Agricultura com novas armas

Campelo

Daniel Campelo será secretário de Estado da Agricultura

A agricultura portuguesa já viu de tudo, desde os fazendeiros do alcatrão com os seus jipes na lisboeta Avenida da Liberdade até latifundiários da sementeira que não colhem a seara porque o subsídio é pago pela área de terra cultivada.

Já viu vinhas arrancadas e sobreiros trocados pelo verde do golf; já viu urbanizações de estufas de ervilhas (que davam mais subsídios) e teve um minucioso trabalho de cartografia e catalogação dos terrenos agrícolas (para optimizar a distribuição de subsídios).

Até tem o maior lago artificial da Europa e com, possivelmente, a menor taxa de uso na actividade que justificou a sua construção – a rega.

Mas há sempre espaço para mais quando se pensa que já tudo se viu. Daniel Campelo, dizem, será o Secretário de Estado da Agricultura. Virá ele armado dos seus limianos para derrubar os problemas as particularidades os desafios da agricultura portuguesa? Um caso a seguir com atenção.

Em revista

Diz o Público que o líder parlamentar social-democrata, Aguiar Branco, rejeita a possibilidade de mais um “orçamento limiano”.
Acho muito bem: o que as contas do Estado menos precisam é de matéria gorda. Nem um orçamento de tempos de vacas magras bate certo com queijo flamengo.
Já a TVI24/IOL destaca que as ambulâncias do INEM estão a servir de taxi gratuito para os utentes.
É o que dá não haver investimento sério e eficiente na rede de transportes públicos, a par da subida do crude que tem aumentado o preço da bandeirada.
Ainda a TVI24/IOL, refere que uma lésbica se manifestou durante a apresentação de um livro contra o casamento homossexual.
Parece-me que há pessoal que ainda não se apercebeu bem das potencialidades que o casamento homossexual terá em sede de manifestações lésbicas: a partir de agora muita gente não terá de andar a ver cenas lésbicas às escondidas na net, poderá usufruir duma vistas dessas sentado num qualquer banco de jardim e ao vivo.