A crise vista da Alemanha

A Helena é uma portuguesa há muitos anos a viver na Alemanha, é dá-nos no 2 Dedos de Conversa a visão de quem lá está. A leitura deste artigo parece-me muito proveitosa para entendermos o assado onde estamos metidos.

Não concordo com ela, e muito menos com os portugueses que aqui também acreditam no discurso medinocarreirista, deixo de lado a questão das dívidas históricas da Alemanha, e retenho o que me parece fundamental: se em Portugal, ou na Grécia, muitos não percebem que por cada euro recebido apenas 19 cêntimos são utilizados pelo estado grego e que na prática as ditas ajudas vão direitinhas para os bancos, na Alemanha muito menos se entenderá o mecanismo da crise. Da crise dos banqueiros e da forma ardilosa como, eles sim, estão a ser ajudados, à custa da destruição da economia dos países que levaram com a especulação em cima, da crise que nenhuma austeridade pode resolver porque impede quem a aplica de pagar dívida alguma. [Read more…]

UE – efeito dominó

A diferença :

Os políticos que nos levaram ao atoleiro querem seguir a seguinte estratégia:

Pedir créditos para evitar a bancarrota, poupar, cortar despesas, etc. Resultado: poupa-se alguma coisa nas despesas de estado mas a falta de qualquer mensagem de nova fé, esperança e motivação junto do povo fazem encolher tanto as receitas externas (exportação) como internas (impostos). É como uma empresa que entra em dificuldades e recebe um emprestimo bancário sem contudo mudar a a sua estratégia de negócios. Com a falta de mudança de estratégia o efeito dominó é despoletado e a bancarrota é quase uma certeza.

A estratégia proposta por mim.

Implementar desde já as medidas acima referidas absolutamete necessárias para evitar a ruptura de tesouraria. Ao mesmo tempo iniciar e publicar uma mudança de estratégia (New Deal) capaz de criar novas expectativas, nova fé, esperança e motivação para o povo saber que os sacrifícios são apenas passageiras e que o sacrifício vale a pena e é um bom investimento. Assim se geram novas receitas a nível interno e externo. Essa nova estratégia deverá incluir entre outras medidas uma radical reforma fiscal – dica: flat tax.

Rolf Damher