O Aventar não é de Esquerda

Há dois dias, saiu na SIC uma peça sobre Fake News. Não nos pronunciando sobre o conteúdo da peça, algo que apenas faz sentido em publicações individuais, dada a inexistência de uma linha editorial no blog, não podemos deixar passar em branco uma imprecisão jornalística, nomeadamente a afirmação sobre o Aventar ser “um blog de esquerda“.

O Aventar é, desde o seu início, um blog pluralista, com autores de todos os quadrantes, políticos e não só. Quem lê o Aventar com continuidade, poderá constatar que assim é. Cada autor publica sobre os temas que bem entende e quando acha oportuno. Daí poderá resultar um maior número de posts considerados “de esquerda” – tanto quanto estas categorias ainda sejam referenciais válidos. Apenas artigos assinados pelo autor Aventar constituem posições colectivas de comum acordo.

O Aventar é, há 9 anos, um espaço pluralista, de controvérsia e de saudável debate. E assim continuará a ser.

Pelos vistos, Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da CM de Gaia, acha que se quiser pode escrever no Aventar. Não pode.

Disse quem lá esteve, e pelos vistos terá mesmo sido gravado, que durante o julgamento de Eduardo Vítor Rodrigues por difamação, o autarca de Gaia terá referido que, caso quisesse, poderia escrever no Aventar. Não sei se o militante do PS terá confundido o Aventar com o Acção Socialista, mas este blogue, portuguesmente falando, não é o Largo do Rato nem a casa da mãe Joana.

Tais declarações, que não passam de fake news com um toque nada subtil de fanfarronice, são um completo disparate. Eduardo Vítor Rodrigues NÃO pode escrever no Aventar. Não pode e não lhe adianta nada querer. E não pode por uma razão muito simples e concreta: porque eu não quero, e o meu querer, ao contrário do querer do autarca de Gaia, tem impacto directo na gestão do Aventar. [Read more…]

Botões de partilha nas redes sociais

O Aventar deixou de usar há algumas semanas os botões padrão para partilha de artigos no Facebook e no Twitter. A razão desta opção não é nova e até já é conhecida há muito. Estes botões adicionam código ao Aventar (e a todos os sitios que os usem, na verdade) que permitem ao Facebook e Twitter saberem o que é que os nossos leitores fazem no blog. Inclusivamente para não utilizadores destes serviços, há recolha de informação que é usada para alimentar perfis sem nome atribuído.

[Read more…]

9 anos de Aventar

Em Março passado, no dia 9, o Aventar fez 9 anos. O blog deve estar a chegar àquela idade em que não se fala de aniversários, já que a data não passou de uma brisa, que se sente, mas sem merecer grande reparo. Talvez voltemos a falar no assunto quando chegar a data redonda, quiçá cunhada no livro de que falamos há anos.

Por hoje, fica este apontamento e uma nota sobre o dia 4 de Abril de 2014 onde, num único dia, o Aventar foi lido por mais de 133 mil visitantes. Aproveitando para para partilhar mais um pouco sobre a vida interna do blog, desde que estamos nesta plataforma, há 7 anos, foram publicados 32 mil posts, que trouxeram 16.6 milhões de visitas por parte de 6.4 milhões de visitantes.

Obrigado a todos os que fazem diariamente este espaço, leitores e autores.

Sobre a classificação de posts e comentários

Houve uma operação inesperada que alterou algumas configurações do Aventar. Estamos progressivamente a repor as funcionalidades, mas algumas não ficarão no estado anterior a este incidente. Uma delas é as votações dos posts e comentários (polegares para cima e para baixo), que se perderam, estando agora a zeros. Lamentamos o inconveniente, mas são ossos ofício.

Actualização: Foi possível repor os votos dos polegarezinhos.

O Aventar faz 8 anos


Ao mexer em papéis velhos, encontrei esta relíquia que nem sabia que ainda tinha.
Na tal noite de boémia de Cinfães, a certa altura peguei num papel e escrevi isto. A história do Aventar começava aí…
Parabéns a nós.

Andas com pouco sentido de humor, comentador do Aventar

Como sabes, comentador do Aventar, eu sou de Esquerda. Mas de Esquerda mesmo Esquerda. Não deste PS travestido de Esquerda que hoje governa o país com o apoio da Esquerda mesmo Esquerda. Eu é mais PCP ou Bloco.
Mas desde que deixei de ser um aspirante a betinho do Pinheiro Manso sem qualquer consciência política, nunca mudei.
No blogue, também não. Bati sem descanso em José Sócrates e dei descanso à Direita. Bati como se não houvesse amanhã em Pedro Passos Coelho e esqueci os ontens de José Sócrates. E agora, para dizer a verdade, comentador do Aventar, não quero saber de Pedro Passos Coelho para nada e interessa-me é o que está este Governo a fazer. E sempre que estiver a fazer mal, António Costa há-de levar como levaram os outros. Isto porque tenho uma ideologia, mas não tenho grandes ilusões acerca do ser humano.
Sabes, vou dizer-te um segredo: o meu maior sonho era ver um Governo de Esquerda mesmo Esquerda a governar Portugal. Um Governo do PCP e do Bloco! Mas nesse mesmo dia, estaria na linha da frente para lhe bater sempre que fosse preciso.
Eu não mudei, pois. Mas algo mudou.
É que a certa altura, comentador do Aventar, vinhas para cá fiado de que ias ler coisas de Esquerda. E ultimamente – e como rejubilo! – a Direita voltou finalmente à luta e agora volta a haver um certo equilíbrio.
Isso não deve tirar-te o sentido de humor. Por exemplo: [Read more…]

O Aventar não é (nem nunca foi) um blogue de Esquerda

Nunca é demais contar a História do Aventar, até porque começa hoje o mês em que comemoramos 8 anos de vida.
Recordo: vindo do 5 Dias, um blogue de comunistas e bloquistas, decidi criar um blogue que, ao contrário da maioria, fosse pluralista. Ou seja, com pessoas de Esquerda e de Direita e sem qualquer tipo de alinhamento ideológico definido.
Foi assim que comecei por convidar o Luís Moreira, que estava na área do PSD e que chegou a desempenhar cargos políticos de relevo durante os Governos de Cavaco Silva.
Depois dos restantes fundadores, dos quais só restam hoje a Carla Romualdo e o João Paulo Silva, o Aventar foi vendo aumentar o número de escribas, sempre com a preocupação de manter um certo equilíbrio. Ao fim de poucos meses, tínhamos gente como o Fernando Moreira de Sá, o Carlos Garcez Osório ou a Daniela Major, na área do PSD e do CDS, e gente como o João José Cardoso, o Fernando Nabais ou o Jorge Fliscorno, todos de Esquerda. Com a excepção do nosso Maior, todos os outros por cá andam. [Read more…]

Da Capela à Adega

Tudo começou na esplanada da “Capela Incomum” entre conversas e copos de vinho (o Evel Branco estava muito bom), o ponto de encontro para mais um jantar do Aventar onde o Porto foi repetente.

E que melhor sítio do que uma capela para redimir os “pecados de escrita” destes bloggers que teimam em continuar livres e fieis à blogosfera. Nestes tempos em que os blogues vão finando, o Aventar continua a resistir. A romaria seguiu para a Adega do Carregal, não sem antes um dos presentes exigir a presença de uma televisão para assistir ao FCPorto-Tondela. A que não faltou o tiro certeiro do nosso Lucky Luke – “E a federação não faz nada?”. Nada, não fez nada e a Adega não tinha a SportTV. Mesmo assim, ouviram-se juras à veracidade da grande penalidade.

Da posta ao bacalhau passando pelos rojões, não ficou pedra sobre pedra numa noite onde se discutiu Guimarães, Sabrosa, Viseu, Viriato, Fernão de Magalhães, Sócrates, Cavaco, Marcelo, Costa, Geringonça, Turismo, futebol, cinema, literatura e não se esqueceu as referências às viúvas, Galamba e ao Abrantes. Venha o próximo repasto.

Ajustes directos à Lupa

ajustes-directos-a-lupa
A cidadania, salvo melhor definição, é o conjunto de direitos e deveres do indivíduo em relação à sociedade em que vive. A cidadania é a representação máxima do nosso direito de ter e expressar ideias, de poder livremente votar sem qualquer constrangimento exercendo plenamente os nossos direitos civis, políticos e sociais.

Ora, ao longo dos anos o Aventar sempre procurou ser um instrumento de Cidadania. O exemplo mais conhecido foi a tradução para português do famoso “Memorando da Troika”, um documento de fundamental importância para todos os portugueses e que os poderes públicos à época nem se dignaram a traduzir para a nossa língua.

Estando a chegar mais um período de eleições autárquicas e pela importância das mesmas para a nossa vida quotidiana e tendo presente que Portugal continua a viver sob o jugo de uma enorme dívida externa contraída ao longo dos anos pelos diferentes detentores do poder político executivo, o colectivo Aventar entendeu que é importante que todos nós, detentores do livre direito ao voto, possamos conhecer em que é gasto o nosso dinheiro. A promoção da transparência na gestão da coisa pública – eis aquele que é um dos nossos deveres (e direitos).

Melhor dito, é importante que todos saibam como é gasto o nosso dinheiro, ainda para mais quando vivemos uma época de “vacas magras”. Todos sabemos, até porque outros blogues e sites, antes de nós, também têm tentado fazer este serviço público, que os gastos das 308 autarquias locais não são fáceis de escrutinar pelos cidadãos. [Read more…]

Feliz Natal


Quando penso em canções de Natal, não consigo abandonar estas duas. Uma delas, a dos Killers, um grupo muito ligado à história do Aventar; e a outra de alguém que admiro muitíssimo, Shane MacGowan,o vocalista dos Pogues.
Trago sempre estas canções neste dia, é possível que me esteja a tornar repetitivo. Já pareço o nosso João Mendes com o seu Passos Coelho (estou a brincar, meu querido, o teu trabalho é valioso e alguém tem de o fazer, eu só não o faço porque nunca gostei lá muito de bater em mortos).
A verdade é que gosto muito do Natal. Mesmo sendo um ateu empedernido e detestando esta sociedade de consumo globalizada em que o mundo se tornou. Enfim, o ser humano é feito de contradições. Quando se tem crianças em casa, vemos a realidade de forma diferente ou, pelo menos, tentamos.
Neste dia em que, ao fim de 45 anos, estou pela primeira vez sem o meu pai, desejo um Feliz Natal a todos.

Os bons, os maus e o comboio

coimbra-b

Dou por mim parado na estação de Coimbra B e recordo-me do dia em que vi, pela primeira vez, o João José Cardoso. O João José, a Noémia e o Ricardo, a Carla e o petiz, o Dario, o Orlando e o Nabais e acho que, do pouca-terra que partira de Campanhã, éramos estes. Em Coimbra, naquele belo tasco forrado a retalhos de individuais de papel, com palavras de ordem e devaneios boémios, conheci mais uns quantos. Se a memória não me trai estava lá o Valada, a Eva, o Jorge e o Fernando, que chegou mais tarde. Um dia bem passado, bem regado e de pança cheia. Um raro dia de convívio em que ocupamos o mesmo espaço físico, não descurando todos os dias em que nos encontramos, virtualmente, para arquitectar conspirações, parvoíces e coisas sérias. [Read more…]

Concurso dos blogues

O autoproclamado Estado Sentido abandonou o Concurso de Blogues da TVI, em devido tempo, pelo facto de ter sido nomeado para a fase final um site chamado Poupadinhos.
E afinal, depois de tudo ter acabado, foi a melhor decisão. E por isso mesmo são eles, pelo menos para mim, os grandes vencedores desta espécie de concurso.

Blogs do ano

image

Termina amanhã a votação do público na primeira edição do concurso “Blogs do ano”, pelo que é uma boa altura para se fazer um balanço, antes de serem conhecidos os respectivos resultados.

[Read more…]

L Mirandés : Ũa Lhéngua Minoritaira An Pertual

aventar

A nossa riqueza cultural, nem sempre reconhecida, e muitas vezes desconhecida pela maioria da população portuguesa, tem, na língua falada e escrita, um lastro civilizacional  universal. Numa época em que a uniformização de tudo está na ordem do dia, temos o dever de salvaguardar a diferença. Falamos da segunda  língua oficial portuguesa, o Mirandês. Língua minoritária, é ignorada, ou melhor, é tolerada pelos sucessivos poderes públicos (com honrosas excepções). É olhada muitas vezes como uma excentricidade  de meia dúzia de habitantes das Terras de Miranda.  Pelo contrário, é algo do qual nos deveríamos orgulhar, respeitar, e divulgar.

Por isso, e chegado o Aventar ao  Concurso de Blogs do Ano, onde disputamos o prémio, apresentamo-nos também em Mirandês. Agradecemos a dois ilustres mirandeses, a Celina Pinto, que nos ligou a esta realidade, e a Alfredo Cameirão, que traduziu a apresentação.

Apresentação do Aventar nas duas línguas oficiais de Portugal, português e mirandês: O Aventar / L Aventar.

Amigos, amigos, postas à parte

Ora vejam lá se não é de subscrever, integralmente, esta “posta dos nossos adversários de momento.” Só por isso já merecem ficar em segundo.

Votai no Aventar, sff.

É só um pequeno lembrete.  Gratias vobis ago.

Precisa-se de blogger da área do PSD

Para relação séria.

socrates

Tempos houve em que a laranja surfava a onda das trapalhadas socráticas, de forma pujante e suportada por uma poderosa máquina que mexia em tudo o que era corner. Cheirava a poder e por todo o lado apareciam apoiantes – alguns até iam a manifestações de professores, esses Mários Nogueiras da desgraça Lusa. Mas conseguiram. Levaram carta a Garcia (como eu gosto destas frases feitas!). E, no Aventar tivemos que ir à luta com um anúncio que ainda hoje é singular.

Conquistaram o poder com os resultados que se conhecem – atingiram todos os seus objectivos, deixando o país muito pior do que aquele que receberam.

Hoje felizmente, Portugal e os portugueses respiram melhor. A Geringonça continua o seu caminho e havendo uma candidatura para uma relação séria com ela, não primarei pela ausência.

Só que, nem tudo são rosas e eu não gosto de ver o sr. Pedro a cair pelo cano e vinha pedir que nos ajudem nesta tarefa nacional. Portugal precisa de alguém que defenda o Pedro e subscreva as tuas propostas para o país. Sim, aquelas que nem ele sabe quais são, mas o Marques Mendes tratará do resto, logo que consiga descer da estrado.

E, se naquele tempo, o anúncio não deu resultado, pensei que estaria na hora de seguir a mesma estratégia, esperando conseguir precisamente o mesmo resultado.

Não é claro o conteúdo funcional da tarefa, mas  pode sempre começar por eleger o Aventar como blogue do ano. Assim, na entrevista a realizar, poderá sempre dizer que ajudou o patrão a subir na vida. Poderia, por exemplo (a ter acontecido) trazer o mail da empresa que serviu para receber as inscrições na Universidade de Verão. Mas, se calhar o seu mail já foi apanhado pelo Carlos Teixeira. [Read more…]

As finais são para se ganhar

Confesso. Gosto de estar na frente.

E, como lei de vida, uma frase que me acompanha desde 1904 – é melhor ganhar do que perder.

Mas, há finais e finais. Uma coisa é jogar com o Rio Ave e outra é receber o Copenhaga, que, depois dos derrotados em Madrid será, manifestamente, a equipa mais forte da champions deste ano.

Só que esta final é para ganhar – nas meias-finais o palco está dividido com outras três equipas, que, de tão óbvias teriam entrada directa no discurso contra os mouros ou, num registo mais intelectual, depois da penhora da sanita, nós só queremos o Lopetegui a arder.

Imaginei, há muitas luas atrás, que o Aventar poderia ser muitas coisas, mas parceiro de finais destes três, nunca… Jamais, em tempo algum.

Poupadinho? TeamLewis?

Mas, têm a certeza que é esta a categoria?

Palpita-me que o autor de tais classificações deverá ter ajudado o Antero Henriques a escolher os reforços azuis ou então escreve os discursos do Bruno de Carvalho. Apostaria nesta última.

Bom, basicamente, ninguém entra em campo para perder – excepto os lesados do NES: Nuno Espírito Santo. Por isso, não tenho intenção de largar o primeiro lugar até ao fim da liga, embora a diferença seja feita pelo treinador e, nessa área, temos nada mais, nada menos do que o special one do superior. Sim, meu caro JJC, nem imaginas como adorei voltar a escrever sobre bola no Aventar. É um gosto tão grande puxar por todo o teu mau feitio, por toda a tua azia nas derrotas que te acompanham. É bom ver-te perder e poder adivinhar que depois da última, outras se seguirão.

Portantus pá, puxa aí da tua caneta e mesmo que possas vir a recorrer à assinatura de qualquer um dos incompetentes escribas azuis que por aqui andam, incluindo os das camadas jovens, nem penses em faltar a esta provocação. Os vermelhos, como bem sabes, querem o acordo em todo o lado. Ou em lado algum. São meninos para exigir que, um dia destes, o JJ faça uma conferência de imprensa em português, imagina tu. Sim, com os vermelhos não podemos contar porque de bola, percebem bola – como o Luis Filipe Vieira, aliás.

Em todo o caso, há por aqui gente azul que, devidamente picada era capaz de nos levar ao título, na tal meia final contra os talões do continente e a startup com putos americanos no cabeçalho. Pancada no adversário sempre foi uma marca da tua escrita – lembras-te daquele dia em que os jogadores do Porto correram atrás de um arbitro? Foi neles que me inspirei para escrever este parágrafo.

Mas, verdadeiramente, o que eu queria escrever é que tenho muitas saudades tuas. E, contigo vamos ganhar!

 

 

Prémios Blogs do Ano – Aventar nomeado para a categoria “Política, Economia & Finanças”


nomeado_categorias_politica

Votar no Aventar | Conhecer o Aventar

O Aventar foi nomeado para votação no “Prémio Blogs do Ano”, na categoria “Política, Economia & Negócios”.

[Read more…]

Aventar, 7 anos

aventar 2-4-2016

Cai neve em Nova Iorque, chove em Aveiro e correm sete anos de Aventar. Nada a ver? Pois claro, porque se fosse a sério faríamos um congresso.

Mesmo assim, há momentos que precisam de seriedade, como numa certa noite de Março de 2009, quando a rotativa do Aventar entrou em movimento. 28,535 posts e 13 milhões de visitas depois, vamos andando por aqui.

Obrigado a quem tem tido a paciência de passar por cá, razão de ser de toda a escrita.
[Read more…]

O papel das regiões, as regiões em papel

Os blogues são filhos do papel. Muitas vezes, filhos do papel de jornal. Mesmo sabendo que as relações entre pais e filhos sofreram mutações, continua a ser de bom-tom ter uma palavra simpática sobre os progenitores e ajudá-los sempre que possível.

[Read more…]

Ode à alegoria

Faço parte de um grupo de amigos que se senta há vários anos na mesma mesa. Os nossos objectivos são nobres: beber uns copos, dizer umas larachas e resolver os problemas do mundo e da humanidade no meio de debates e discussões que, por vezes, fazem com que nos zanguemos e em que, muitas vezes, dizemos coisas surpreendentemente profundas, tendo em conta a nossa reduzida ambição.

No café que frequentamos, há outros clientes que acabam por ouvir o que dizemos, porque, confesso, falamos um bocado alto. De outras mesas chegam-nos, com relativa frequência, vozes simpáticas e, de vez em quando, há um ou outro provocador que passamos a ignorar, porque, já se sabe, pode acontecer que, num estabelecimento como este, haja sempre quem tenha mau vinho ou maus fígados.

Não pertenço a este grupo desde o princípio. Trouxe-me um amigo. Aqui encontrei outros amigos e, desde então, rio-me, zango-me, discuto, provoco, sou provocado e aprendo muito. Sinto-me bem aqui. Foi, aliás, nesta mesma mesa, que atingi vários momentos de realização pessoal, o que diz muito do poder de uma mesa de café ou de um grupo de amigos. [Read more…]

Nova política de comentários – actualização

Há uma semana decidimos que quem comenta no Aventar teria que estar registado e ter sessão iniciada. Optámos por um processo em duas etapas, sendo a primeira delas activar a opção de ter o primeiro comentário autorizado no WordPress e a segunda etapa a obrigatoriedade de ter sessão iniciada num dos serviços WordPress, Facebook, Twitter ou Google+. Era claro que, para controlar o SPAM, seria preciso activar esta segunda opção e este é o momento de o fazer.

Ou não.

Durante esta semana ouvimos os leitores. Sabíamos que era uma opção que não seria do agrado de todos, mas concluímos que também não era do nosso agrado. Nós somos as escolhas que fazemos e escolhemos não mudar por causa do lodo onde um ou outro se sente à vontade. A porta da mudança não está fechada, mas se a reabrirmos, há-de ser por uma razão que mereça a nossa atenção.

Quem quiser comentar continuará a não precisar de fazer registo algum nem de ter um comentário previamente aprovado. Sujeitar-se-á, no entanto, às regras da casa que têm acompanhado a existência do Aventar: netiqueta e gestão de comentários da responsabilidade de cada autor, dentro dessas mesmas regras.

comentario

Nova política de comentários

Desde 2009, o Aventar tem sido um espaço de ampla liberdade. Ao fim de quase 7 anos, temos 120 mil comentários publicados por milhares de leitores, ocasionais ou «permanentes» – os da casa. Ao contrário de outros blogues, os comentários no Aventar não são moderados, ou seja, são publicados imediatamente.
O problema começa quando algumas pessoas não conseguem entender que um espaço de liberdade pressupõe sempre a equivalente dose de responsabilidade naquilo que se publica. Não é por termos liberdade de publicar que vamos desatar a insultar tudo e todos ou alguém em particular. Não é uma situação nova, sempre aconteceu, mas nos últimos tempos tem sido demais.
Para grandes males, grandes remédios. A partir de agora, os comentários continuarão a não ser moderados, mas os utilizadores têm de estar registados e ter sessão iniciada para poderem publicar comentários. Ou seja, quem comenta terá que usar a sua conta wordpress, twitter, facebook ou google para o fazer. O seu primeiro comentário terá que ser aprovado pelo Aventar, mas os seguintes serão publicados automaticamente.
É caso para dizer que por uns pagam todos. Há a esmagadora maioria que comenta normalmente, mas depois há os trolls. Meia dúzia de artistas que inventam um nome tipo «És um porco» e um mail do género «wehgherucnrfhdrcjdrm@gmail.com» e que, a partir daí, proferem os insultos mais soezes sob a capa do anonimato – ah, como é fácil, seus artistas, insultar atrás do teclado. Na vez seguinte, inventarão outro nome e outro mail e por aí fora.
Não vão desaparecer – a obsessão da trollice vai levá-los a criar mails em barda apenas para poderem continuar a actividade – mas vão ter a vida mais difícil. E todos nós, da comunidade Aventar, vamos sentir o ar menos poluído.
Esperamos a vossa compreensão.

Resultados da sondagem Aventar – O que é que Cavaco vai fazer?

sondagem cavaco legislativas 2015

909 votos, com um 51% deles a apontarem para a opção que Cavaco tomou. Foi um bom barómetro.

 

Falar contigo era melhor

Há coisas que acontecem só para que se cumpram profecias.

Hoje na terra dele, Coimbra essa, um grupo de aventadores ponto eu (que bonito escrito assim) juntaram-se para uma homenagem. À tua memória parvalhão. Porque é que o poder de convocatória aumenta com a morte é um mistério insondável para mim.

Nunca tinha estado lá (cá). No aventar quase só naveguei contigo e agora aparece-me mais. Agora que já não estás (será que é por isso?) não há tempo a perder.

Neófito e caloiro. Nas lógicas iniciáticas os que chegam depois ficam sempre à mercê dos circunstantes. Coisas de chegar tarde? O almoço (encontro) foi bonito. Foi não foi? “Para os camaradas e para os outros” repetia  uma voz que amava repetir-se sem saber. E era bela.

Já quase no fim eles chegaram e tiraram-nos fotografias. Como se tivéssemos estado sempre juntos.
– João, foi um belo dia de novembro este. Podias cá ter estado. Não tinhas perdido nada.

Aí do outro lado como é?  Estamos todos curiosos para saber como “te las arreglas sin nosotros”?  Mas deve ser uma grande folia à mesma.

Sabes?… falar de ti tem sido bom. Mas falar contigo era melhor.  [Read more…]

“Até um dia destes, homem bom.”

JJ_Cardoso
Carlos Fonseca no seu Solos sem Ensaio.

Umbiguismo aventar, 6 anos

dente-de-leao

2015 já vai a mais de meio, a silly season ainda dura e é moda falar de números. Oportunidade, portanto, para um breve balanço do Aventar. É umbiguismo, sim, mas é também uma forma de dar a conhecer alguns dados que, habitualmente, só estão disponíveis para os autores.

Durante os últimos 5 anos, período para os quais temos estatísticas, tivemos mais de 4.5 milhões de leitores únicos, os quais visitaram cerca de 10.9 milhões de páginas e escreveram  80.579 comentários referentes a 26.478 posts. Ao longo deste período, muitos foram os artigos que atingiram níveis de partilha notáveis, dos quais destacamos alguns mais abaixo.

Mas o Aventar não é só posts.

[Read more…]

Almoço Aventar de aniversário, 2015

Dizem que foi o mais concorrido de sempre. E foi no Porto.