Onda da Nazaré ganha prémio de melhor onda surfada 2011

Portanto já sabem, estamos em Portugal, há que encomendar estudos, requalificá-la, torná-la segura, acrescentar betão, passadiços, cobrar taxas, consultar a ASAE, abrir concursos e chamar a Mota Engil. Por enquanto, como está, ainda parece uma coisa do terceiro mundo, assim natural e mal acabada, irregular, dependente de ventos e marés, sem engenharia, design ou infra-estruturas…

Comments

  1. Plínio Maximiano says:

    Esse comentário é completamente execrável e o seu autor devia ser selado num bloco de betão ciclópico [como fazem ao lixo radioactivo]. Só que, em vez de enterrado a grande profundidade, devia ser enviado para fora deste planeta.

  2. A. Pedro says:

    Vou aceitar o seu comentário com humor, ó Plínio Maximiano, coisa que você não fez em relação ao poste, apesar das evidências, do tom e da Mota Engil.

  3. jorge fliscorno says:

    Fantástico!
    Aquela zona é especial. Tem um desfiladeiro submarino, o famoso Canhão da Nazaré, assim chamado numa espécie de tradução naval a partir de Canyon (ou talvez do espanhol cañon). Estas ondas (e aquele mar perigoso da Nazaré) devem ser consequência deste “canhão”.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.