Ensaio sobre Penderecki

FALLON. I read somewhere that you said you’d lost fifty pounds.
PHOENIX. Fif… No. Fifteen. Did you say fifty? 50 [five-o]?
FALLON. 50!
PHOENIX. No! 15 [one-five]. Fifteen.
The Tonight Show Starring Jimmy Fallon

***

Há cerca de 15 anos, fui pela primeira vez a Cracóvia. Em pleno Rynek e com os olhos postos na basílica de Santa Maria, o meu espírito encontrava-se alhures, no triângulo formado pelas aulas de violino quando era miúdo, no Porto, pela minha Fender a descansar dentro do estojo, em Trier, e pela obsessão por Penderecki. Além disso, nessa altura andava a dar os meus primeiros passos no /S/ português em coda, por isso, para mim, um <c> como o de Penderecki era uma loucura. E ainda hoje estou, felizmente, obcecado: pelo /S/ português em coda e pelo Penderecki. Por coincidência, 13 anos depois deste episódio em pleno Rynek e com os olhos postos na basílica de Santa Maria, regressei a Cracóvia, para dar uma palestra sobre o /S/ português em coda. Tentei voltar à Tubitek/Bimotor lá do sitio, de onde trouxera todo o Penderecki com selo polaco que encontrara ao alcance da minha carteira nessa primeira incursão, mas a loja fora substituída por uma armadilha para turistas. Desiludido, fui comer żurek e pierogi, moderadamente regados com Żywiec.

Há 15 anos, não havia contato por contacto no Diário da República.

Efectivamente, em 2005, houve quatro ocorrências de contato no sítio do costume:

  • três por contrato, o que acontece com alguma frequência, como mencionei no meu estudo de 2013 (pdf);
  • uma correspondente ao nome de um gabinete de contabilidade;
  • zero por contacto.

Amanhã, dia das mentiras, entra em vigor o Orçamento do Estado para 2020.

***

José Sócrates e o despacho de acusação do Ministério Público: fraudes e fiascos

We’ll try to stay blind
— Duran Duran “Come Undone

Thomas: Excuse [ˈskjuːz] me, you don’t know who I am.
Johanna: Yes, I do.
Thomas: Do you?
Johanna: You’re the boy who follows me. You’re also Ethan’s son.

— The Only Living Boy in New York

***

Foto: Carlos Manuel Martins/Global Imagens (http://bit.ly/2kOGAC4)

Não sei se o advogado João Araújo já teve tempo para ler as mais de 4000 páginas da acusação deduzida pelo Ministério Público, no âmbito da Operação Marquês. Marques Mendes não teve. Quando João Araújo tiver tempo, pode recorrer às directrizes que aqui exponho — infelizmente, só me chegou às mãos o documento facultado pelo CM —, com um apanhado aparentemente semelhante ao do recente exercício orçamental, mas efectivamente diferente:  [Read more…]