Afinal, Roma paga aos traidores

O nosso JJC já abordou o tema. Na blogosfera muito se escreveu, hoje, sobre a matéria. Não podendo destacar todos, fico-me por dois exemplos: o do Gabriel e o de Eduardo Pitta. Concordando em absoluto com o aventador JJC e com o blasfemo Gabriel, permitam-me que reproduza o Eduardo Pitta, de uma clareza extraordinária:

Milhares de e-mails privados, trocados a partir do fim de Julho do ano passado entre os 40 colaboradores do SIMplex, chegaram às mãos de meia dúzia de jornalistas, por intermédio de um professor de economia da Universidade Católica do Porto, de seu nome Carlos Santos, também colaborador daquele blogue de apoio ao PS. Entretanto, o referido professor tornou-se colunista do jornal i. Ao contrário da lenda, Roma sempre pagou a traidores.

Hoje, o jornal i publica aquela que é, porventura, a manchete mais asinina do jornalismo português. Não quero acreditar que o jornal onde Ana Sá Lopes trabalha, onde escreve tanta gente respeitável, possa dar guarida a comportamentos julgados extintos. A peça de Paulo Pinto Mascarenhas mistura falsidades com insinuações torpes, repescando um assunto encerrado em Outubro de 2008, quando o DIAP, depois de visionar o conteúdo do blogue, arquivou a queixa de Paulo Macedo, antigo director-geral dos Impostos e actual administrador do Millennium BCP, contra «desconhecidos».

Face a uma não-notícia, PPM revela publicamente a identidade de alguém que tem o direito a escrever sob pseudónimo.

Também não compreendo que haja bloggers a gozar (em privado) com o pagode, sem reagir à ignomínia do antigo assessor de Paulo Portas, doublé de jornalista. Neste vazadouro ninguém se safa. Hoje foi o Victor Sancho, amanhã será quem?

Ler aqui o esclarecimento do autor do blogue O Jumento.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Quem teve a escola de PPM nunca esquece…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.