Joe Berardo, o reflexo da nossa mansa submissão

A lata deste indivíduo é infinita, mas há um je ne sais quoi de justiça divina na canalhice de Joe Berardo.

Porque ele é a imagem perfeita da nossa mansidão, da nossa submissão aos fatos, às gravatas, aos brasões e a um conjunto de outras parolices que colectivamente veneramos.

Por ele é produto acabado do oportunismo que floresce entre os conformados, abertos a todo o tipo de exploração e abuso, desde que não falte pão, circo e bola a rolar ao fim-de-semana.

É sad mas é a verdade esfregada na nossa cara. A puta da verdade que dói. Se bem que, no fundo, mais não temos que os Berardos que merecemos.

O que significa ser comunista?

Isto dava um livro, pelo que a sua redução a um texto obriga à (grosseira) preferência pelas conclusões e ao (ético) consentimento comum sobre os factos que as sustentam.

[Read more…]

Tripas à Sousa Lara

Para ver aqui.

Desta gentinha não rezará a história.