As redes sociais e a política organizada

visao

Saiu hoje na Visão uma entrevista ao Fernando Moreira de Sá (ficheiro pdf: entrevista FMS), feita a propósito da sua dissertação de mestrado.

Entre os parvos e falsos ingénuos do costume,  deu escândalo. Compreende-se. Primeiro porque não é para qualquer um distinguir entre investigação científica e vida política ou profissional. Alguém ter narrado, sem aldrabices, o que conhece do seu dia-a-dia num trabalho académico é obviamente uma vergonha para os do costume. Nos tempos dos Business School que correm, é assim. E logo a seguir porque as verdades doem sempre aos mentirosos e a quem as encobre, para ganhar a vida, por ideologia, sempre no croquete & beberete.

Ainda não li a tese do Fernando mas da entrevista, tirando a deliciosa anedota do forum TSF onde Sócrates foi bombardeado com elogios, não fiquei a saber nada que não fosse óbvio, para quem tenha dois dedos de testa e ande no mundo das redes sociais, incluindo blogues. E quem não anda, problema seu. Quem exerce a profissão de jornalista sem andar, tem bom remédio, emigre para um emprego.

O Forum TSF é uma das maiores vergonhas da história da rádio portuguesa, todos os dias. Todos os dias em que há uma greve dezenas de anti-grevistas interrompem o seu dia de trabalho para baterem na greve, e ninguém lhes pergunta nada; a “moderação” poderia ser feita perfeitamente por um robot,  na que foi uma rádio de excelência funciona desde há muitos anos a lei dos patrocinadores e seu bloco central. Salva-se algum profissionalismo resistente, um Fernando Alves, peixe fora de água nadando na água que criou e apenas por medo à fonte ainda não deitaram fora.

TSF à parte, a relação da comunicação social portuguesa com a rede é assim: comem, engolem, nunca admitem que comem mal porque nada percebem do assunto, e não percebem nada do assunto porque se avestruzaram perante uma nova realidade, óbvia desde há uns 15 anos. E agora escandalizam-se, que foram enganados com truques elementares, tipo virgem que ainda o é no hímen mas ofereceu há muito o anal para não emprenhar e ainda lhe poder sair no totobares um casamento à antiga. Não há pachorra. Há cada vez mais tarefeiros, oportunistas elementares e (poucos) jornalistas sobreviventes. O projecto de quem comprou e/ou lançou comunicação social em Portugal, parabéns pelo empreendido, teve sucesso.

Na parte que me (nos) diz respeito, se há coisas que ganhei no Aventar a única realmente  importante foram relações pessoais. O Fernando está em segundo lugar nesse podium. É de direita? é. Foi nas cantigas Passos & Relvas? foi.

Problema dele: sempre leal e sincero, nunca negou, quando confrontado, que estava a tratar da agenda política de uma facção do PSD no Aventar (e aqui admito, uma vez fui atrás, consciente mas ora arrependido). Sempre respondi aos meus amigos de esquerda que me confrontavam com tal evidência que o problema do Aventar não era esse, mas o de não ter quem transportasse a agenda do PS, ou de outros partidos que entretanto resolvemos. Um blogue plural, esse ET para o mundo dos que usaram os blogues para se fazerem à respectiva vida partidária e não só, ainda mete impressão, ainda somos marcianos (nós e o o Delito de Opinião, praticamente o único que joga no mesmo campeonato).  Gajos com tomates como o Fernando, venham mais.

Comments


  1. Ainda não li Visão porque não tenho dinheiro para a com-
    prar , mas li nas imagens da TV , algo sobre manipulação
    das redes sociais por Partidos Políticos e não só .
    Nada que me surpreendesse porque a nossa classe polí-
    tica (sem classe alguma ) funciona na base de esquemas
    bem manipulados , da vigarice , da mentira , dos vendi-
    lhões , em suma da corrupção , para a qual gastam a sua
    ” massa cinzenta ” ( se é que a têm ) para nos enganarem
    e nos fazerem de parvos . Puramente e simplesmente são
    tão somente uns habilidosos .
    [editado]
    Já não se pode ter confiança em ninguém .

    Tudo funciona na base de critérios de falsidade . .

    Muito teria a dizer sobre estas negras personagens .


    • A entrevista está aqui, bastava clicar. As suas paneleirices, todos os homófobos queriam era levar no cu mas têm vergonha, debaixo do que eu escrevo, são editadas, não gosto de paleio de retrete debaixo de mim.
      E se lhe apetece, tenha coragem, compre um lubrificante, experimente, mas deixe de inventar sobre os cus que não são seus.


      • Sr João José Cardoso espero que o comentário acima
        não seja relativo à minha pessoa , por não gostar de
        paneleios e poder dar a conveniente resposta .


        • É relativo à pessoa que vem para aqui despejar imbecilidades sobre a vida privada dos outros. Se é você ou outro em seu nome, ai isso não sei.


          • A sua falta de objectividade leva-me a pensar que se
            refere a mim , cuja confirmação sem rodeios , com
            toda a objectividade , agradeço para poder responder
            também com objectividade .
            Nunca fiz , nem faço comentários anónimos .
            Identifico-me sempre nos meus comentários .


          • Objectividade? objectividade é isto: quem venha para as minhas caixas de comentários escrever “que toda a gente
            sabe o que ele é , um grande paneleiro” tem o seu vómito editado, e a minha sugestão para ir levar no cu. Quem bate à padaria quer cacete. Entendido?


          • És um um cobarde , um troca-tintas que só defendes
            corruptos e paneleiros como o Sócrates .
            És um manipulador como o Sócrates , o político mais
            bandido deste País , que devia estar preso .
            Manipulas o Aventar para não te darem respostas .
            Vai tu mais o Sócrates levarem no cu onde quiserem.
            Assumam-se . Eu só gosta de mulher com boa cona .
            Não ofendas os outros sem os conheceres de parte
            alguma .


  2. sobre o fórum da tsf tenho a dizer que só recentemente comecei a ouvir, pouco, escutava a primeira meia hora, a entrevista ao convidado sobre o tema do dia e desligava assim que começavam a atender chamadas. fazia-me lembrar as entrevistas de rua para a televisão
    “-que acha desta chuva que está a cair?
    – pois que é molhada e está mal…”
    custava e custa-me ouvir quem liga e quem responde ao fórum tsf e as entrevistas de rua.
    nem tenho bem a noção se um programa de rádio de meio da manhã ainda chega realmente a muita gente a ponto de conseguir manipular a opinião de muito mais gente que nem o escutou.


  3. Excelente entrevista a de Fernando Moreira de Sá, este dá uma pedrada no charco para agitar não só dos bloguistas, como políticos e jornalistas.
    Embora pense que as redações não sejam tão vítimas nesta selva como parece depreender-se das suas palavras. Para mim estas são mais outro meio de manipulação e não considero os jornalistas tão vítimas da manipulação, de facto uns são mesmo diabinhos manipuladores, outros meros barquinhos à vela que vão na onda para dizer o que o povo quer ouvir sem ir a sério e de forma isenta ao fundo das questões.


  4. bem, o que se tem que ler!
    agora um gajo comporta-se como um patife, sem moral nem ética de qualquer espécie (ou o vale tudo agora é ética?), mas como mais (toda?) a gente o faz, temos e devemos que aplaudir os sem-vergonha quando se vangloriam da sua própria pouca-vergonha.
    e depois ainda vêm praqui colocar comentários a defender-se como se fossemos todos estupidos!
    vergonhoso!


    • Doe-lhe nalgum sítio? olha que chatice. Há umas pomadas porreiras na farmácia. Parece que também vendem a canalhas anónimos.


      • o joão é tão orgulhoso da sua info-exclusão que nem sabe que o que o seu amigo fez é praticamente a definição de troll em qualquer discussão online, mas transposto para a vida real e com consequências muito mais graves!.
        e depois anda a apagar os comentários dos anónimos e a chorar-se com o estado do país… quanta hipocrisia!
        ou será antes que é mesmo verdade que burro velho não aprende truques novos?


        • Sim, apago comentários de anónimos, as vezes que me apetecer, não existem, são anónimos.
          Neste caso não o fiz porque me divirto, com as dores de quem não sabe distinguir um homem de um cobardolas.


          • vá ler o que o caetano veloso (o joão é capaz de conhecer, é do seu tempo) disse sobre as pessoas andarem mascaradas na rua, nomeadamente nas manifestações, e aproveite para reflectir nessa sua obsessão com os anónimos…
            e já agora, cobardolas são aqueles que acham que é a pessoa que o apresenta e não o argumento apresentado que conta numa discussão. nem que para isso tenham que criar identidades falsas para não terem que dizer ao que vêm (lá está, os argumentos). esses é que são cobardolas!


          • Agora misturamos cobardolas do teclado com manifestantes anónimos.
            Apresentou algum argumento? não reparei, seriam os diálogos para um filme mudo?


          • ah, já percebi! os anónimos não são todos iguais e portanto os argumentos que o João apresenta para uns não valem para os outros. que conveniente! (vamos é ter que tentar ignorar que, em ambas as situações, são exactamente os mesmos que são apresentados por quem é “contra” a anonimidade)
            se apresentei algum argumento? bem, se o joão não o conseguiu descortinar é porque das duas uma:
            – ou não está lá, e o joão pode voltar descansado à sua vidinha corriqueira a bater nas costas dos que estão a levar este país à miséria;
            – ou está (não é a pessoa que o apresenta mas o argumento apresentado que conta numa discussão), e o joão está mesmo a ficar velhote e precisa de aumentar a graduação dos óculos
            deixo à sua consideração.


          • Adoro quando me interpelam a idade sob anonimato, com a imensa lata de se acrescentar que um cobarde tem direitos. Quanto à retórica baratuxa, tal como a dorzinha que aqui a trouxe, tem bom remédio para ambas: nas farmácias também aceitam pastilhas fora de prazo.


        • hehehe, um cobarde não tem direitos mas um mentiroso a soldo de um bando de ladrões deve ser defendido e até aplaudido por se vangloriar do dinheiro que ganhou com isso!
          hahahaha, muito bom!
          circo joão josé cardosini no seu melhor! venham, venham! venham todos ver o grande malabarista da esquerda chorinhas!

          ps – e deixe lá isso da idade, que a responder assim até parece que é coisa que o afecta. e sabe, ainda não há pastilhinhas pra isso…


          • Mentiroso? a soldo? lá está, tivesses nome não estarias a vomitar disparates. É que depois corrias sempre o risco de alguém te partir o focinho. Mas para defender “a causa” dos mentirosos assalariados vale tudo, já sabíamos.


          • peço desde já desculpa se estou enganado mas tinha ficado com a ideia que aquilo que o seu amigalhaço confessou foi que (e vou usar só um exemplo) chegaram a ir para os fóruns da tsf fingir-se apoiantes do sócrates mas de forma tão exagerada que tentavam e conseguiram passar a ideia que quem estava a fazer iosso era a central de comunicação do sócrates. isto não é um mentiroso?
            quanto ao a soldo, se quiser acredityar que o seu amigo não recebeu nada por isso é lá consigo, mas todos os exemplos que ele próprio deu de pessoas ligadas a esta campanhã terem ido para cargos no governo e conselhos limítrofes, leva-me a pensar o contrário.
            então afinal quem é que está aqui a defender a causa dos mentirosos assalariados, quem é?
            nós já sabíamos, o joão está a descobrir aos poucos…

            ps – quanto a partir-me o focinho, só tenho uma resposta para lhe dar: tu, e que exército?


          • Ó monte de merda, o que recebeste pelas socretinices a que te dedicaste, não implica que outros tenham sido pagos pelo mesmo.
            Fodidos, porque foram gozados? na altura nem deram por ela, tão habituados estavam a manipular foruns, caixas de comentários, etc. etc, olha que chatice.
            Quanto à basófia de cobardolas, não é preciso mais que o sopro de um catraio para a virar ao ar. Por uma simples razão: quem não tem nome não deixa de ter cu. Neste caso cu com mesmo muito medo.


          • a sua obsessão pelos socráticos é absolutamente patética.
            já lhe ocorreu que em Portugal não há só socráticos e anti-socráticos?
            responda-me lá a esta pergunta: quem é que o joão acha que foi mais gozado, os socráticos ou a grande maioria dos portugueses?
            aproveito para desejar as melhoras à sua consciência cívica e política.


          • A minha consciência está bem, e recomenda-se. Tenho combatido a evolução na continuidade deste governo como combati o anterior. Não me pesa ter andado ao lado de quem iniciou a privatização do ensino e da saúde, por exemplo.


          • impecável, a mim também não!
            lutei contra o anterior governo, manifestei-me quanto baste, discuti, organizei-me politicamente e até festejei o chumbo do peciv, embora agora talvez (ainda não tenho uma opinião completamente formada acerca disso) me esteja sentir um pouco arrependido desses festejos.
            mas…e quanto a responder à minha pergunta, nada? nada de nada?


  5. Este Fernando Moreira de Sá faz lembrar os mafiosos arrependidos. Não lhe deram um tacho como aos outros e vai daí põe a boca no trombone.
    Uma vergonha antes, um coitado agora.


  6. Compreendo e admiro quem defende os seus amigos; também eu sou assim. Sou no entanto incapaz de resguardar quem com toda a naturalidade confessa ser politica e intelectualmente desonesto. FMS confessou fazer parte de uma trupe manipuladora, falsificadora de intervenções, criadora de factos políticos falsos pela repetição ad nasuseam, etc. JJC torna-se não num amigo, mas num cúmplice de fraude. Quanto ao facto de censurar anónimos, tem o meu IP e perfil de G+ e até o trombil. Censure a puta que o pariu!


    • Uma trupe igual a tantas outras, pelos vistos há malta muito incomodada com a denúncia. Os meus cumprimentos ao corno que amansou a sua mãe.


      • Não é um denunciante, suponho que não o faça por questões éticas, não li nenhum acto de contrição. É apenas um suposto arrependido a procurar imunidade agora que se lhe acabou a mama. Quanto ao insulto, obviamente que não se destinava à senhora sua mãe, antes uma manifestação de desagrado, O desiquilíbrio hormonal que lhe causa a andropausa torna-o muito agressivo. Acalme-se, homem.


        • Vocês, os denunciados, é que sabem tudo. Tão queixosos que eles andam.
          Já agora, quanto à minha andropausa, se a senhora sua mãe ainda estiver operacional, pode fazer um teste. Não, não é um insulto. Insulto é só quando nos insultam, nós podemos sempre vomitar à vontade os nossos.


  7. O facto de se publicarem os pros e contra só honra o post e que valoriza.(tenho lido blogs onde os comentarios chegam as 3 mil penso que devido a não exclusao). O que posso sugerir é uma linguagem mais aqulina e menos das docas. Vai a mesma mensagem mas com uma roupagem de gala.Os olhos tambem alimentam.

Trackbacks


  1. […] Visão a sua perspectiva de um período agitado da política lusa, colocou a nu a forma como se faz política. Não apenas em Portugal. Não apenas neste momento. Em todo o mundo e desde sempre. O que mudou […]


  2. […] “o tipo” e José Pacheco Pereira a “um dos participantes”. Acabo de ler a entrevista e, imaginem só, “um consultor de comunicação”,  ”o consultor de […]


  3. […] Visão a sua perspectiva de um período agitado da política lusa, colocou a nu a forma como se faz política. Não apenas em Portugal. Não apenas neste momento. Em todo o mundo e desde sempre. O que mudou […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.