Bilhete do Canadá – Notícias e comentários

aventar news

Maria Luís Albuquerque – “Se eu fosse ministra, Portugal não sofreria sanções”.
É um argumento de pátio, varinesco que fede. Traduzido, quer dizer: chamo antes que me chamem.  Porque, como todo o país sabe e a UE não ignora,  quem criou uma situação passível de sanções  foi ela mesma, com o pleno apoio do governo a que pertenceu.  A pandilha da UE resolveu virar o  bico ao prego, usando esta ameaça para  tentar denegrir o governo actual. E, claro, está a contar com o apoio de Maria Luís, Passos Coelho,  Montenegro, Nuno Melo. Cristas, Rangel, etc., capachos onde Schäuble e Merkel limpam os sapatos.

Comissário europeu avisa: fundos estruturais podem ser congelados a Portugal.
Mais um cachorro amestrado da matilha que os dirigentes da Alemanha aconchegam e nós pagamos.

Miguel Relvas perdeu o curso por decisão do tribunal.
Não perdeu a vergonha porque nunca a teve.  O mesmo se diga de quem dirige a Univ. Lusófona:  fez o que fez pelo “irmão da loja” e teve o despudor de anular 150 cursos obtidos da mesma forma.  E não há ninguém que feche essa chafarica. E outras. [Read more…]

O rapaz esquecido

Lá fui para mais um dia de uma primavera que teima em se esconder atrás do cinzentismo coerente com os nossos governantes. Percorri, como sempre, os segundos que separam o mais novo de casa. “Até logo pai“, ouvi eu lá ao longe, depois de um beijo que não quero perder. Mas hoje, perdi. Perdi porque o Fernando Alves roubou-me o exercício da paternidade quando me levou para a noite, longa, de quase 40 anos, do esquecimento do José Alves Costa.

Ele que, bem vistas as coisas, FEZ o 25 de abril.

Em lágrimas pensei no meu Pai.

Também nunca mais voltou a Lisboa e nunca mais voltará. Temo, pois, o que irá sentir José Alves Costa quando voltar a Lisboa – olhar para o Tejo e perguntar: valeu a pena? Foi por isto? Para isto?

Para ler hoje no Público.

Sinais preocupantes de um país a desnascer

Entre os anos 30 e 50 do século passado, a minha avó Maria teve 13 filhos. Três deles morreram à nascença ou nos dias seguintes, apesar de tanta experiência acumulada nela, à conta dos seus e dos partos das outras mulheres da terra. Um pouco mais tarde, na aldeia vizinha, a minha avó Leontina deu à luz dez crianças, sendo que a penúltima engrossou a monstruosa taxa de mortalidade infantil que, naquele tempo, não (se) contava. Mas a mim contaram-me elas as histórias das outras mulheres que perderam tantos filhos, num tempo em que o médico ainda se deslocava a cavalo entre as aldeias. Sem assistência alguma durante a gravidez e os partos, as mulheres experimentavam a fé e a sorte na sobrevivência familiar.

Depois veio o Serviço Nacional de Saúde, os avanços da medicina, o progresso possível num Portugal que, aos poucos, foi sendo ligado entre si por vias diversas de comunicação. E as reduzidas taxas de mortalidade infantil iam orgulhando o mesmo SNS, equilibrando assim, na balança dos números, os sinais preocupantes da demografia e da taxa de natalidade. [Read more…]

PS, os carros, os burros e a demagogia

A demagogia tem um preço e, mais cedo do que tarde, chegará a factura para pagar – Será necessário voltar aos livros de história para ver o que aconteceu com a Iª República?

O parlamento português tem 230 deputados eleitos por 9621076 eleitores, ou seja, cada 41830, 77 eleitores faz eleger  um deputado. No entanto, este ratio é muito desigual na sua distribuição geográfica: em Lisboa menos de 40 mil eleitores fazem eleger um deputado, enquanto em Bragança são necessários mais de 51 mil, enquanto no círculo fora da Europa só mais de 60 mil eleitores garantem a eleição de um representante.

Um exercício simples seria tentar perceber o que aconteceria com uma redução do nosso parlamento para, por exemplo, cem deputados.

Obviamente o ratio entre eleitos e eleitores vai aumentar – cada deputado seria eleito, em média por 96210, 8 eleitores.

E os números também mostram que os distritos menos povoados seriam os mais afectados pela diminuição de lugares na casa da democracia: [Read more…]

Boas Notícias, Más Notícias

Não tinha reparado que sendo hoje o primeiro dia do Ano seria totalmente impróprio dar más noticias , até porque a litania das queixas que aqui se ouvem  só difere das daí em grau e certamente não na natureza . Portanto vamos às boas  que são no entanto  poucas ,  mas nestes tempos as pessoas agarram-se a qualquer coisa , o que é preciso é fortalecer o animo . Não é por acaso que o slogan da 2ª Guerra  “Keep calm and carry on “ ganhou novamente uma inusitada popularidade.

Como boa noticia não me refiro obviamente às previsões da Goldman Sachs que dão a Grã-Bretanha a ultrapassar a Alemanha, o Japão e a França em riqueza criada. Nesta época festiva é normal que some people have a few too many, e por isso há que tomar estas noticias with a pinch of salt (and a couple of Alka-Seltzers ) .

Refiro-me sim  ao facto de que a Justiça Britânica estar em vias de se tornar uma das maiores exportações do RU. Pode estar perto o dia em que este país deixe de depender inteiramente da City e isto porque   muitos oligarcas russos  e não só   vão escolhendo  os nossos até aqui sorumbáticos tribunais para dirimir os seus pleitos de biliões . Só a acção que opõe Roman Abramovitch  (o dono do Chelsea ) a Boris Berezovsky vale seis , e com o fim ainda longe já rendeu  110 milhões de Libras aos cofres públicos .  Está agendada outra, esta contra Oleg Deripaska, o magnate do alumínio , que vale quase três biliões . Mas em breve a High Court em Londres será o palco da luta ( jurídica entenda-se ) entre Lev Leviev , o “rei” dos diamantes e Arkady Gaydamak que já foi dono do Portsmouth Football Club ;  mas desta não digo o valor para não vos fazer a cabeça andar ainda mais à roda .

[Read more…]

Sair e aterrar no mundo das notícias

Tenho andado arredado de noticiários e jornais. Provavelmente sem perder nada de especial; e ganhos certamente também não teria.

A respeito de impostos e reduções de rendimento, já estava informado. De resto, até fixei na porta do frigorífico o calendário fiscal para 2012. Ao estilo dos lembretes domésticos; ou se se preferir, ao jeito da decoração da cabine de um  qualquer camião TIR. Sem, obviamente, a pornográfica loura de avultadas “red lights”. Haja decência! A ética do lar é implacável e optei por calendário com fotos do Coelho e do Gaspar.

Todavia, e sem usar a económica do ‘Falcon’,  voltei a aterrar no mundo das notícias.  Vi a TV. Falou-se do descontentamento do Nick Clegg em relação à posição do Cameron na cimeira europeia. Anunciou-se e exibiu-se mais isto e aquilo. Notícias para encher o ‘prime-time’ do telejornal. Sem novidades, nem “cachas”.

No fundo, quem animou a minha jornada das notícias televisivas foi o Alberto João, no jantar de Natal do PSD-Madeira. O homem, como sempre, empolgou umas centenas de militantes. Elas e eles riam, babavam-se, pulavam e erguiam os braços,em patética celebração do discurso do grande líder madeirense. Emocionei-me com aquela gente e à memória saltou-me um pequeno poema de Bocage:

O Macaco Declamando

Um mono, vendo-se um dia
Entre brutal multidão,
Dizem que lhe deu na cabeça
Fazer uma pregação.
Creio que seria o tema
Indigno de se tratar;
Mas isto pouco importava,
Porque o ponto era gritar.
Teve mil vivas, mil palmas,
Proferindo à boca cheia
Sentenças de quinze arrobas,
Palavras de légua e meia.
Isto acontece ao poeta,
Orador, e outros que tais;
Néscios o que entendem menos
É o que celebram mais.

Para quem tem andado arredado do que se vai noticiando nestes últimos dias, não poderia ter tido regresso mais auspicioso e intrigante. Como é que Bocage, há cerca de 200 anos, profetizou Jardim e apoiantes?

Excesso de informação ou quando o trigo é ainda demasiado para se consumir tudo

relogio_2507

O problema não é novo mas ameaça agudizar-se. Somos cada vez mais vítimas do excesso de informação. Vítimas mas também criminosos, quando nos colocamos na situação de produtores de conteúdos.

Todos os dias consumimos e produzimos muita informação. Sejam notícias lidas em jornais e revistas, de papel ou online, publicações de episódios da vida de ‘amigos’ no Facebook ou outras redes sociais, além de comentários a fotografias, dos vídeos que partilharam e demais informações, tweets da comunidade que ‘seguimos’, post em vários blogues, sejam dos informativos ou opinativos.

Todos os dias, a todas as horas, produzem-se milhões de conteúdos novos. Acompanhar tudo é impossível. Claro que a primeira tarefa é separar o trigo do joio. O problema está em quando mesmo o trigo que resta é demasiado para ser consumido.

Jornal de quê?

Capa do JN (07-07-2010)

Parece que se chama “Jornal de Notícias“.

E parece que ninguém duvida da sua história, grandiosidade, rigor e influência no panorama da imprensa nacional.

Eu, pelo menos, não duvido. Ou melhor, não duvidava. É que a ver pela capa da edição de hoje, pergunto-me quais os critérios de selecção das ditas “notícias”.

[Read more…]

Os bufos ordinários

Bufo real

A bufaria está aí, já há novamente coragem ( credo!) para se fazerem primeiras páǵinas de jornais com “notícias” encomendadas, não notícias, e outras coisas que cheiram muito mal. Podem crer que quando se perde o respeito a quem manda, quando investigados e investigadores são irmãos gémeos, a soma é igual a zero.

É neste contexto que aparecem os bufos, fazem de conta que estão muito bem informados que sabem coisas que mais ninguem sabe, os mails privados andam numa roda vida, os telefones estão sob escuta, se não houver nada, pode-se sempre dizer que o gajo tem uma amante ou coisa que o valha. Mas o bufo tem sempre alguem que espera alguma coisa dele e ele, o bufo, não aguenta sem fazer o serviço ao seu senhor, que lhe paga as contas. Mesmo que o seu senhor não queira nada, ou pelo menos que espere que tenha cuidado, o bufo, não aguenta, informa, telefona, olha pelo buraco da fechadura, para onde vou eu se me tiram o tacho? Como se vão lembrar de mim se não der nas vistas?

Quando se abriram os ficheiros da PIDE lá estavam as informações, cartas miseráveis, gente sem o mínimo do decoro, capazes de usarem documentos pessoais roubados ou inventados para agradar a quem, na maior parte das vezes, mesmo PIDE, lhe tinha um asco assinalável.

A bufaria aparece quando o grande irmão se torna omnipotente e omnipresente, tudo sabe, tudo controla, todos dependem de si, directa ou indirectamente, a pessoa deixa de ser um ser humano para ser um contribuinte, um eleitor !

É a isto que o PS nos leva, quem não se portar bem leva com a bufaria, não andamos todos a bufar contra os boys ? O que nos impede de informar a PGR em vez de bufar? Com nome, morada e provas?

É fácil bufar, tão fácil que até se exorbita na encomenda!

Noticias boas para nós

Grécia salva da falência, não há riscos na zona euro

Peritos franceses da escola de Paris de Ciências Politicas, OFCE, como Francesco Saraceno afirmam que hoje não há risco algum de banca rota na” zona euro” , o que é uma boa noticia para os portugueses também .
O que é preciso é retirar as lições do caso grego, e isso significa que a Europa precisa de um governo económico forte .
A Grécia cuja situação vai ser desbloqueada graças à Alemanha estava em dificuldades por causa de comportamentos irresponsáveis que chegaram a levar a falsificar contas públicas, que com a crise se agravaram muito mais ,quando se viu a braços com ataques especulativos muito fortes. [Read more…]

Como se inventam notícias

Hoje os jornais e televisões arranjaram uma notícia que diz tudo dos métodos a que estes senhores da Comunicação Social, recorrem, para vender .

 

O José Godinho, o preso, esse, ganhou seis concursos públicos lançados pelo exército.

 

É óbvio que estes concursos públicos para terem resultados agora, foram lançados há vários meses atrás, quando não havia "Face Oculta" nem o Godinho estava arguido, nem acusado e muito menos preso. Depois, quem concorre, são as empresas e não o sr. José Godinho, entidades distintas. Como lembra, aí em baixo o José Magalhães, as empresas sucateiras continuam a precisar de fazer negócios, pois têm vencimentos para pagar.

 

Mas, os senhores jornalistas, usam mais crimes para fazer notícias do que os crimes que supostamente noticiam. É que agora já aí temos os gentios a dizerem que até o exército…

 

No entanto, esta falsa notícia não tem castigo e percebe-se bem porquê. Alguns agentes da Justiça precisam dos jornalistas e estes precisam de vender papel para ganhar a vidinha, e portanto, tudo isto é um círculo mafioso em que notícia encobre o que importa e lança suspeitas. O sr Godinho ganhou? ah! aí está mais uma "Face Oculta"!

 

Difamações que deviam envergonhar estes senhores que se dizem jornalistas, que se humilham, diariamente, a fazer fretes.

 

Bastava falar, previamente, com um representante do exército, não era?

 

O Homem Que Mordeu O Cão

.

A NOTÍCIA

.

Não é ofensa, o título desta crónica. Longe de mim chamar cão ao agente da autoridade. Mas, neste caso a notícia está, não na resistência do condutor à prisão, nem o facto de o agente da autoridade entender que o deveria deter. A notícia, verdadeira e bizarra, está na forma como o homem, alcoolizado, resistiu à detenção. O individuo mordeu a perna do polícia.

Parece que o malandro, já tinha tido actuações idênticas noutros encontros com as autoridades.

Como aparte à notícia, soube-se que a mordidela foi de tal forma que o agente da PSP, teve de ser tratado no hospital.

Ele há cada um!

.