Faça e vá, não tem desculpa!

Digam lá, passa pela cabeça de alguém – a menos que tenha gigantescos cifrões luminosos no lugar das órbitas, com prolongamentos para as circunvoluções cerebrais – nesta altura do campeonato deste massacrado planeta, andar a fazer furos para prospecção de petróleo??? E, neste caso mais imediato (mas estão concessionadas vastas partes da costa e algumas regiões do território terrestre português), em águas profundas a cerca de 46 quilómetros de Aljezur, no Algarve???

Pois é isso que intenta o consórcio internacional ENI/Galp, com o beneplácito do governo português. Um governo português traidor do futuro dos cidadãos e do planeta, enquanto faz, com falinhas mansas, promessas para enganar tolos na Conferência do Clima das Nações Unidas.

Hipocrisia a combinar tão bem com os sinais do tempo.

Há duas coisas urgentes a fazer:

  1. Participar na consulta pública que decorre até segunda-feira para decidir se o projecto de sondagem de petróleo ao largo de Aljezur deve ser submetido a procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA)… E como não???     Pode fazê-lo em: participa.pt   Bom, ressalvo a posteriori que isto é complicadíssimo de preencher… não será por acaso…
  2. Ir manifestar-se no sábado, 14 de Abril, na Praça Camões, em Lisboa. “Enterrar de Vez o Furo, Tirar as Petrolíferas do Mar”. Contra a brutalidade das petrolíferas e das energéticas e o servilismo vendido dos governos. Pelo futuro.

É obrigatório.

Putin, Skripal e os bravos do pelotão ocidental

VPTM

O incorruptível e imaculado mundo ocidental protagonizou ontem uma grande demonstração de bravura, decidindo retaliar contra a alegada-mas-quase-certa execução do ex-espião russo Sergei Skripal, a mando do Kremlin, em território britânico e com recurso a uma sofisticada arma química.

E o que fizeram os corajosos Estados que se alinharam com a posição britânica? Terão eles cortado relações comerciais com a ditadura putinista? Terão dado instruções para que as suas multinacionais cessassem actividades em solo russo, fazendo com que as principais marcas de luxo americanas e europeias perdessem um dos seus principais mercados? Terão eles cancelado toda a qualquer parceria entre as petrolíferas ocidentais e as estatais russas, sempre imunes a sanções ou outros diferendos políticos e geoestratégicos? Continuar a ler “Putin, Skripal e os bravos do pelotão ocidental”

Qual foi a parte que os anti-imperialistas de ocasião não perceberam?

putin

Por estes dias, fui alvo de uma série de acusações, todas elas horríveis e nenhuma delas acompanhada por uma justificação, havendo mesmo um leitor que me acusou de gostar de Passos Coelho, algo que, para quem me conhece ou lê o que escrevo, terá sido motivo de forte gargalhada. E tudo isto porquê? Porque ousei relacionar a escolha de Donald Trump para a diplomacia, do CEO da Exxon, Rex Tillerson, com uma tendência clara da nova administração norte-americana para fazer cedências a Moscovo.

Os críticos mais ferozes do imperialismo norte-americano não gostaram. Porque criticar o absolutismo do Tio Sam é sempre muito popular, mas, pelos vistos, apontar o dedo ao tirano Putin ainda leva aos arames alguns leitores mais à esquerda, eventualmente convencidos de que ainda ali mora algum tipo de socialismo, imune a reprimendas. Continuar a ler “Qual foi a parte que os anti-imperialistas de ocasião não perceberam?”