Putin, Skripal e os bravos do pelotão ocidental

VPTM

O incorruptível e imaculado mundo ocidental protagonizou ontem uma grande demonstração de bravura, decidindo retaliar contra a alegada-mas-quase-certa execução do ex-espião russo Sergei Skripal, a mando do Kremlin, em território britânico e com recurso a uma sofisticada arma química.

E o que fizeram os corajosos Estados que se alinharam com a posição britânica? Terão eles cortado relações comerciais com a ditadura putinista? Terão dado instruções para que as suas multinacionais cessassem actividades em solo russo, fazendo com que as principais marcas de luxo americanas e europeias perdessem um dos seus principais mercados? Terão eles cancelado toda a qualquer parceria entre as petrolíferas ocidentais e as estatais russas, sempre imunes a sanções ou outros diferendos políticos e geoestratégicos?

Nada disso. O que os bravos do pelotão ocidental fizeram foi dar ordem de expulsão a diplomatas russos em funções nos seus países. A todos os diplomatas russos? Não, só a alguns. Aliás, em alguns casos, apenas um ou dois diplomatas russos foram expulsos, tendo a maioria ficado na exacta mesma situação em que se encontrava antes de Moscovo alegadamente-mas-quase-de-certeza ter dado instruções para eliminar Skripal.

Paremos por momentos para aplaudir a bravura do bloco de indignados liderado pelo governo do Reino Unido, país onde vários oligarcas russos, entre outros representantes de regimes ditatoriais como os Emirados Árabes Unidos ou a China, investem milhões corruptos e manchados de sangue em clubes de futebol, para gáudio dos britânicos e da sua economia, sem que ninguém se importe muito com isso.

Feito que está o merecido aplauso, é tempo de mandar esta gente toda para o raio que os parta. Que é para não os mandar para o caralho ou para a puta que os pariu. Se estão assim tão revoltados e indignados com a patifaria do regime putinista, tratem então de desenvolver um par de tomates e tomem uma posição de força. Uma posição de força a sério, não esta palermice simbólica. Isto, claro, se as provas de que Skripal foi efectivamente assassinado pelo Kremlin tiverem mais substância do que, por exemplo, aquelas que garantiam a existência de armas de destruição maciça no Iraque. Porque se é para começar outro conflito, apenas para que as petrolíferas e as grandes empresas de construção ocidentais possam prosperar com a miséria dos outros, mais vale estar quieto, que para infernos na terra já nos chegam o Iraque, o Afeganistão e a Síria.

Só um governo muito canalha e despótico, de criaturas macabras e sem respeito por ninguém, é capaz de ordenar um homicídio em solo de um outro Estado soberano, ainda por cima com recurso a armas químicas. Já Estados como o próprio Reino Unido, que participaram na invasão de Estados soberanos como o Iraque, ao arrepio das leis internacionais e com base em pretextos criados artificialmente, da qual resultaram muitos milhares de mortos, feridos, desalojados e deslocados, com ondas de choque até aos dias de hoje e que, entre outras coisas, providenciaram solo fértil para a ascensão de organizações terroristas como o Daesh, são exemplos a seguir. Para quem gosta de comer gelados com a testa.

Comments

  1. Ernesto says:

    Caro João, muito boa posta!

    Só tenho a dizer que concordo em absoluto com o que escreveu, e mais ainda, pela eloquência com que o fez.

    No que respeita à hipocrisia dos Países Ocidentais, mais concretamente do Reino Unido, convém lembrar o falecido Dr. David Kelly, até porque está ligado a essa invasão que os ditos Países do “Mundo Livre”(lol) quiseram fazer no Iraque, sabendo de antemão que as armas de destruição maciça não existiam.

    Só uma introdução para quem estiver interessado:

    “David Christopher Kelly, CMG (14 May 1944 – 17 July 2003) was a Welsh scientist and authority on biological warfare, employed by the British Ministry of Defence, and formerly a weapons inspector with the United Nations Special Commission in Iraq. He came to public attention in July 2003 when an unauthorised discussion he had off the record with BBC journalist Andrew Gilligan about the UK Government’s dossier on weapons of mass destruction in Iraq was cited by Gilligan and led to a major controversy. Kelly’s name became known to the media as Gilligan’s source and he was called to appear on 15 July before a parliamentary Foreign Affairs Select Committee investigating the issues Gilligan had reported. Kelly was questioned aggressively about his actions. He was found dead two days later…”

    Claro que a conclusão de um relatório “independente”, encomendado pelo 1º ministro Tony Blair, é que o senhor se suicidou, mas claro, levantou-se, tomou o seu pequeno almoço como fazia todos os dias, foi fazer o seu jogging matinal, e como é óbvio – não conheço melhor e mais letal forma de suicídio – atirou-se de um penhasco!

    Cumprimentos

    • Piedade Roberto says:

      Quem sabe se no caso Skripal , não foi ele usado pelos serviços de SM para obter um incidente que levasse a atingir outros objectivos.

      • Ernesto says:

        Quem sabe? Quem tiver meio palmo de testa!

        Não faltam é motivos, assim de repente:

        Qual é o caso interno nos USA que mais pode “ferir” o actual presidente? Ora pois claro, o suposto concluio com a Rússia! Ora…
        De que forma os USA vão, tal como têm exigido junto dos Países Ocidentais conseguir aumentar as receitas em material bélico com as compras dos restantes Países? Ora, clara está, criando inimigos, dividindo, fazendo aquilo que melhor fazem, ser agiotas do Mundo!
        Vê alguêm a falar do Brexit e da negociação que se avizinha catastrófica para o R.U.? Não, só se fala disto, e a Sra. May ganha pontos pq está a defender o seu País
        Isto ajudará a que tds os Países da UE tenham que aumentar o orçamento militar para 2%, tal como exigido pelo senhor trumpas
        Mais, repare que agora a NATO, para o Sr. Trump, já não é “obsoleta, sem utilidade nenhuma”! É o que nos vai salvar do “mal”

        Isto só não vê quem não quer, e não quer é como quem não vê!

      • Antonio Rodrigues says:

        Tem graça, ainda ninguém se lembrou de falar sobre o hipotético assassínio da princesa Diana, que tanto incomodava o “establishment” ardentemente protegido por Tony Blair. Houve alguma investigação, alguma decisão jurídica sobre o assunto? Parece que no Reino (Des)unido há sempre a tendência de culpar o povo russo e os seus dirigentes de todos os males. Se calhar também foi Putin o culpado da morte da princesa.


      • Até prova em contrário foi operação conjunta MI6/MOSSAD.

        • ZE LOPES says:

          Confio 200% em V. Exa! Antes de fazerem uma coisa destas, certamente telefonaram-lhe! De uma cabine telefónica, e de noite! Não pode ser outra coisa…


          • Até prova em contrário foi operação conjunta MI6/MOSSAD.

          • ZE LOPES says:

            Afinal parece que há provas. Vários agentes do M16 e da Mossad foram vistos num restaurante português de Londres a comer panelões de feijoada e a beber litros de Água das Pedras misturada de bicarbonato de sódio.

            Fica por saber qual deles largou o gás.

        • 𝘋𝘶𝘳𝘢 𝘭𝘦𝘹, 𝘴𝘦𝘥 𝘭𝘦𝘹 says:

          𝘐𝘯𝘥𝘶𝘣𝘪𝘰 𝘱𝘳𝘰 𝘳𝘦𝘰 ⇒ “Até prova em contrário foi”… um (az)ar que lhe deu!

          • Carlos Almeida says:

            Não brinquem, porque a “Padeira de Aljubarrota” de vez em quando diz umas coisas com nexo, para alem da ladainha dos “boçais”
            A MOSSAD, secreta dos criminosos Sionistas, anda por todo o lado e à vontade

          • 𝘋𝘶𝘳𝘢 𝘭𝘦𝘹, 𝘴𝘦𝘥 𝘭𝘦𝘹 says:

            Da minha parte, não era a brincar, Carlos. Aliás, partilho dessa opinião de que a D. Brites, ladaínhas descontadas, tem nexo nalgumas das coisas que 𝘥𝘪𝘻.

            O meu comentário visou apenas lembrar – passasse a ironia – que, formal e oficialmente, afirmações assim categóricas sem provas, ou sequer argumentos, de nada valerão – por mais verdadeiras que possam (ou não) ser…

            E como também concordo com a sua última frase, aproveito para 𝘥𝘪𝘻𝘦𝘳 que, se não estou em erro, a esta hora da conversa já um par de sinetas tocou lá nos 𝘱𝘰𝘴𝘵𝘰𝘴 𝘥𝘦 𝘷𝘪𝘨𝘪𝘢 dos ditos!

          • 𝘋𝘶𝘳𝘢 𝘭𝘦𝘹, 𝘴𝘦𝘥 𝘭𝘦𝘹 says:

            E acrescento que começo a suspeitar que, pela “perseguição” que aparentemente o move contra a D. Brites, essas sinetas 𝘦𝘴𝘵𝘳𝘦𝘮𝘶𝘯𝘩𝘢𝘳𝘢𝘮 o ZE LOPES!

          • Carlos Almeida says:

            Não tenho nada contra o utilizador seja ele o Voza0dB aqui ou o TBrites noutro Blog.
            Apenas me chateia a repetição diária e como disse atrás, “o que é demais é moléstia”

            Já o D.João VI dizia ao cardeal: “nem sempre galinha, nem sempre rainha”

          • ZE LOPES says:

            Eu, agente da MOSSAD? Há! Há!Há….! Háaaaa! Ai que o Voz a qualquer coisa (o rei dos emijos!) db é tão cómico!

            E o Voz a qualquer coisa é a…Dona Brites? Há! Há! Há! Há….há! Há!

            Parece que há aqui uma data de gente com um enorme ataque de síflis!

          • ZE LOPES says:

            Eu queria dizer sífilis! Mas não põe em causa a intensidade do ataque epidémico!

            Já agora: aquela coisa do “dura lex” parece mesmo vinda do “rei dos emijos” e da sua ortogramática pseudoiniciática e bastante parvática.

            Suspeita? Todos temos direito a suspeitar e a “emijar” à nossa vontade.

  2. Bento Caeiro says:

    Santa hipocrisia de quem se acha que para se ser alguma coisa tem de apresentar-se como alinhado, com determinado tipo de atitude. Bando de idiotas que governam o mundo.
    A Rússia, por esta forma, já foi acusada, julgada e punida, mas por que razão? Por alegadamente ter actuado em solo inglês e ter despachado cidadãos russos? Qual quê! Isso é atitude para a qual os ingleses dormem melhor. Não. Então qual a razão? Negócios, caros senhores. Como poderão os ingleses, a partir de agora, garantir aos oligarcas – que se apoderaram das riquezas da Rússia, após o descalabro da União Soviética e tão largamente aplicam na Santa Britânia – a paz e segurança do solo britânico se, pelo agora feito e visto (mais o visto que o feito), ficaram a saber que, em próximo dia e momento, poderão ser eles?
    Vai daí, o país de sua majestade a rainha, num golpe à medida dos tempos dos corsários (assim chamados os piratas, por estarem aos serviço de um estado), quer mostrar a sua força, fazendo ver ao senhor Putin que tem de deixar a sua rapaziada – acantonada na city de Londres – em sossego; arregimentando o bando de idiotas, governantes de certos países, para mostrarem a sua força. Como? Expulsando diplomatas. E não é que estes idiotas foram na conversa?!
    Os que agora assim actuam, tudo fizeram e permitiram fazer: desestabilizaram o mundo árabe e o médio oriente, levaram os sionistas para a Palestina, criaram o Bin Laden e o Daesh e, quando as coisas começaram a correr mal, meteram o rabinho entre as pernas e voilá, ei-los a correr dali para fora. Deixando a resolução do problema às desgraçadas das populações sofredoras e – surpresa – à Rússia e ao Irão. Não por acaso, também objecto da gana dos mesmos que agora se mostraram tão alinhados com os interesses da City de Londres.
    Só me apetece dizer, e digo: cambada de idiotas, de desprovidos de espinha dorsal, que tão facilmente alinham com o País que quer sair da UE, mas também não quer sair. Isto é, que quer deixar de ter os deveres e obrigações, mas garantir os direitos e proveitos: a Corsária Inglaterra no seu melhor – ou pior, para os outros, tal como Portugal já o sentiu na pele.

  3. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    A campanha feita pelo Ocidente contra a Rússia de Putin só vem demonstrar a fraqueza dos políticos “desta banda”.
    Eu não ponho as mãos no fogo sobre o envolvimento da Rússia no atentado perpetrado contra o espião.
    Mas tanto quanto sei há uma acusação e nenhuma prova.

    O que se passa é que a nossa sociedade está completamente futebolizada e aquilo que vemos nos outros como crime, nos nossos, não tem importância nenhuma.

    Teresa May lançou um labéu sobre Putin.
    O despenteado (físico e mental) do Boris Johnson, veio logo atrás da patroa salivando como um cãozinho.
    Lembram-se há uns anos quando um criminoso de guerra de nome Tony Blair veio para as televisões e cimeiras, jurando sobre a Bíblia como o Iraque tinha armas químicas em sua posse, acelerando uma vontade de Bush que já havia metido uma cunha ao parolo do Aznar e ao mordomo do cherne?
    Mas estes ingleses que passam a vida a cheirar o traseiro dos americanos têm alguma credibilidade para fazerem o que fazem?

    O problema para mim é outro e passa pela inveja desta classe de políticos ocidentais caquéticos que nunca terão o carisma que tem Putin. Isso é que os dana.
    Bom ou mão, Putin é uma pessoa com carisma, palavra que nenhum dos nossos políticos de chacha sabe o que é. E isso para estes populistas de meia tigela é mortal.

  4. Fernando says:

    A vida está a correr mal a Theresa May, ela está a usar tácticas semelhantes à de Margaret Thatcher quando inventou uma guerra nas Falkland para ganhar as eleições.

    A posição do Governo Português em não ser uma “Maria vai com as outras” é adequada, uma posição partilhada por Jeremy Corbyn, deixem as investigações seguirem o seu curso!

    As decadentes elites ocidentais estão aflitas, já não sabem o que fazer, elas sabem que o cerco se está a fechar.
    As pessoas vivem cada vez pior, a corrupção elitista institucionalizada, as guerras pela “democracia”, as populações do ocidente estão fartas!

    O que é que estas elites lembram-se, lembram-se em culpar a Rússia por todos os problemas que elas próprias criaram!

    Os vermelhos vêm aí, cuidado!!!


    • Margaret Thatcher inventou uma guerra nas Falkland? Qual foi a parte da invasão das ilhas Falkland levadas a cabo pela ditadura argentina que não entendeu? As decadentes elites ocidentais? Porquê? As elites russas são menos decadentes? Putin ainda é comunista? A Rússia já não é uma oligarquia? Considero este post excelente, já o mesmo não se pode dizer dos disparatados comentários.

      • Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

        Para quem vem comentar e o seu comentário são sete perguntas e um ataque aos outros comentadores, não se poderá dizer que, aquilo que aqui “posta” tenha valor acrescentado.
        Em qualquer caso, e considerando que faz o papel do professor, com tantas perguntas, deixa de ser o “xico” e passa a ser o “xico- esperto”.

      • Fernando says:

        Margaret Thatcher usou o conflito nas quase desertas Falkland para explorar o sentimento nacionalista e ganhar as eleições que doutra forma, provavelmente, as teria perdido.

        Pode apontar onde é que defendi Putin?


        • Quem lhe disse que eu disse que defendeu Putin?

          • Fernando says:

            Não disse, mas o questionário que me fez sugere a dúvida se eu sou não um defensor de Putin…

          • Fernando says:

            O seu questionário sugere a dúvida se sou ou não um defensor de Putin.


        • Usar um conflito em proveito próprio não é exactamente a mesma coisa que inventar uma guerra. E apontar o dedo só a um dos lados, dá sempre a impressão que se defende o outro lado. Se queria comparações com o aproveitamento nacionalista por parte de Tatcher, devia escolher Putin, que é ultranacionalista e sabe tirar muito bem o proveito de um conflito militar. Teresa May está a braços com um problema que não criou e há quem diga que foi Putin quem o ajudou a criar.


  5. A própria Alemanha acabou de aprovar a construção e exploração do gasoduto Nord Stream II (ler <a href=”https://112.international/politics/germany-approves-contruction-exploitation-of-nord-stream-ii-27011.html>aqui)!

    Isto apesar de uma enormíssima pressão dos terroristas amerdicanos para que tal projecto não fosse aprovado!

    aqui o documento oficial dos terroristas em que incitam a administração a fazerem todos os possíveis para evitar a aprovação!

    Felizmente não funcionou.

    Infelizmente vão passar à 2ª fase do plano: fazer tudo o que possam para evitar a construção fazendo pressão juntos dos países por onde passa o gasoduto para negarem a passagem:
    A Dinamarca é um alvo fácil, mas há outros!

    • Paulo Marques says:

      O aquecimento global agradece.


      • Qual aquecimento global?

        • Paulo Marques says:

          O gasoduto é para queimar gasolina.
          Acordos de Paris? Fica para o próximo século, que as exportações de carros alemães não podem parar.


          • CARLOS ALMEIDA (e depois não queres que use a tal palavra!)…

            Caro Paulo!

            Gasoduto: Canalização de longa distância que transporta gás natural.

            Lá porque começa com as letras de “gasolina” não significa que sirva para transportar gasolina!

            Depois continuas o delírio…
            “Acordos de Paris”!
            Porventura leste o documento?

            Claramente não o fizeste, pois se o tivesses feito saberias que nesse tal acordo, que tu “pensas” ser a salvação do aquecimento global… e passo a colar o que já escrevi – para não desperdiçar mais tempo:

            Nada se pode esperar desta tanga ilusória “Acordo de Paris”!

            Outro facto divertido é que no texto do “Acordo de Paris” não são referidas uma única vez as palavras:

            “gás natural”, “carvão”, “petróleo”, “combustíveis fósseis”, “combustíveis”

            e muito menos então as formas como alterar o sistema que segundo a própria ilusão é o criador das tais “alterações climáticas” e que é resultado das tais “emissões de GEE”!

            GÁS, GÁS, GÁS!

          • Paulo Marques says:

            Tem razão, ainda por cima tinha ido procurar um artigo e dizia gás… que ainda é pior na criação de CO2, mas não vem ao caso, a questão é que isso não é grande plano de futuro para a UE.
            É bom que o façam quando não têm outro plano, contrariando o maior falso aliado? Sem dúvida.


  6. Acredito que não há inocentes nesta história. No entanto, desenterrar o machado de guerra parece ser o recurso desesperado do Reino Unido perante o descalabro do Brexit. Ao assumir o seu desprezo pela Europa, cola-se ao seu aliado de sempre e adopta a agenda de hostilizar outros estados que põem em causa a hegemonia americana. O pior é que a Europa faz de conta que vai atrás. Ligações para a opinião de quem há muito já percebeu o jogo viciado e sujo (aviso: estes comentadores são acusados frequentemente de serem ‘comunistas’ pró-russos!…):
    Nafeez Ahmed: https://medium.com/insurge-intelligence/the-british-governments-russia-nerve-agent-claims-are-bullshit-a69b4ee484ce
    John Pilger: https://www.youtube.com/watch?v=dxRiG8vRRBk


  7. Post e comentários de nível informativo e opinativo de tertúlia política para bem avisar a malta a sermos nós a desenterrarmos o machado de guerra feito da força de alertas para uma cidadania activa e participativa.

    Bem hajam.

  8. ZE LOPES says:

    Confio 200% em V. Exa! E o problema é que foi de noite!

Trackbacks


  1. […] supranacionais, só a nós diz respeito. Se vamos andar a reboque de outros Estados, ou, pior, a fazer as tristes figuras que alguns Estados fizeram ao expulsar apenas um diplomata como quem dá a pata ao dono, então mais vale estar quieto. Se […]


  2. […] querem alguns convencer-nos que expulsar diplomatas aleatoriamente é uma grande demonstração de b…. Depois de anos a conviver com esta e com outras ditaduras, para onde exportamos os nossos produtos […]

Deixar uma resposta