Foto-galeria: almoço aventador em Coimbra

O Aventar, ou seja, os aventadores (assumindo, de antemão, que o Aventar é, também, muito mais do que apenas e só quem aventa), reuniram-se ontem em Coimbra para um almoço carregado (e regado) de boa disposição, união entre os diferentes pensadores deste espaço, encontros e reencontros e, acima de tudo, o reforço da amizade que, apesar de todas as diferenças que existem entre os que aqui escrevem, fala sempre mais alto do que qualquer outro valor (ou qualquer desavença que, por vezes, nos atinge também).

Coimbra serviu para reforçar laços, para recordar o João José Cardoso e, como é hábito, o encanto coimbrão agigantou-se quando nos fomos todos embora. Aqui ficam algumas imagens que marcaram o almoço e o dia.

As fotografias são da minha autoria.

[Read more…]

Almoço Aventar, 7 de Novembro 2015

2015-11-07-almoco-aventar-coimbra

Falar contigo era melhor.”

A foto, dir-se-ia que a quatro mãos, é do António José e do Paulo Abrantes.

Homenagem JJ


Almoço em Coimbra em homenagem ao João José Cardoso

Almoço Sectorial Aventar, Porto

PALAVROSSAVRVS: Hoje o Aventar almoçou na Baixa Portuense, Mousinho. Foi um almoço sectorial. Éramos só dois. Dario e eu. Mas foi muito bom na mesma. Nada como termos podido contrastar o dia-a-dia com o prazer sem paralelo de uma excelente conversa aventadora, onde nada do que é português e relativo à política escape ileso. Conspirámos. Rimos. Sonhámos.

Exare-se em acta esta nossa conclusão concorde: são milhares os exemplos de como a roda dentada político-partidária nos vem fazendo um mal indescritível e ao País: enquanto a Política e a sua Casa Simbólica se conservarem meras conchinhas fechadas aos cidadãos, antro de negócios a que temos sido completamente alheios, e enquanto a Justiça [finalmente levada aos que malbarataram e desmandaram e atropelaram a Coisa Pública debaixo da pala imunitária da Política] não passar de uma caricatura de Justiça, Portugal também não passará de um sítio. Jamais será um País.

Hoje senti-me mais vivo. O copo de vinho ajudou. Fui ressuscitado para a luz bela de um dia portuense frígido, na companhia não já de um colega, mas de um Irmão e de um Amigo. A propósito, parece que o IVA não é levado muito a sério nos restaurantes às moscas, pois não, Dario?!

DARIOSILVA: Não tenho IVA a declarar: o vinho, branco, verde, só podia ser bom: provém do vale do Sousa, d’uma encosta com o comboio aos pés, d’um sítio que acumula um nevoeiro delicioso numa infância a bordo de um comboio. E foi assim.

Outro almoço Aventar

Hoje domingo, dia de descanso de trabalhadores, junto à ponte do Freixo, beneficiados pela tolerância de ponto dada pelo governo vigente, reuniram-se em assembleia ordinária os aventadores do Norte, que começa no Mondego, convenientemente acompanhados pelo mais genuíno lisbonense desta casa. Representantes de várias cores, do norte ao sul de África e até da terra onde nasceu D. Afonso Henriques.

Ficou decidido, a pedido de dois ilustres portuenses que, a partir de agora, o Aventar vai deixar de bater no Governo…… aos dias feriados. Por falar nisso, a conta ainda não veio. Estamos à espera da próxima declaração do Grande Gaspar a anunciar uma descida do IVA, a pedido da Ângela.

Um de nós tem mesmo fundadas esperanças de que o seu destacamento numa escola do Grande Porto se prolongue por mais 4 anos. Para não ter de voltar a Cinfães. E nesse sentido está disposto a tudo. Nuno, amigo, esta parte do Aventar está contigo.

Para memória futura, e enquanto dura o monárquico comboio e caminho-de-ferro, demos e vamos continuar a dar o mote: metade de nós chegou cá sobre carris; não há mesmo outro meio de transporte-cultura tão amigo de almoços bem conversados e regados com Douro. Ah, o Douro…

De comboio, viajei de Lisboa até ao Porto. Uma viagem que adoro, ainda por cima até à beira do Douro. Do Tejo ao Douro, para almoçar com os amigos aventadores. Que felicidade sinto ao visitar este Porto de um Portugal sem igual.

E como já não tenho mais tempo ou espaço para escrever, por aqui me fico, depois de todos os outros o terem feito.

Todos, não. Falto eu e gostava que ficasse aqui, devidamente, registado que acho que estas “tolerâncias de ponto” ao domingo são, manifestamente, “piegas”.

O elixir

Depois de um certo almoço, ontem, alguns comensais, incluindo eu, devem sentir mais ou menos isto que a letra descreve. Um brinde a eles.