Uva moscatel – solilóquio

Uvas moscatel. Conheço-as bem. Pequenas, de aparência humilde são, no entanto, ricas e deliciosas. Como tantas coisas na vida. Mais raras que as outras variedades, há lugares onde dificilmente se encontram – embora, quando existam, sejam resistentes, persistentes, confiáveis –, já que o vulgo prefere as uvas mais vistosas, grandes, bem apresentadas, mas que, a maior parte das vezes, não sabem a nada, nada cumprem do que o seu aspecto promete. Como tantas coisas na vida.

As uvas moscatel têm, entre outras virtudes, a de serem as únicas que produzem um vinho em que o sabor equivale ao da uva. Cumprem o que prometem. Todavia, lá está, a maioria tem preferido – e, pelos vistos, preferirá durante mais algum tempo – repetir a frustração de experimentar as que seduzem pela aparência, embora traiam quase sempre o que o anunciam e desgostem, repetidamente, quem as prova. Como tantas coisas na vida.

uva moscatel

Geralmente, quem prova as verdadeiras moscatéis fica-lhes fiel, não quer outra coisa. Estou a falar das verdadeiras, das que abundam no distrito de Setúbal, por exemplo, e não as fraudes de importação. As que foram criadas por nós, com as nossas mãos, com o nosso talento, com o nosso trabalho, são as que melhor nos servem. Como tantas coisas na vida.
Como vêem, consegui, apesar dos tempos eleitorais que vivemos, escrever um texto que não fala de política. Acho eu…

Comments


  1. Pois é José Gabriel, mas tão difíceis de comprar.
    Mesmo no distrito de Setúbal

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.