Os bufos ordinários

Bufo real

A bufaria está aí, já há novamente coragem ( credo!) para se fazerem primeiras páǵinas de jornais com “notícias” encomendadas, não notícias, e outras coisas que cheiram muito mal. Podem crer que quando se perde o respeito a quem manda, quando investigados e investigadores são irmãos gémeos, a soma é igual a zero.

É neste contexto que aparecem os bufos, fazem de conta que estão muito bem informados que sabem coisas que mais ninguem sabe, os mails privados andam numa roda vida, os telefones estão sob escuta, se não houver nada, pode-se sempre dizer que o gajo tem uma amante ou coisa que o valha. Mas o bufo tem sempre alguem que espera alguma coisa dele e ele, o bufo, não aguenta sem fazer o serviço ao seu senhor, que lhe paga as contas. Mesmo que o seu senhor não queira nada, ou pelo menos que espere que tenha cuidado, o bufo, não aguenta, informa, telefona, olha pelo buraco da fechadura, para onde vou eu se me tiram o tacho? Como se vão lembrar de mim se não der nas vistas?

Quando se abriram os ficheiros da PIDE lá estavam as informações, cartas miseráveis, gente sem o mínimo do decoro, capazes de usarem documentos pessoais roubados ou inventados para agradar a quem, na maior parte das vezes, mesmo PIDE, lhe tinha um asco assinalável.

A bufaria aparece quando o grande irmão se torna omnipotente e omnipresente, tudo sabe, tudo controla, todos dependem de si, directa ou indirectamente, a pessoa deixa de ser um ser humano para ser um contribuinte, um eleitor !

É a isto que o PS nos leva, quem não se portar bem leva com a bufaria, não andamos todos a bufar contra os boys ? O que nos impede de informar a PGR em vez de bufar? Com nome, morada e provas?

É fácil bufar, tão fácil que até se exorbita na encomenda!

Afinal, Roma paga aos traidores

O nosso JJC já abordou o tema. Na blogosfera muito se escreveu, hoje, sobre a matéria. Não podendo destacar todos, fico-me por dois exemplos: o do Gabriel e o de Eduardo Pitta. Concordando em absoluto com o aventador JJC e com o blasfemo Gabriel, permitam-me que reproduza o Eduardo Pitta, de uma clareza extraordinária:

Milhares de e-mails privados, trocados a partir do fim de Julho do ano passado entre os 40 colaboradores do SIMplex, chegaram às mãos de meia dúzia de jornalistas, por intermédio de um professor de economia da Universidade Católica do Porto, de seu nome Carlos Santos, também colaborador daquele blogue de apoio ao PS. Entretanto, o referido professor tornou-se colunista do jornal i. Ao contrário da lenda, Roma sempre pagou a traidores.

Hoje, o jornal i publica aquela que é, porventura, a manchete mais asinina do jornalismo português. Não quero acreditar que o jornal onde Ana Sá Lopes trabalha, onde escreve tanta gente respeitável, possa dar guarida a comportamentos julgados extintos. A peça de Paulo Pinto Mascarenhas mistura falsidades com insinuações torpes, repescando um assunto encerrado em Outubro de 2008, quando o DIAP, depois de visionar o conteúdo do blogue, arquivou a queixa de Paulo Macedo, antigo director-geral dos Impostos e actual administrador do Millennium BCP, contra «desconhecidos».

Face a uma não-notícia, PPM revela publicamente a identidade de alguém que tem o direito a escrever sob pseudónimo. [Read more…]

Bufos (III)

A Carlos Vidal deu-lhe para crismar  Orwell de bufo. Orwell, companheiro de Andres Nin, assassinado pelos esbirros de Estaline. Bufo. Pois. De bufaria percebe bem o PCP que Vidal defende com a fé de uma varina em Nossa Senhora dos Milagres na hora de um naufrágio. Ora vejam (este exemplo é um clássico, a crer na denúncia de alguns anarco-sindicalistas e que não anda muito estudade, insere-se numa tradição que remonta à fundação do próprio partido):

Cuidado com Eles, Avante nº 349, Dez 1964

Bufos (I)

Bufo-real (Bubo bubo)

Depois do polvo, hoje é dia do bufo.

A maior das rapinas nocturnas portuguesas, o bufo-real é uma das espécies mais cobiçadas pelos observadores de aves, mas nem sempre é fácil de encontrar.

Enorme, com os seus 60 cm de tamanho o bufo-real é inconfundível.

Possui dois penachos sobre a cabeça, que fazem lembrar duas “orelhas”. Os olhos, muito grandes, são cor-de-laranja.

O seu canto “Uhu” pode ser ouvido a vários quilómetros de distância.

Tal como a maioria das outras rapinas nocturnas, o bufo-real raramente aparece de dia, o que torna a sua observação bastante difícil e pode dar a ideia de se tratar de uma espécie muito rara. Contudo, esta espécie não é especialmente rara e pode mesmo ser encontrada com regularidade em certas zonas no interior. No entanto, devido aos seus hábitos nocturnos é mais facilmente ouvida que vista. A sua actividade vocal é mais intensa nos meses de Inverno (particularmente de Novembro a Fevereiro).

Aves de Portugal