Farpas – O feirante Berardo

“Ofereci 500 mil contos pelo Pinto da Costa” – Disse o comendador Joe Berardo.

Ninguém me convence que este senhor não tenha ganho tudo o que exibe em obras de arte moderna, e em acções e outros investimentos a enganar tolos na “feira”.
Nem mesmo a dislexia crónica lhe trava a diarreia verbal, e toca a esbanjar o precioso silêncio, soltando barbaridades de meter dó. Como esta: “Ofereci… (milhares de contos) a Pinto da Costa para vir dirigir o Benfica”. E termina com esta obra-prima: “ O meu objectivo era LIXAR o Porto”. Tal e qual! Como se o Presidente do F.C. do Porto fosse um quadrúpede qualquer, como os que se vendiam e compravam nas feiras, antigamente. Mas até se entende o disparate: Berardo é mesmo um talentoso feirante. Para ele, Pinto da Costa ou um qualquer maronês são feitos da mesma substância que ele próprio.

Cunha Ribeiro

Homenagem ao SL Benfica

O SL Benfica é o maior clube português. Para além de ser, embora com uma curta distância, aquele que detém mais títulos no futebol (entre os quais se incluem os 29 títulos de Campeão Nacional contra os 24 do FC do Porto – não 32 contra 25, como a imprensa gosta de dizer), é também o que tem mais adeptos espalhados por todo o país. Graças, sobretudo, aos espantosos anos dourados de Eusébio e Companhia durante os anos 60 e 70.
Desde miúdo, aprendi a ver no SL Benfica o rival maior do meu FC do Porto. O meu clube, quando comecei a gostar de futebol, tinha apenas 5 títulos de Campeão Nacional – o último tinha sido conquistado 11 anos antes de eu nascer.
A partir de finais dos anos 70, com Pedroto e Pinto da Costa ao leme, tudo mudou. O FC do Porto começou a ganhar títulos e a rivalizar com o SL Benfica. A chegada à Final da Taça das Taças em 1984 e a vitória na Final da Taça dos Campeões Europeus em 1987, no Prater, foi o culminar desse processo e, no fundo, significou a passagem de testemunho em termos de hegemonia do futebol português.
Habituei-me a ver no Benfica um adversário digno e merecedor do maior respeito. Desejando que perdesse sempre nas provas nacionais, claro, mas nunca deixando de reconhecer o seu valor. Com Luis Filipe Vieira, numa linha que já vem desde Vale e Azevedo, percebi que, afinal, há um benfiquinha capaz de imitar o pior de um portinho que, infelzimente, também existe. Percebi que uma certa gente do Benfica entende desde há algum tempo que a melhor forma de combater o FC do Porto é imitar os discursos, as atitudes e os métodos de Pinto da Costa. [Read more…]

6 Milhões de benfiquistas? – Quero a lista

A mentira, sucessivamente repetida, acaba por transformar-se em verdade; é a conclusão que extraio da mensagem propagandística do Benfica ser o maior clube do Mundo, sustentada no argumento de contar com 6 milhões de adeptos e propalada incessantemente por Luís Filipe Vieira e fiéis seguidores da religião encarnada.

Reagi sempre com desconfiança a este tipo de propaganda, mas, diga-se também, nunca encarei o exagero com especial preocupação; ainda mais sendo sócio do Belenenses, clube em vias de extinção. Ao contrário do que pode pensar-se, não sofro pelo meu clube um desgosto insanável. São as fatalidades da vida e do mundo actual, futebol incluído, com as quais tenho de conformar-me.

Regressemos, pois, ao tema Benfica. Hoje, notícias que focam a dimensão de clubes de futebol, a nível mundial, avivaram-me na memória a propaganda centrada nos tais 6 milhões de benfiquistas, número bem redondo e que serve de argumento à classificação do Benfica como o maior clube do planeta – e arredores, acrescento eu.

Com efeito, a Delloite através de relatório anual acaba de divulgar a lista dos 20 maiores clubes do mundo em termos de receita, Money Football League , onde, naturalmente, deveria constar o Benfica – as receitas, penso eu, são função do número de adeptos, sucessos desportivos e dos ‘cachets’ televisivos baseados em indicadores de audiência. “Cadê o Benfica?”, interroguei-me ao constatar que o glorioso não constava da lista – o Real Madrid é o líder e o modesto Newcastle ocupa o 20.º e último lugar da lista. Se questionasse o Ricardo Araújo Pereira, ele certamente me explicaria que a omissão se deve ao incêndio propagado a partir da ‘chama imensa’ que eliminou o Benfica da lista; e acrescentaria que o desastre teve como origem a falta de actuação oportuna, interessada e eficaz dos bombeiros – o comandante é do F.C. do Porto e o 2.º comandante um sportinguista ferrenho. Nada fizeram para impedir o sinistro total. [Read more…]