Erro na entrega do IRS dá multa até 3.750 euros?

Esta é uma daquelas notícias a requerer esclarecimentos urgentes, uma vez que começa a haver sinais algo preocupantes de que a Autoridade Tributária utiliza a iliteracia fiscal e digital dos contribuintes para exponenciar a sua receita de modo, no mínimo, questionável.
O contribuinte talvez deva declarar com presteza e transparência as viagens que faz a expensas de empresas privadas da indústria energética com as quais mantém relações tutelares, mas não lhe pode ser exigido que conheça em detalhe o inextricável labirinto das declarações de impostos digitais e respectivos anexos, declarações essas que, por vezes, parecem desenhadas para, justamente, provocar o erro.

Este governo está a cumprir um importantíssimo papel na recuperação da dignidade do país e das pessoas que o habitam, sendo quase todos os dias atacado por uma comunicação social hostil e apostada em dificultar a sua missão. Esta notícia poderá ser, eventualmente, mais um desses casos mas, dada a sua gravidade, merece desmentido categórico.

Banif: o resgate que se segue

Uma pastilha elástica Happydent custa, no café da minha rua, 10 cêntimos. Com o mesmo valor, podia na Segunda-feira ter comprado 166 acções do Banif (0,0006€/unidade) e ainda levava para casa algumas fracções de cêntimo. A queda vertiginosa aconteceu no dia em que a TVI anunciou o encerramento do banco que durante anos financiou o megalómano regime jardinista.

O banco reagiu, desmentindo categoricamente qualquer possibilidade de perdas para depositantes e accionistas, com o CEO Jorge Tomé a vir a terreiro para informar as massas de que o banco se encontra numa situação de “liquidez confortável” (para mais tarde recordar), mas a verdade é que a desvalorização bolsista do Banif é um sinal preocupante que não surgiu agora. Se ontem podíamos adquirir 166 acções pelo preço de uma pastilha elástica, poucas semanas após as Legislativas já era possível trocar um café por 250 (0,0026€/unidade) acções do Banif. [Read more…]

Cavaco: entre o delírio e a inspiração divina

Cavaco desfocado

A minha dúvida relativamente a Cavaco Silva é se existe algum tipo de estratégia por trás de declarações deste nível de inconseguimento  ou se se trata apenas de perda progressiva de lucidez. Apesar de ambas as opções me parecerem válidas, estou mais inclinado para a segunda, até porque momentos de falta de lucidez são coisa a que o senhor Aníbal nos vêm habituando. Claro que, entre o batalhão de assessores e restantes membros da sua dispendiosa corte, alguém o deveria ter avisado que o Passos e Maria Luís já tinham informado o país sobre a inevitabilidade do efeito BPN sobre os contribuintes. A menos que Nossa Senhora de Fátima lhe tenha aparecido e revelado que estaria pronta para inspirar uma solução alternativa. Não seria a primeira vez que a sua inspiração intercedia por nós. Afinal de contas, ontem foi 13 de Outubro

Podem sempre pedir um parecer à Sérvulo & associados

Supremo confirma que nota de cobrança de IMI não cumpre a lei