Ainda os 50% no 1º de Maio

O artigo de Pacheco Pereira no Público merece uma  reflexão profunda porque coloca as coisas como eu penso que devem ser colocadas. E sei do que falo quando penso no país como o interior de uma panela de pressão que está hoje mais quente do que ontem.

“O Portugal dos dias de hoje está como
um daqueles cristais muito frágeis que, só
de se tocarem, correm o risco de quebrar.
O erro do Pingo Doce foi dar um abanão
desnecessário e inútil nessa fragilidade,
feito a partir de uma posição de força de
quem pode escolher, contra a fragilidade de
quem não pode.”

 

Comments


  1. E a análise de JPP expressa na Q. Circulo é a radiografia, melhor, a TAC feita ao episodio e à realidade do país.

  2. Rinka says:

    Dá para ler o texto online?

  3. Maria de Fátima Bizarro says:

    Desta vez concordo plenamente com o PP. A análise está curta e concisa. Ressalto “feito a partir de uma posição de força de quem pode escolher, contra a fragilidade de quem não pode.”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.