Uma questão de substância

O primeiro-ministro sublinhou ainda que não se deve “exigir do Estado tudo”, defendendo o empenho de todos os outros agentes para o país “vencer” e pedindo aos portugueses que não se importem “de dar o litro”.

Ó Senhor Primeiro-Ministro, eu não me importo de dar o litro.

Só não quero é que continue a ser de sangue e para alimentar os vampiros do costume.

Está a perceber a ideia?

Comments


  1. Se os portugueses “derem o litro” da mesma forma que o cidadão Pedro P. Coelho deu e tem dado, estamos safos!…

  2. Fernando says:

    Eu acho que não se deve tratar Passos Coelho como um ser humano,pois tal é a dissonância entre o discurso e a realidade das pessoas comuns que ele, Passos, é na verdade um cartoon!!
    É flagrante o embuste que é a “austeridade”, a “austeridade” é um esquema de extracção de renda de uma classe (a classe média), para a classe parasitária da banca…


  3. Eu já dei mais que o litro e nada beneficiei , antes pelo contrário
    fiquei na miséria e estou a sobreviver com RSI de 178,00€ , porque me roubaram tudo e não fui golpista como eles .
    Concordo plenamente com o comentário do outro Fernando .
    Só temos sido governados por gente sem escrúpulos , porque os outros portugueses assim gostam .
    Façam como eu , que não voto e mais digo que só vai votar quem não tiver vergonha e quer ver o povo mais miserável . .

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: