Professores por colocar

As Escolas TEIP são as “mais complicadas”. Por isso, Nuno Crato resolveu não colocar lá os Professores em falta. Tudo a bem da Escola Pública, claro. Mas, é uma abertura normal…

O ouro para o privado

Passos Coelho abriu a boca e, como quase sempre, saiu asneira.

Ou talvez não – reparem que os do costume aproveitam a onda para ver se apanham peixe, que é como quem diz, os famosos liberais, tão amigos do privado atrás do dinheiro fácil que uma renda de serviço público possa garantir.

Se a ideia absurda das escolas públicas passarem a ter uma gestão privada fizer algum tipo de caminho, sugiro então que os liberais de ocasião comecem por pegar apenas nas Escolas TEIP. Se são assim tão bons e se a gestão privada é tão competente, então deverá ficar com as escolas mais complicadas para as melhorar, certo?

E só mais uma coisinha, um pequeno detalhe – não podem escolher alunos, ok? Ficam com o peixe que aparecer, pode ser?

Santa estupidez!

 

De TEIP para autonomia

O Ministério da Educação criou em 1996 (Despacho n.º 147-B/ME/96) um programa que procurava responder às necessidades de escolas inseridas em meios mais complicados – os Territórios Educativos de Intervenção Prioritária. Na gíria dos profs, os TEIP. Era Ministro da Educação Marçal Grilo e Secretária de Estado, Ana Benavente.

Mais tarde, em 2008/09 foi lançada a segunda fase deste projecto (Despacho Normativo 55/2008, de 23 de Outubro), novamente por iniciativa de um governo socialista.

Esta segunda vida dos TEIP continua até aos dias de hoje e tendo sido uma oportunidade para muitas escolas desenvolverem práticas educativas para reduzir parte dos seus problemas mais delicados. As escolas TEIP têm sido financiadas por fundos europeus (POPH) e têm conseguido contratar técnicos da área social (Educadores sociais, mediadores de conflitos, por exemplo), têm conseguido desenvolver assessorias (nas aulas de matemática e de língua portuguesa) e tutorias, têm criado e dinamizado clubes (música, desporto, ciências), têm, no fundo, a capacidade de escapar da crise no meio da miséria em que vivem as escolas públicas. Diria que o projecto TEIP tem sido um bom negócio para as Escolas e para quem lá estuda.

Nuno Crato viu nos TEIP uma oportunidade.

Infelizmente!

[Read more…]