A fixação de Helena Matos pelo 28 de Maio

Helena Matos acusa PS, PCP, BE e Verdes de serem responsáveis pela eventual indemnização a pagar ao consórcio Elos pelo não cumprimento do contrato de construção do TGV. Tudo porque a 28 de Maio de 2010 chumbaram a suspensão do TGV.

Sucede que o contrato foi  assinado a 8 de Maio de 2010. Ou seja, a suspensão proposta por PSD e CDS teria exactamente o mesmo efeito, 20 dias depois de o contrato estar assinado.

Há fixações em determinadas datas um pouco doentias, até levam a trocar o antes pelo depois e a causa pelo efeito.

Comments


  1. Qual comentário?
    O título diz tudo.

    mário

  2. Maquiavel says:

    2,5 anos depois a LAV mais barata por quilómetro da Europa continua por construir. E isto com 75% do financiamento assegurado pela UE.

    Desde essa altura já se fizeram o aeroporto de Beja (que está vazio) e mais auto-estradas (que estäo vazias), pagos a 0% pela UE.

    Entretanto, no mundo civilizado, “AVE ganha quota de mercado e liga toda a Espanha –
    Madrid e Barcelona utilizados igualmente por avião e comboio de alta velocidade”
    http://static.publico.pt/carga_transportes/Noticia/1563337

  3. jose says:

    Porque entretanto as concessionárias não iniciaram os trabalhos, não fizeram obras, relatórios e por aí fora, cujos custos obviamente vão agora ser imputados ao estado. Perdido por 100, perdido por 1000?

    O Maquiavel quer pagar os restantes 25% com menos um ordenado por ano, faça favor. Não há dinheiro. Vão-se às reformas dos pensionistas. Não se contratam médicos para os hospitais. Cresce sem parar o número de pessoas sem emprego e sem qualquer tipo de protecção social. As empresas e as pessoas estão esmagadas pelos impostos, mas acho que sim: vamos fazer uma lav. Em que mundo é que esta gente vive?

    • Maquiavel says:

      Näo percebeu onde eu teria ido buscar os restantes 25%, seu idiota? Entäo eu explico: ao dinheiro que foi para aeroporto de Beja, ou para a “AE do Pinhal Interior”, cujo custo total era o mesmo da LAV Poceiräo-Caia, mas com 0% de financiamento da UE. Como vê, seu perfeito idiota, houve dinheiro que chegasse, até para a TTT.
      Mas deixe, já que näo se pode voltar atrás no tempo, começaria por buscar os restantes 25% aos incentivos aprovados há semanas para a Barragem do Tua, depois da apreciaçäo da UNESCO. Ou ao PNB no seu todo, ou às AEs que continuam a ser planeadas e construídas com os tais impostos que tanto o esmagam. AH, mas como é alcaträo já näo lhe pesa, né?

  4. jose says:

    Olhe, não leu no meu post uma palavra em defesa das AEs, portanto não seja desonesto e mentiroso. Aliás, não quero crer que alguma esteja a ser agora planeada, mas já nada me surpreende (e se for o caso, espero que não se venha a concretizar, ponto).

    Eu, em 2009, quando a Dra. Ferreira Leite dizia insistentemente que não havia dinheiro para obras públicas e que o país enfrentava já então um enorme problema de dívida pública (que aliás se agravou muitíssimo no segundo governo sócrates), votei nela. Votei na pessoa que se comprometia numa altura ainda anterior à hecatombe que mais tarde se verificou a seguir um caminho alternativo de rigor e de respeito pelos contribuintes. Os seus posts revelam bem qual deve ter sido o sentido do seu voto, seu idiota.

    E não se aflija comigo que não estou nada esmagado. Saí do país já há muito tempo e não tenciono voltar senão para visitar os meus familiares e amigos que infelizmente não tiveram a minha sorte.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.