhar uma lâmina de barbear abandonada e tentado cortar os pulsos), no alvorecer do dia 26 de Maio (penso eu de que) ao preparar-me para dormir depois de uma noite de colagens (contexto histórico: o MRPP tinha sido proibido de concorrer às eleições, e era por tabela um partido ilegalizado) ouço a porta da rua bater, não fazia sentido, e constato que o camarada com a função de vigilante ressonava. O indivíduo era deficiente de guerra, coxo, eu na altura corria umas coisas, quando cheguei à rua já não o vi. [Read more…]

A fixação de Helena Matos pelo 28 de Maio

Helena Matos acusa PS, PCP, BE e Verdes de serem responsáveis pela eventual indemnização a pagar ao consórcio Elos pelo não cumprimento do contrato de construção do TGV. Tudo porque a 28 de Maio de 2010 chumbaram a suspensão do TGV.

Sucede que o contrato foi  assinado a 8 de Maio de 2010. Ou seja, a suspensão proposta por PSD e CDS teria exactamente o mesmo efeito, 20 dias depois de o contrato estar assinado.

Há fixações em determinadas datas um pouco doentias, até levam a trocar o antes pelo depois e a causa pelo efeito.

A Revolta de Fevereiro de 1927 no Porto – 1 (Memória descritiva)

Menos de oito meses depois do pronunciamento de 28 de Maio de 1926, no dia 3 de Fevereiro de 1927, faz hoje 83 anos, desencadeava-se no Porto um amplo movimento republicano e democrático, civil e militar, contra a Ditadura. A Revolta de Fevereiro de 1927, por vezes também referida como Revolução de Fevereiro de 1927, foi uma rebelião militar que ocorreu entre 3 e 9 de Fevereiro de 1927, desencadeada no Porto, cidade onde estava instalado o posto de comando dos insurrectos e se travaram os principais recontros, estendendo-se a partir do dia 5 a Lisboa.

Na génese deste levantamento terá estado o chamado «Grupo da Biblioteca Nacional». Alguns dos seus elementos tinham manifestado um sentimento de expectativa, quase de apoio, relativamente ao golpe militar de 28 de Maio de 1926, pois, como muitos outros portugueses, entendiam que era preciso pôr alguma ordem no caos que se vinha agudizando na vida política, económica e social do País.

No entanto, Ditadura Nacional, depressa começou a abandonar o seu carácter de medida transitória de normalização, como fora prometido, e a assumir um carácter protofascista, com o apoio da Igreja Católica e de algumas franjas sociais e intelectuais. [Read more…]

Memória descritiva: Luta armada contra a ditadura (1)

Todos sabemos até que ponto as lutas partidárias, a degradação da economia, as frequentes revoltas e revoluções, a intervenção militar na I Guerra, tinham desgastado a República desde 1910 até 1926. As classes possidentes, os grandes industriais, a Igreja Católica, alguns meios intelectuais, mostravam sinais de impaciência. Porque o novo regime, em que tantos tinham depositado esperança, não resolveu nenhum dos problemas fulcrais que flagelavam a Monarquia dos últimos anos – o subdesenvolvimento e o analfabetismo, entre outros.

Quanto a esses sectores de opinião conservadora era preciso disciplinar o País. A Ditadura Militar a que se seguiu o Estado Novo impuseram a ordem que tantos desejavam. No entanto, durante os 48 anos que mediaram entre o pronunciamento de 28 de Maio de 1926 e a Revolução de 25 de Abril de 1974, e em que reinou uma ordem imposta pela força, houve acções armadas contra o regime ditatorial, desencadeadas por militares (o chamado «reviralhismo»), por civis ou por organizações clandestinas. É algumas dessas reacções violentas contra um regime imposto e mantido pela violência que a nossa memória irá visitar.

Nos anos que se seguiram ao golpe militar de 28 de Maio de 1926, verificaram-se algumas revoltas. Como besta desabituada de usar sela ou albardas, o povo português escoiceava e tentava sacudir os aprestos que, dia a dia, lhe iam pondo no dorso sob a forma de novas medidas repressivas e da supressão dos direitos fundamentais outorgados ainda durante a monarquia, desde a proclamação da Carta Constitucional, e na I República, entre 1910 e 1926 (com o breve interregno do consulado sidonista).

[Read more…]