Dia de Portugal

espelho_antigo
O cheiro a sardinhas e à salada de pimentos, o hino de esplendores todos baços como manchas num espelho demasiado antigo, a memória recente da bandeira nacional içada ao contrário, o orgulho reduzido à palavra vazia de povo lá dentro, e sempre e uma vez mais o anúncio: os portugueses são os maiores, ou pelo menos são tão bons quanto os outros: aquele complexo identitário anacrónico a cheirar a môfo (misturado com o cheiro a fumo das sardinhas), medalhas pregadas nos banqueiros e nos super-quadros de feitos multinacionais, a jangada Portugal de repente toda enfunada em navio de almirantes tenreiros, navio negreiro para piratas globais, e lá em baixo os portugueses todos rebentados a dar aos remos, e lá em cima António José Seguro já a subir ao mastro.

Comments

  1. So what says:

    Querido Pai,querida mãe então que tal?nós cá vamos do jeito que Deus quer….o rapaz esteve em retiro espiritual, hoje veio discursar para as TV’s, mas isto de estar retirado,também lhe tirou a robustez,e o rapaz muito mal alimentado,n aguentou e pumba caíu de 3, isto no dia do Português,ficou muito mal para o retrato, mas para alimentar o freguês anda vamos culpabilizar o sindicato…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.