coisas deliciosamente formidáveis

Quando Tozé Seguro enfrentou Francisco Assis nas eleições para a secretaria-geral do PS, a concelhia do partido do concelho do qual sou natural (Águeda) escolheu Assis. Assis perdeu mas o presidente da Câmara Gil Nadais (re-eleito pelo PS dois anos antes) fez acordo com Seguro para lhe ser granjeada qualquer coisita numa secretaria de estado caso o PS vença as próximas legislativas com o candidato a candidato Seguro como candidato a primeiro-ministro. Logo que a bronca estoirou entre Costa e Seguro, a concelhia local reuniu-se e aprovou uma moção que pede à nacional um congresso extraordinário, vontade inicial de Costa, manifestando o presidente da Câmara que estará com Seguro. Já o secretário concelhio, Edson Santos, vereador da CMA, foi recentemente constituído arguido depois de uma mega operação de investigação desenrolada pela Polícia Judiciária pela presunção de utilização indevida de verbas concelhias enquanto chefe de gabinete do referido presidente de câmara. Suspeita-se que o email (enviado para centenas de pessoas) que narrava as aventuras e desventuras do chefe de gabinete, entretanto dado como o feliz contemplado de um concurso municipal para técnico oficial dos quadros da dita Câmara (há que preparar o futuro pessoal e futuro do partido caso se percam as próximas autárquicas, certo?) foi enviado a partir do computador de um antigo presidente de junta da mesma cor partidária, entretanto rumado aos Estados Unidos da América, país onde foi emigrante durante vários anos, depois de não ter sido escolhido como cabeça-de-lista à União de Freguesias surgida da freguesia na qual era autarca. O mesmo, detinha negócios pouco transparentes com a edilidade local.

Estas linhas davam uma excelente novela venezuelana. No entanto, são bem elucidativas daquilo a que eu chamo “a porra da teta da porca da política”.

Comments

  1. Eu mesma says:

    Não se amofinem. Nem rosas com espinhos, nem laranjas podres com vérmina escapam a estas intrigas da corte. Há que fazer pela vidinha, excepto trabalhar, claro. Tudo vai bem nesta terrinha. Quem acha que a política é digna deve andar a dormir ou anda a fazer dormir os outros. Ou então, como diz um agora famoso slogan publicitário brasileiro, “sabem de nada, inocentes”.


  2. quem pode e deve questionar se nãoandamaos a caminhar no sentido errado são os que têm tendencia a enquistar nopartido da sua devoção e tapar os ouvidos as ideias diferentes: Porque carga de agua a eleição politica passa o certificado de bom gestor? tambem o Relvas temum certificado de estudos que não fez e veja-se o que acham oscidadãos. Porque não separar as eleições politicas da gestão profissional certificada e testada como deve ser a gestão da cousa publica?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.